fbpx
logo
logo
Resort Palmaïa, no México, une luxo e veganismo

Resort Palmaïa, no México, une luxo e veganismo

Instalado em Playa del Carmen, na porção ‘caribenha’ da costa mexicana, o Palmaïa oferece sofisticadas receitas plant based em seus restaurantes e no serviço de quarto.

Nesses últimos meses, o México vem se tornando um dos principais destinos internacionais dos viajantes brasileiros. Isso acontece porque o país é um dos poucos onde somos admitidos, apesar da calamitosa gestão da crise sanitária por aqui. E, de acordo com um recente levantamento do instituto Kantar-Ibope, cerca de 30 milhões de brasileiros são vegetarianos ou veganos.

 

Suíte swim-out, com vista para o mar - Foto: Divulgação

Suíte swim-out, com vista para o mar – Foto: Divulgação

 

Juntando essas duas informações, descobrimos uma excelente dica de viagem para esse público na Riviera Maya. É lá que funciona o Palmaïa The House of AïA, o primeiro resort de luxo com cardápios 100% plant-based em todos seus quatro restaurantes e no serviço de quarto.

O visionário fundador do Palmaïa, Alexander Ferri, idealizou o resort com base em seu próprio estilo de vida. “Há mais de 10 anos, aprendi que uma das decisões mais importantes que qualquer pessoa pode tomar para ser mais sustentável é seguir uma dieta baseada em plantas. Decidi mudar minha forma de comer. Ingerir proteína animal é uma das formas mais ineficientes de explorar os recursos naturais”, conta Ferri.

 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

A sensibilidade vegana do fundador se mistura com a experiência culinária do chef-executivo Eugenio Villafaña, que criou menus baseados em vegetais frescos, saborosos e cuidadosamente preparados. Os hóspedes podem experimentar receitas com sotaque mexicano, mediterrâneo ou oriental. Exemplos disso são os tacos feitos com tortilla de milho azul, coalhada vegetal, purê de feijão, vinagrete de tomatillo e azeite de abacate, o risoto de açafrão servido com tartare de tomates marinados com algas marinhas e sementes de mostarda ou ainda o curry de coco com mamão verde, cenouras baby, alho-poró e espinafre, acompanhado de arroz jasmim. No bar “pé na areia”, a pedida é o hambúrguer vegetal com queijo cheddar vegano, kimchi, maionese picante e chips de batata doce.

 

Prato vegano servido pelo resort - Foto: Divulgação

Prato vegano servido pelo resort – Foto: Divulgação

 

Instalado em um trecho tranquilo da Playa del Carmen, possui 234 suítes de frente para o mar, quatro piscinas de borda infinita, um spa e áreas fitness. Além disso, tem um lindo cenote privativo (lago subterrâneo de água doce) e oferece experiências transformadoras que visam ativar o crescimento pessoal, o relaxamento e a conexão segura com outras pessoas – uma ótima opção para este momento em que os viajantes, cada vez mais, procuram viajar com um propósito.

Desenvolvida por uma equipe de Arquitetos da Vida, a programação inclui aulas, banhos, sessões de meditação, rituais de cura e vivências imersivas na selva. Para a criançada, o Palmaïa opera o único programa holístico de atividades infantis administrado por educadores Waldorf certificados no México.

Villa Paranaguá é um hotel boutique com charme francês em Santa Teresa

Villa Paranaguá é um hotel boutique com charme francês em Santa Teresa

Instalado em um casarão histórico que pertenceu à Tônia Carrero, o Villa Paranaguá tem apenas dez amplas e exclusivas suítes.

Hospedar-se em Santa Teresa durante uma visita ao Rio é uma boa pedida não só para quem quiser ficar um pouco afastado da badalação e do agito da Zona Sul. É também uma alternativa para quiser uma opção mais intimista, menos impessoal e mais próxima do Centro. Isso mesmo, Santa Teresa fica a um pulinho da Cinelândia, da sede da Petrobras, do Porto Maravilha e do Aeroporto Santos Dumont.

 

Piscina do hotel - Foto: Divulgação

Piscina do hotel – Foto: Divulgação

 

Inaugurada meses antes da pandemia, a Villa Paranaguá Hotel Boutique & Spa é um excelente refúgio para quem busca conforto, paz, exclusividade e muito charme em Santa Teresa. São apenas nove amplas suítes – todas com varanda – distribuídas por um casarão histórico que já pertenceu à diva do teatro e do cinema Tônia Carrero, erguido em um terreno com 4.000 metros quadrados.

Em anexo à casa principal, o Le Pavillon é um aprazível apartamento que completa as opções de acomodação. Todos os cômodos do hotel são decorados com peças e móveis assinados por grandes designers, como o brasileiro Sérgio Rodrigues, o norte-americano Warren Platner e os franceses Le Corbusier e Philippe Starck. Na área externa, com direito a vista para o Pão de Açúcar, ficam a convidativa piscina e o pequeno spa, para o hóspede relaxar ainda mais.

 

Área interna do hotel - Foto: Divulgação

Área interna do hotel – Foto: Divulgação

 

O restaurante serve deliciosas crepes, omeletes e sucos de frutas no café da manhã e pratos mais elaborados no almoço e no jantar, como o risoto de abóbora com queijo de cabra, a cocotte de lulinhas à provençal ou ainda steak & frites com molho de roquefort.

Tudo na Villa Paranaguá tem um toque francês, e isso não acontece por acaso. O hotel surgiu por iniciativa dos parisienses Pierre e Marie Beuscher, que compraram o imóvel em 2013 e o converteram em um hotel com ajuda do filho Joachim e de sua esposa, a brasileira Laís Vertis. O casarão é também o cenário ideal para a realização de um miniwedding e para reuniões corporativas. É possível fechar o hotel para grupos que reservarem um mínimo de cinco quartos por duas diárias – um buyout sem a necessidade de ocupar todas as dez suítes.

 

Quarto do hotel - Foto: Divulgação

Quarto do hotel – Foto: Divulgação

Casa dos Arandis: hospedagem com o sossego do litoral da Bahia

Casa dos Arandis: hospedagem com o sossego do litoral da Bahia

Instalado na lindíssima Península do Maraú, a Casa dos Arandis é um hotel pequeno, mas com alma e dengos criados especialmente para fazer seus hóspedes entrarem no clima.

A Península de Maraú é um dos trechos mais deslumbrantes da Costa do Dendê, no litoral baiano. Sua orla com 40 quilômetros tem trechos semi-desertos, emoldurados por coqueirais sem fim, lagoas de água doce, manguezais e espetaculares piscinas naturais formadas na maré vazante entre as barreiras de coral. Em praticamente todos os rankings de praias mais bonitas do país, pelo menos alguma faixa de areia da região aparece nas primeiras colocações. Até mesmo em uma seleção feita pelo jornal britânico “The Guardian”, a Península do Maraú está representada.

 

Piscinas de coral nas praias na Península do Maraú - Foto: Divulgação

Piscinas de coral nas praias na Península do Maraú – Foto: Divulgação

 

É em meio a esse paraíso tropical que o casal de cariocas Cacau Falcão e Nana Teixeira inaugurou em 2011 a Casa dos Arandis, um pequeno hotel boutique com apenas duas casas de praia e quatro exclusivos bangalôs de frente para o mar da Praia de Algodões, charmosamente construídos de forma sustentável, com madeira de demolição e telhas recuperadas.

Logo na chegada, os hóspedes são convidados a entrar no clima se refrescando com toalhas geladinhas umedecidas com essência de capim-limão e bebendo um drinque à base de cachaça e mel de cacau – néctar extraído da polpa da fruta.

Ideal para quem quiser relaxar naquele ritmo bem Dorival Caymmi, o hotel tem um mini-spa com banheira de hidromassagem balinesa, uma sauna a vapor, ducha pressurizada, tenda de massagem, espaço para a prática de yoga e lounge para descanso. Tem ainda um restaurante com mesas distribuídas pelo salão e por uma agradável varanda, onde são servidas maravilhas da culinária baiana, preparadas com ingredientes bem frescos. É impossível não se impressionar com a moqueca de camarão, o catado de caranguejo e o arroz de polvo.

 

Vista do hotel Casa dos Arandis - Foto: Divulgação

Vista do hotel Casa dos Arandis – Foto: Divulgação

 

O hotel possui certificado orgânico concedido pela rede Povos da Mata – uma associação de agroecologia composta por famílias de indígenas, quilombolas, pescadores e outros habitantes da região.

Para quem quiser um pouco mais de atividade – não muito, eu prometo – as melhores opções são o snorkel nas piscinas de corais, o stand-up paddle na Lagoa do Cassange e na área do manguezal, o tour de bike pela beira do mar até a praia de Taipus de Fora, a visita a uma fazenda de cacau e os passeios de barco até a cachoeira do Tremembé ou à Ilha da Pedra Furada.

Para chegar na Casa dos Arandis, é preciso pegar um voo até o aeroporto Jorge Amado, em Ilhéus, e em seguida encarar uma pequena viagem de 100 quilômetros por estradas. As diárias no hotel começam na faixa dos R$ 1.250. Desde 2018, o Casa dos Arandis é associado da Brazilian Luxury Travel Association (BLTA).

 

Cachoeira do Tremembé - Foto: Divulgação

Cachoeira do Tremembé – Foto: Divulgação

 

Resort Ponta dos Ganchos oferece imersão na natureza, privacidade e experiências gastronômicas únicas

Resort Ponta dos Ganchos oferece imersão na natureza, privacidade e experiências gastronômicas únicas

Resort Ponta dos Ganchos combina imersão na natureza, privacidade em quartos com design sofisticado, e experiências gastronômicas únicas.

Em uma área de 80 mil metros quadrados, no município Governador Celso Ramos, o Ponta dos Ganchos oferece exclusividade e perfeito distanciamento em 25 sofisticados e amplos bangalôs para casais, repletos de conforto, serviço impecável e uma vista inesquecível para o mar da Costa Esmeralda, no norte do estado catarinense. A apenas 65 quilômetros do Aeroporto de Florianópolis, o refúgio foi reconhecido como o melhor resort das Américas pela The Leading Hotels of the World e está entre os dez melhores hotéis do mundo também pela consagrada chancela.

Tanto reconhecimento não é à toa. Funcionários sempre atenciosos garantem uma experiência sem preocupações e de puro relaxamento. As diárias incluem um delicioso café da manhã em 10 tempos, sem horário para terminar e que muda todos os dias. Destaque para o ovo benedict e en cocotte com creme de tomate, bacon crocante e torrada de pão italiano; o sanduíche quente de brie com presunto cru e pesto; e o iogurte com uvas, quinoa e mel.

 

Visão aérea da praia privativa e da ilhota do hotel, onde acontecem jantares românticos. - Foto: Divulgação

Visão aérea da praia privativa e da ilhota do hotel, onde acontecem jantares românticos. – Foto: Divulgação

 

À beira da praia, com vista privilegiada e sob comando do chef José Nero, o restaurante do hotel apresenta uma cozinha contemporânea e serve almoço, petiscos pé na areia e jantar – com valores à parte da reserva. No menu, os frutos do mar reinam. Salada de figos caramelizados com queijo boursin de Nova Trento, vinagrete de vinho do Porto e pistache; e as vieiras grelhadas com velouté de pupunha gremolata e maracujá encantam entre as entradas. Para os pratos principais, opções como polvo grelhado com purê de mandioquinha, ervilha torta e molho hoisin, e o fettucine fresco de açafrão com frutos do mar al limone, tomate e manjericão proporcionam uma experiência completa.

Por falar em sensações únicas, o jantar também pode ser servido na pequena ilha em frente ao restaurante, que se liga ao resort por uma ponte verdadeiramente instagramável. Ali, a vista do pôr-do-sol é indescritível e, durante o outono e o inverno, é o ambiente perfeito para um café ou chá de fim de tarde à luz de velas.

Àqueles que preferem acompanhar bons momentos com vinho, o local sempre conta com as harmonizações do sommelier argentino German Bergondo. O Ponta dos Ganchos ainda possui um vinho produzido exclusivamente para o hotel, pela Fattoria Lavacchio, da região italiana da Toscana –, o blend de Merlot e Syrah surpreende com seu sabor aveludado.

 

Piquenique no Ponta dos Ganchos. - Foto: Divulgação

Piquenique no Ponta dos Ganchos. – Foto: Divulgação

 

Charme natural

Privacidade e descanso são possíveis em todas as seis categorias de hospedagem no Ponta dos Ganchos. O bangalô Vila, com aproximadamente 130 metros quadrados, dispõe de toalete duplo, sauna seca e uma jacuzzi cercada por portas e telhado de vidro, permitindo uma bela iluminação natural. Na área externa, o belo jardim emoldura uma deliciosa piscina climatizada de borda infinita ideal para vivenciar as belezas da região.

 

Área interna do bangalô Especial Esmeralda. - Foto: Divulgação

Área interna do bangalô Especial Esmeralda. – Foto: Divulgação

 

Para uma imersão ainda mais intensa na natureza da região, há duas trilhas dentro das dependências do hotel – a Trilha do Casqueiro e a Trilha da Veleza, ambas autoguiadas e sem grandes desafios, com cerca de 500 metros. Aos sábados, um guia acompanha os hóspedes pela Trilha da Praia de Fora, que acaba em uma praia deserta, que conta com 100 metros de areia brancas e água cristalina, de onde se pode avistar a Ilha Grande e a Praia de Palmas. Conhecido por ser o lugar onde pode-se observar o nascer-do-sol mais bonito da Costa, nos meses de junho e julho ao raiar do dia e no fim de tarde é possível ver a pesca artesanal da tainha .

 

Piscina com borda infinita. - Foto: Divulgação

Piscina com borda infinita. – Foto: Divulgação

 

O spa do Ponta dos Ganchos conta com produtos da grife Sisley Paris e oferece uma série de tratamentos para rosto e corpo que associam toda a parte sensorial dos óleos essenciais e extratos vegetais da marca ao poder da aromaterapia. Para o inverno, o resort abriu duas novas salas de spa e apresenta seu novo tratamento facial, o Huile Précieuse à lá Rose Noire, que protege a pele seca ou madura, combate ao estresse e hidrata. É necessário agendar as massagens relaxantes, assim como o período na ampla piscina aquecida do hotel e na academia – agora reservados em horários exclusivos para cada bangalô devido às medidas sanitárias da pandemia.

O cuidado com o meio ambiente faz parte da essência do Ponta dos Ganchos, que além de tratamento de esgoto, capta água da chuva para ser utilizada na jardinagem e recicla 100% do lixo. Os resíduos orgânicos passam por um processo de compostagem e depois são usados como adubo na horta do hotel. O reflorestamento é feito em 8% do terreno do resort, onde já foram plantadas mais de dez mil mudas de árvores nativas. Além disso, 90% da mão de obra do Ponta dos Ganchos são moradores locais.

 

Experiência pé na areia do Ponta dos Ganchos. - Foto: Divulgação

Experiência pé na areia do Ponta dos Ganchos. – Foto: Divulgação

Inverno: veja um roteiro com pratos perfeitos para saborear nos dias de baixa temperatura

Inverno: veja um roteiro com pratos perfeitos para saborear nos dias de baixa temperatura

O inverno chega e com ele aparecem todos os desejos que só o frio provoca. É simples assim, dá uma vontade de aconchego, de moletom, de cobertor, de sofá com televisão e de refeições com todos sentados em volta da mesa, compartilhando uma mesma comida quentinha. É parecido com a tradicional pizza de domingo, em que é proibido pensar em comer algo diferente.

Na coluna deste mês, sugiro os pratos que me dão vontade de comer nessa época do ano, seja em casa ou no restaurante, já que devagarinho – e desde que tomando cuidado – podemos voltar a comer fora.
Cada um elege seu “restô” preferido para cada prato. Os primeiros sabores que vem à mente são os italianos, como o minestrone, a lasanha, os raviólis e os canelones de molhos fartos. Gosto dos restaurantes Mondo, do Supra di Mauro Maia e do Lellis, onde a perna de cabrito com batatas e brócolis é uma bela opção.

Entre as comidas brasileiras, o frio pede moqueca, feijoada ou estrogonofe. Minha preferência para a feijoada é a versão light do Dinho’s (sem pé, orelha e partes mais gordas), que além de muito saborosa vem bem servida e apresentada no delivery. Também gosto muito da feijoada de frutos do mar (com feijão branco) do Rufino’s, que chega fumegante e cheia de aromas em casa.

 

Moqueca do Balaio - Foto divulgação

Moqueca do Balaio – Foto divulgação

A moqueca tem vários bons endereços, como Tre Bicchieri e Capim Santo, mas a vegana (com caju, banana da terra e palmito), do Balaio, dentro do Instituto Moreira Salles, é incrível e serve três pessoas.
Quando o assunto é estrogonofe sou taxativo. Se for no local, o melhor é no Tatini. Feito no réchaud ao lado da mesa, você escolhe se quer mais ou menos desse ou daquele ingrediente… e ainda serve duas pessoas. Se for para pedir em casa, o estrogonofe certo é o da Camelo, isso mesmo, da pizzaria. Acredite, é muito bem servido.

 

Estrogonofe da pizzaria Camelo - Foto divulgação

Estrogonofe da pizzaria Camelo – Foto divulgação

 

Finalmente, para os loucos por comida japonesa, o inverno pede um belo e farto sukiyaki, daqueles que perfuma todo o ambiente. E, nesse caso, a conta fica bem mais barata do que se todos fossem de sushis e sashimis, como é de costume no resto do ano.

Aproveite o aconchego do frio!