fbpx
logo
logo
Hair Concept por Roberta Gomes inaugura novo espaço em Campinas

Hair Concept por Roberta Gomes inaugura novo espaço em Campinas

A empresária Roberta Gomes acaba de chegar em Campinas com sua marca internacional, focada em cuidados capilares personalizados.

Ela é carioca, mas vive como cidadã do mundo. Roberta Gomes tem 43 anos, mora em três países – Brasil, Estados Unidos e Emirados Árabes – e passa boa parte do seu tempo nos ares, ainda que seja muito pé no chão. “Vivo nos aeroportos, entre voos, para monitorar as fábricas e os salões”, conta. A Hair Concept, sua rede especializada em produtos e tratamento para saúde capilar, emprega 200 funcionários em doze unidades espalhadas por cinco países. Além dos três acima, Qatar e Bahrein.

 

Roberta Gomes aplicando sua tecnologia de análise de fios - Foto: Divulgação

Roberta Gomes aplicando sua tecnologia de análise de fios – Foto: Divulgação

 

Nas últimas semanas, Roberta tem circulado mais pelo Aeroporto de Viracopos, já que acaba de inaugurar um novo espaço em Campinas, no hotel Royal Palm Plaza. Aberto para hóspedes e clientes da região, o salão oferece, além dos serviços básicos de beleza, a detalhada análise diferencial dos fios e do couro cabeludo, com cuidados personalizados e uso de tecnologia de ponta. Todos os procedimentos seguem protocolos e cumprem as regras estabelecidas pela OMS e pela Prefeitura de Campinas.

“É um conceito inovador que permite recriar o cabelo saudável e perfeito com o qual você nasceu”, explica. A empresária começou cedo nessa área. E mergulhou de cabeça por necessidade própria: “Fui mãe aos 14 anos e, apesar de não recomendar essa experiência para ninguém, a maternidade precoce me fez entender que eles dependiam inteiramente de mim. Criei meus quatro filhos sozinha, por ser separada do pai deles. Isso foi um grande incentivo para entrar no ramo da beleza e me especializar em cosmetologia e tricologia.”

 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

Depois de ter lançado várias marcas de produtos para cabelos nos Estados Unidos, onde mora desde 2008, Roberta acordou um dia com um sonho. “O Hair Concept surgiu em um sonho. Nele, a gente personalizava os produtos e cada profissional estava setorizado com uma responsabilidade, exatamente como é hoje. Foram quatorze meses para projetar esse conceito, não existia nada parecido no mundo”, conta.

A primeira unidade foi montada em 2016, na Flórida. A segunda em São Paulo e a terceira no Qatar, pois ela já atua no Oriente Médio há doze anos com a marca RG Cosmetics. “Costumo dizer que meu coração é dividido em três: Brasil, EUA e Oriente Médio”, define Roberta, que quando não está ocupada gerenciando as empresas da RG Holding, não abre mão de ficar em casa curtindo a família e aprendendo a nova arte de ser avó com Sophia, sua primeira neta, de um ano e meio.

 

Entrada do Hair Concept, em Campinas - Foto: Divulgação

Entrada do Hair Concept, em Campinas – Foto: Divulgação

Clima de aventura e descoberta no Sítio do Carroção

Clima de aventura e descoberta no Sítio do Carroção

Sítio do Carroção, no interior de São Paulo, recebe crianças durante as férias de julho com inúmeras atividades ao ar livre e de puro conhecimento.

O Sítio do Carroção, um acampamento localizado em Tatuí, a 120 km de Campinas, chegava a receber 300 alunos por dia para atividades extracurriculares antes da pandemia. Ao longo de 2020, o local passou por adaptações e reabre com passeios educativos e divertidos para as crianças, além de uma experiência de descanso para os adultos.

 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

Nas férias de inverno, crianças e adolescentes de 5 a 16 anos podem explorar o maior aquário de água doce do Brasil, com 180 mil litros de água alimentados por duas cachoeiras. Nele vivem tucunarés, cacharas, piranhas, cascudos e muitas outras espécies de peixes. No Sítio, os pequenos ainda podem se divertir em trilhas cinematográficas e em verdadeiro estilo “Indiana Jones”, com bússolas e mapas em busca por tesouros perdidos, além de terem a chance de descer em alta velocidade por um tobogã com 103 metros, que passa por dentro de uma caverna. Destaque também para a experiência única de avistar um esqueleto de um enorme Tiranossauro Rex no parque paleontológico do local.

 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

As atividades foram ajustadas com menor capacidade – agora cada grupo pode ter até 18 pessoas – uso de máscara obrigatório e uma equipe médica sempre disponível. Fora da temporada de férias escolares, os pais também podem se hospedar no Carroção. São 25 quartos confortáveis e uma área externa com piscina, onde são servidos drinques. O restaurante do sítio apresenta um menu à la carte que remete aos sabores do Brasil, da Itália e do Mediterrâneo, e a adega inclui rótulos das principais vinícolas do mundo.

O Sítio do Carroção opera com o sistema all inclusive. Os hóspedes contam com cinco refeições diárias, acompanhamento de monitor 24h, translado de São Paulo, jogos e festas temáticas.

 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Marfrig adquire uma significativa participação na BRF

Marfrig adquire uma significativa participação na BRF

Marfrig, potência das carnes bovinas, adquire uma significativa participação na BRF, líder no mercado de aves e suínos. Se a fusão for concluída, vai dar origem a uma poderosa empresa com faturamento anual de mais de US$ 20 bilhões.

Em um movimento que surpreendeu muita gente, a processadora de carnes Marfrig, do empresário Marcos Molina, abocanhou mais de 30% das ações da empresa de alimentos BRF. A Marfrig é 100% focada em carne bovina e é dona de marcas como Montana e Bassi. Já a BRF trabalha apenas com carne de frango (entre 70% e 80% da receita) e carne suína (entre 20% e 30%).

 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

Uma empresa complementa o portfólio da outra, e uma eventual união entre as duas geraria pouca sobreposição geográfica, uma vez que as operações da Marfrig se concentram na América do Norte (70% da receita) e América do Sul (30%), enquanto a BRF — controladora das marcas Sadia e Perdigão — tem sua atuação mais limitada ao Brasil (80% da receita) e ao Oriente Médio.

A nova empresa formada pela fusão já nasceria como uma das cinco maiores empresas de proteína do planeta, com um faturamento anual de mais de R$ 100 bilhões (ou cerca de US$ 20 bilhões), mais de 50 unidades produtivas e mais de 120 mil colaboradores. A Marfrig informa que — ao menos no curto prazo — não pretende interferir diretamente nos rumos da BRF ou eleger membros para o Conselho de Administração. A aquisição dessa significativa participação na empresa seria apenas um “investimento estratégico”. Mas a posse de mais de 30% das ações garante à Marfrig um enorme poder de fogo nas assembleias e nas tomadas de decisão do Conselho da BRF.

A aquisição, fusão ou seja lá qual nome tiver essa operação, ainda não está concluída. O desfecho deve acontecer neste segundo semestre de 2021. E certamente vai colocar mais uma gigante do agronegócio brasileiro em destaque no cenário mundial.

 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

Prosa rápida

  • Mango hype

Enquanto a Marfrig avança sobre a BRF, sua arquirrival JBS anuncia a compra da Rivalea, líder na criação e processamento de carne de porco na Austrália, responsável por 26% dos suínos processados no mercado local. Com essa aquisição, a JBS diversificará seus produtos no país e no Sudeste Asiático.

  • Sem apagão

Neste momento em que os reservatórios das usinas hidrelétricas estão esvaziados e em situação periclitante, as usinas de processamento de cana-de-açúcar podem ajudar a reduzir a chance de apagões e racionamento de energia elétrica no Brasil. A eletricidade de biomassa, gerada a partir do bagaço de cana, custa menos da metade daquela produzida nas centrais térmicas movidas a gás, diesel e carvão. As usinas sucroalcooleiras, concentradas no Centro-Sul, podem entregar energia por algo entre R$ 300 e R$ 400 por mega watt-hora, enquanto hoje há usinas térmicas com custo superior a R$ 1.000 por MWh.

  • Lanche venenoso

O uso de agrotóxicos no país é tão descontrolado que eles aparecem até em vários alimentos processados. Análise feita pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC) detectou a presença de resíduos de herbicidas de alta toxicidade em produtos como as bebidas de soja da Batavo, os cereais matinais Nesfit, os snacks Baconzitos (da Pepsico), os biscoitos Triunfo (da Arcor) e Oreo (da Mondeléz) e nas bisnaguinhas Panco, Seven Boys (da Wickbold) e Pulmann (da Bimbo).

Caminhar tornou-se uma opção favorita na pandemia

Caminhar tornou-se uma opção favorita na pandemia

Movimentos que estimulam o transporte a pé e buscam metrópoles saudáveis e inclusivas ganham mais força durante a pandemia.

Por causa do distanciamento social, mais gente passou a caminhar. Duas pesquisas, da Rede BR e da Rede Nossa São Paulo, apontam que a preferência pela caminhada subiu de 9% para 23% no país e aumentou 32% só na cidade de São Paulo.

 

Foto: Pixabay

Foto: Pixabay

 

São dados inspiradores, uma vez que as vantagens de andar a pé são inúmeras. Caminhar faz bem para a saúde física, mental e emocional; não polui e é de graça, além de tornar as cidades mais seguras e agradáveis – já que lugares com poucos pedestres são mais suscetíveis à violência urbana.

No Brasil, vários movimentos atuam em defesa desse meio de transporte, exigindo calçadas decentes, tempos semafóricos suficientes para travessias e a formulação de políticas públicas que garantam acessibilidade e segurança. Caminhar é um meio importantíssimo de mobilidade: cerca de um terço da população brasileira se desloca diariamente a pé. Confira abaixo o que fazem os principais grupos e como você pode trilhar esse caminho:

 

Foto: Pixabay

Foto: Pixabay

 

Como anda

Ponto de encontro das organizações que promovem a mobilidade a pé, está em pleno vapor o Laboratório de Ação Direta para a Mobilidade a Pé (Lab.MaP), acelerando dez iniciativas no Brasil para colocar na rua projetos em defesa de quem caminha.

Cidade a pé

Atua em defesa de uma cidade de São Paulo mais humana, segura e acessível para todos os que se deslocam por ela, em especial quando usam seus próprios pés ou cadeira de rodas para se locomover.

CalçadaSP

Estimula a população a contemplar calçadas que muitas vezes passam despercebidas, fortalecendo o olhar para a cidade e para a arquitetura.

Mulheranda

Rede de urbanistas, ativistas e entusiastas da mobilidade que sonham com cidades mais humanas, inclusivas e equitativas, pensadas por e para as mulheres.

Carona a pé

O projeto incentiva o caminhar junto até a escola, envolvendo a comunidade escolar, crianças e familiares, que se reúnem diariamente para formar rotas com trajetos específicos, construindo uma nova relação entre as pessoas e a cidade onde vivem.

Resort Palmaïa, no México, une luxo e veganismo

Resort Palmaïa, no México, une luxo e veganismo

Instalado em Playa del Carmen, na porção ‘caribenha’ da costa mexicana, o Palmaïa oferece sofisticadas receitas plant based em seus restaurantes e no serviço de quarto.

Nesses últimos meses, o México vem se tornando um dos principais destinos internacionais dos viajantes brasileiros. Isso acontece porque o país é um dos poucos onde somos admitidos, apesar da calamitosa gestão da crise sanitária por aqui. E, de acordo com um recente levantamento do instituto Kantar-Ibope, cerca de 30 milhões de brasileiros são vegetarianos ou veganos.

 

Suíte swim-out, com vista para o mar - Foto: Divulgação

Suíte swim-out, com vista para o mar – Foto: Divulgação

 

Juntando essas duas informações, descobrimos uma excelente dica de viagem para esse público na Riviera Maya. É lá que funciona o Palmaïa The House of AïA, o primeiro resort de luxo com cardápios 100% plant-based em todos seus quatro restaurantes e no serviço de quarto.

O visionário fundador do Palmaïa, Alexander Ferri, idealizou o resort com base em seu próprio estilo de vida. “Há mais de 10 anos, aprendi que uma das decisões mais importantes que qualquer pessoa pode tomar para ser mais sustentável é seguir uma dieta baseada em plantas. Decidi mudar minha forma de comer. Ingerir proteína animal é uma das formas mais ineficientes de explorar os recursos naturais”, conta Ferri.

 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

A sensibilidade vegana do fundador se mistura com a experiência culinária do chef-executivo Eugenio Villafaña, que criou menus baseados em vegetais frescos, saborosos e cuidadosamente preparados. Os hóspedes podem experimentar receitas com sotaque mexicano, mediterrâneo ou oriental. Exemplos disso são os tacos feitos com tortilla de milho azul, coalhada vegetal, purê de feijão, vinagrete de tomatillo e azeite de abacate, o risoto de açafrão servido com tartare de tomates marinados com algas marinhas e sementes de mostarda ou ainda o curry de coco com mamão verde, cenouras baby, alho-poró e espinafre, acompanhado de arroz jasmim. No bar “pé na areia”, a pedida é o hambúrguer vegetal com queijo cheddar vegano, kimchi, maionese picante e chips de batata doce.

 

Prato vegano servido pelo resort - Foto: Divulgação

Prato vegano servido pelo resort – Foto: Divulgação

 

Instalado em um trecho tranquilo da Playa del Carmen, possui 234 suítes de frente para o mar, quatro piscinas de borda infinita, um spa e áreas fitness. Além disso, tem um lindo cenote privativo (lago subterrâneo de água doce) e oferece experiências transformadoras que visam ativar o crescimento pessoal, o relaxamento e a conexão segura com outras pessoas – uma ótima opção para este momento em que os viajantes, cada vez mais, procuram viajar com um propósito.

Desenvolvida por uma equipe de Arquitetos da Vida, a programação inclui aulas, banhos, sessões de meditação, rituais de cura e vivências imersivas na selva. Para a criançada, o Palmaïa opera o único programa holístico de atividades infantis administrado por educadores Waldorf certificados no México.