Cirque du Soleil traz à Rio Arena espetáculo que mistura performances aéreas e coreografias encenadas por patinadores no gelo

Cirque du Soleil traz à Rio Arena espetáculo que mistura performances aéreas e coreografias encenadas por patinadores no gelo

Cirque du Soleil chega com o espetáculo “Crystal”, com acrobacias que desafiam a gravidade em uma fusão única de patinação no gelo com projeções visuais grandiosas

O Cirque du Soleil inicia sua turnê pelo Brasil na Rio Arena, entre os dias 13 e 23 de junho, de terça a domingo. A companhia circense mais famosa do mundo chega com o espetáculo “Crystal”, com acrobacias que desafiam a gravidade em uma fusão única de patinação no gelo com projeções visuais grandiosas.

“Crystal” apresenta acrobatas e patinadores que atuam no gelo e no ar, combinando patinação sincronizada e em estilo livre com atos de circo tradicionais, como trapézio, alças aéreas e performances corpo a corpo. A trama narra a jornada emocionante de autodescoberta da protagonista do show, Crystal, uma garota que se sente incompreendida e fora de sincronia consigo mesma. Para escapar de sua realidade, ela se aventura em um lago congelado, acaba caindo no gelo e chega a um mundo invertido. Neste universo subaquático da sua imaginação ela vê um reflexo de si mesma. Por lá, é guiada por seu reflexo até despertar para a sua própria criatividade. Enquanto aprende a ver as coisas de maneira diferente, se torna quem sempre esteve destinada a ser: ela mesma.

 

foto divulgação

 

Rio Arena
Avenida Embaixador Abelardo Bueno, 3.401, Barra da Tijuca.
Ingressos de R$ 180 a R$ 820.

Fernanda Torres volta a interpretar uma libertina baiana de 68 anos em “A Casa dos Budas Ditosos”

Fernanda Torres volta a interpretar uma libertina baiana de 68 anos em “A Casa dos Budas Ditosos”

Trazendo de volta aos palcos a premiada peça “A Casa dos Budas Ditosos”, Fernanda Torres mostra toda sua verve e seu talento ao narrar as peripécias eróticas de uma senhora de 68 anos

Fernanda Torres volta a interpretar uma libertina baiana de 68 anos em “A Casa dos Budas Ditosos”, adaptação para o teatro do livro lançado por João Ubaldo Ribeiro. A direção é de Domingos de Oliveira (1936-2019) e o espetáculo já rendeu à atriz um Prêmio Shell em 2004. No palco, uma velha senhora narra peripécias sexuais e grita aos quatro cantos que ousou cumprir sua vocação devassa e foi feliz, sem qualquer tipo de culpa ou remorso. Juntando aqui e ali as histórias, as confissões e os depoimentos apresentados pela protagonista, o texto de João Ubaldo promove várias reflexões filosóficas sobre a vida, o amor, o sexo e a liberdade. A montagem é um monólogo, e Fernanda Torres brilha ao fazer com que cada um na plateia se sinta com se ela estivesse falando unicamente para si.

 

foto divulgação

 

Teatro Multiplan
Avenida das Américas, 3.900 (Village Mall), Barra da Tijuca.
Tel. 21 3030-9970.
Toda quarta-feira, até o dia 27 de março.
Ingressos de R$ 100 a R$ 380.

Na peça “Um Filme Argentino”, Letícia Colin e Michel Melamed encenam situações que esmiúçam a intimidade dos casais

Na peça “Um Filme Argentino”, Letícia Colin e Michel Melamed encenam situações que esmiúçam a intimidade dos casais

Letícia Colin e Michel Melamed encenam a peça “Um Filme Argentino”, uma comédia romântica que fica em cartaz até 21 de abril no teatro Adolpho Bloch

A peçaUm Filme Argentino” começa mostrando um casal que discute pela enésima vez, até que ela sai de casa. Por causa da chuva, ela não vai muito longe e acaba adormecendo na portaria do prédio onde mora com o marido. Os dias passam e as mais diversas situações fazem com que a mulher permaneça ali até começar a chamar o local de “lar”. Essa é uma das situações encenadas por Letícia Colin e Michel Melamed na peça. O espetáculo composto por 24 “quadros” nos quais os atores interpretam dezenas de personagens segue a máxima proferida por William Shakespeare: “Todo casamento é um palco e todos os homens e mulheres não passam de meros atores”. A comédia romântica, excêntrica, poética e até política tem texto e direção do próprio Michel Melamed.

foto divulgação

 

Teatro Adolpho Bloch
Rua do Russel, 804, Glória.
Tel. 21 3553-3557.
Ingressos de R$ 50 a R$ 120.

Regentes de um novo tempo: as maestras à frente de orquestras no Brasil

Regentes de um novo tempo: as maestras à frente de orquestras no Brasil

Cada vez mais mulheres ocupam espaço em orquestras brasileiras e se tornam maestras, inspirando novas líderes de excelência na música clássica

Ainda é raro observar mulheres regentes à frente de orquestras no Brasil. Mas esse cenário começa a mudar – acrescido de outras revoluções importantes na música, como a própria abrangência do estilo clássico no país. Após a pandemia, teatros de ópera e balé seguem lotados, com um público sedento para assistir aos espetáculos.

As mudanças se personificam nos gestos, na coerência e na comunicação de algumas profissionais. Priscila Bomfim ingressou no Theatro Municipal do Rio de Janeiro como pianista e após muito trabalho se tornou a primeira mulher a reger uma ópera dentro da temporada oficial. “Depois dessa estreia, outros convites surgiram para reger orquestras no país, como a Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB), as Orquestras Sinfônicas de Vitória (ES), de Porto Alegre (RS), de Campinas (SP), do Theatro São Pedro (SP) e da Universidade de São Paulo”, lembra.

 

Priscila Bomfim, do Theatro Municipal do Rio de Janeiro – foto Ana Clara Miranda

 

A maestra participou ainda da fundação da Orquestra Sinfônica de Mulheres do Brasil com a trompetista Luciene Portella, e há três anos dirige a Orquestra Sinfônica Juvenil Chiquinha Gonzaga – a primeira orquestra brasileira formada apenas por meninas da rede pública de ensino. “O trabalho de um regente é o de conduzir, ser um excelente músico e, nos dias atuais, entender como aproximar a música orquestral do público em geral”.

Mariana Menezes também acumula feitos pioneiros e relevantes. Após o mestrado em regência instrumental na University of Manitoba, no Canadá, ela retornou ao Brasil e foi a única mulher da primeira turma da Academia de Regência da maestra Marin Alsop, na Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP). “Como atual regente associada da Orquestra Filarmônica de Goiás, me emociona ver um público jovem e interessado. E já vejo muitas jovens maestras se inspirando e se formando em universidades e conservatórios nos últimos anos”, conta.

 

Mariana Menezes, regente da Orquestra Filarmônica de Goiás – foto divulgação

 

Neste ano, Mariana atuará como regente convidada de orquestras em outros estados, como a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais e Orquestra Sinfônica de Campinas. Priscila Bomfim fará a preparação de diversos solistas na temporada de óperas no Theatro Municipal do Rio de Janeiro e regerá concertos esperados pelo público, como o espetáculo em homenagem a Chico Buarque.

Peça “Solteira, inteira e feliz”, escrita e interpretada por Yaya Gazal, coloca em cena padrões sociais ainda vivenciados pelas mulheres

Peça “Solteira, inteira e feliz”, escrita e interpretada por Yaya Gazal, coloca em cena padrões sociais ainda vivenciados pelas mulheres

Em cartaz no Rio de Janeiro e em São Paulo, comédia escrita por Yaya Gazal retrata com leveza e humor a perspectiva de muitas mulheres

O espetáculo “Solteira, inteira e feliz” conta a história de Júlia, uma colunista de uma famosa revista voltada para o público feminino, na qual compartilha suas experiências sobre os mais diversos temas. Prestes a sair do apartamento onde viveu os últimos 20 anos, Júlia, interpretada pela atriz Yaya Gazal, faz uma retrospectiva de sua vida e dos seus relacionamentos amorosos, ficando de frente com as suas vitórias e derrotas. A peça retrata com leveza e humor a perspectiva de muitas mulheres, atormentadas pelos padrões impostos pela sociedade, mas com a coragem necessária para realizar profundas transformações. “Solteira, inteira e feliz” segue em cartaz no Teatro dos 4 no Shopping da Gávea, todas quintas, até 29 de fevereiro, e simultaneamente em São Paulo, no Teatro Itália Bandeirantes, aos sábados e domingos, até o dia 24 de fevereiro.

 

foto divulgação

 

Teatro dos 4
Rua Marquês de São Vicente, 52 (Shopping da Gávea, 2° piso), Gávea.
Tel. 21 2294-1096.