fbpx
logo
logo
Após períodos de quarentena e fechamentos, cena cultural de Paris volta reinventada e melhor do que nunca

Após períodos de quarentena e fechamentos, cena cultural de Paris volta reinventada e melhor do que nunca

Graças à ajuda do governo francês, os restaurantes, os bares e as casas noturnas de Paris puderam fechar as portas durante a pandemia sem ter que pagar nem aluguel e nenhum outro tipo de tributo à prefeitura. Com essa condição garantindo a sobrevivência dos negócios, a maioria dos empresários desses setores de entretenimento da cidade mais visitada do mundo resolveram aproveitar esses meses de fechamento para reformar e reinventar os seus estabelecimentos.

Acabo de voltar da cidade maravilhosa e posso afirmar que está mais linda, mais simpática e mais sedutora do que nunca. Todos estão nas ruas, celebrando mais do que nunca o direito de ser feliz, de comer bem e de se divertir. A prova disso é que alguns dos endereços mais badalados de Paris ficaram ainda mais hype após a reabertura do comércio. Listo aqui cinco restaurantes clássicos que reabriram recentemente, todos com cara e cardápio novos, já aprovados pelo público.

O Monsieur Bleu, aos pés do Palais de Tokyo e de frente para a Torre Eiffel, foi repaginado pelo mais queridinho dos arquitetos do momento, Joseph Dirand, e está simplesmente de tirar o fôlego. O mesmo Joseph Dirand assina as melhorias do Girafe, em plena Cité de l’Architecture. Os peixes e os frutos do mar são ali prestigiados como em nenhum outro lugar.

 

Foto iStockphoto | dennisvdw

 

Ainda sob a mesma assinatura, o Loulou reina ao ar livre no coração do Palais do Louvre. Não é raro ver o público levantar-se no fim da noite e dançar ao lado das mesas. À beira do rio Sena, em pleno bairro Saint Germain, o Lapérouse (quai des Grands Augustins) continua no topo, recebendo celebridades do mundo todo e tendo o aclamado chef Christophe Michalak no comando das panelas.

Também indico o Balagan, que oferece comida israelense e do Oriente Médio, revisitada de maneira tão interessante que pede dias de antecedência para conseguir uma reserva. No térreo do hotel Renaissance/ Place Vendôme, esse restaurante está fascinando todo mundo em Paris.

E, entre as baladas, recomendo fortemente as minhas três casas noturnas favoritas para ajudar a digestão ao sair desses restaurantes, onde é impossível não passar do limite. O velho e bom Chez Castel, em pleno Saint Germain, agora recebe público na faixa dos 30 a 40 anos. E o Raspoutine, clube dos Champs-Élysées, inspirado no homônimo russo, propõe cada vez mais noites regadas a champanhes grands crus.

Finalmente, em plena Avenue Montaigne, às sextas e aos sábados, o Le Club do restaurante Manko – do proprietário peruano Gastón Acurio, com influências cruzadas entre China, Japão, Europa e África – abre as suas portas para experiências exclusivas, apresentando DJs de primeira linha sem divulgação prévia.

Paris continua sendo uma festa permanente na mesa e na noite. Aproveite!

Restaurantes pet friendly têm cardápio exclusivo para os bichinhos

Restaurantes pet friendly têm cardápio exclusivo para os bichinhos

O conceito de Pet Friendly veio para ficar e já mudou o atendimento e até os menus em restaurantes e bares de São Paulo

Tudo indica que a vida voltou ao normal. Ao menos acabaram as restrições de horários em lugares públicos, as pessoas vão perdendo o medo do convívio social e, com isso, bares, restaurantes, aeroportos e hotéis voltaram ao ritmo que conhecemos por normal. Mas alguns hábitos mudaram. Esses 18 meses de fobia do coletivo tornaram as pessoas mais caseiras, e as saídas e a diversão fora de casa foram substituídas pela inclusão de novos membros na família: os pets.

Quem vivia sozinho, foi atrás de companhia. E as famílias com crianças encontraram em gatos e cachorros uma forma de trazer alegria para a casa sem as mudanças e os custos que um filho a mais representa. Basta ver o aumento no número de adoção e as filas de espera nos canis.

A humanização dos nossos amiguinhos é tão real que praticamente todos os restaurantes e bares viraram pet friendly. Mesmo porque foi uma das formas que esses locais encontraram para sobreviver na pandemia. Claro que com restrições – como o tamanho do cachorro – mas agora só falta o pet se sentar com a família, porque cada vez mais se busca oferecer alimentos com sabores de paladar “humano” aos animais de estimação. Tanto é que a marca de alimentos pet Mon Petit Chéri trouxe o MasterChef Érick Jacquin elaborando diversas receitas para permitir uma troca de prazer e de carinho entre os donos e seus pets.

 

Foto Pedro Nadai | O chef Érick Jacquin com a cachorrinha Kiliquinha, que é influenciadora digital

 

Hoje a pergunta não é mais quem aceita os nossos amiguinhos, mas “quem oferece algo especial feito e pensado para eles”. Vários bares e restaurantes em São Paulo já oferecem aos cachorros acompanhados não só tigela de água fresca, mas também um bifinho. E ainda é por conta da casa.

O Ça Va Bistrot, na Bela Vista, o Brado Restaurante, em Pinheiros, o Buoníssimo, também em Pinheiros e que oferece um tapetinho e uma tigelinha com refresco, o Méz, no Itaim, e o Marakuthai, tanto nos Jardins quanto no Itaim, são alguns exemplos. Tem até um lugar mais focado ainda nos mimos aos pets: o Pracinha de seu Justino, na Vila Madalena. Ali o proprietário montou um cardápio especial para cães e gatos. Tem hambúrguer, hot-dog, pipoca de picanha e até cerveja para cães. E tudo feito com os ingredientes próprios para o consumo dos companheiros.

Deu vontade de tomar um sorvete? No Davvero Gelato, no Itaim, tem bebedouros para animais e prendedores de coleiras. Outra premiadíssima sorveteria vai mais longe, a La Botteghe Di Leonardo, na Oscar Freire, criou um menu exclusivo de gelato para cães, e com certificação veterinária.

E, como não poderia faltar, os bares e as cafeterias também estão entrando nessa. O Fortunato Bar, na Vila Mariana, oferece água e brinquedinhos para cachorros para não apressar seus clientes. Assim como um dos cafés mais badalados da cidade, o Santo Grão, nas unidades Oscar Freire e Itaim, que dispõe de varandas com potinhos de água fresca para acomodar os amiguinhos. Quer mais? A Frutaria abre cocos naturais para servir a água direto do fruto para o seu pet.

Se faz tempo que você não sai para comer, não estranhe a presença dos novos integrantes da família brasileira.

Até!

Conheça os poucos, mas imperdíveis restaurantes paulistanos especializados em frutos do mar

Conheça os poucos, mas imperdíveis restaurantes paulistanos especializados em frutos do mar

Restaurantes levam o mar à mesa, com bom atendimento e frutos do mar fresquinhos!

Mesmo São Paulo sendo reconhecida internacionalmente como uma das capitais mundiais da gastronomia, não podemos negar que o paulistano tem larga preferência por churrasco e pela comida italiana. Quando se pensa em peixe e frutos do mar, apesar de termos um litoral fabuloso bem pertinho, a verdade é que pouquíssimos restaurantes se dedicam exclusivamente a esses produtos. 

É claro que essa afirmação não leva em conta os excelentes restaurantes japoneses que fazem da capital paulista uma das cidades mais respeitada nessa categoria. Também não levo em consideração, aqui, os ótimos restaurantes portugueses, porque bacalhau não é exatamente um peixe fresco. 

Com isso sobram pouquíssimas opções de casas que oferecem o leque todo desses produtos maravilhosos vindos do nosso oceano Atlântico. Para mim, são apenas dois: o Rufino’s e o Amadeus. Estou falando de dois restaurantes que utilizam produtos frescos de primeiríssima qualidade e com cozinhas de nível indiscutível. 

O Amadeus é um esmero na execução desde o couvert até os clássicos do mar, especialmente os camarões. Também é conhecido por ter o melhor cuscuz de camarão e a melhor moqueca (e a mais cara) da cidade. A carta de vinhos é ampla, porém salgada. 

 

Peixe ao forno do Rufino's - Foto: Divulgação

Peixe ao forno do Rufino’s – Foto: Divulgação

 

Já o Rufino’s é o que um restaurante de frutos do mar deve ser. Couvert, entradas, peixes e crustáceos ao forno ou grelhados, tudo é “comme il faut”. As ostras vêm do tamanho de preferência e perfeitamente abertas, preservando o sabor do mar. Ali, você pode ir do espaguete ao vôngole até a tamarutaca (tipo de lagosta de duas caldas que vem do litoral de Pernambuco), passando por todas as receitas clássicas de camarão (gigantes) e de lagosta, de apenas grelhada à thermidor. O serviço também é um dos melhores da cidade e basta pedir ao garçom o peixe mais fresco do dia para você optar por um excelente robalo ou uma pescada cambucu.  

Aliás, o Rufino’s é o único restaurante que traz o peixe inteiro na mesa, seja grelhado ou ao forno com legumes. E o cliente ainda escolhe o tamanho do peixe que quer comer. Como a matriz é no Guarujá, eles mesmos são responsáveis pela pesca dos peixes e mariscos. Um verdadeiro luxo! 

E, como o único ingrediente do mar que circula pelos cardápios de vários tipos de restaurantes da cidade como unanimidade é o polvo, seja como entrada ou prato principal, vale conhecer as versões da Adega Santiago, do Tanit, do Fuentes, do El Carbon, do Torero Valese e do Museo Veronica. 

Finalizo com uma sugestão essencial para quem gosta de cozinhar e de escolher o produto que vai preparar, é imperdível o espetáculo da feira de peixes no Ceasa de terça-feira, quinta-feira e sábados, das 1:00 às 6:00 da manhã. Para quem prefere o horário comercial convencional, não poderia deixar de citar a peixaria mais top da cidade, a Ocean Six, em Moema. 

Chef Jun Sakamoto chega ao nordeste com restaurante em João Pessoa

Chef Jun Sakamoto chega ao nordeste com restaurante em João Pessoa

O estrelado chef e sushiman Jun Sakamoto planeja abrir pelo menos dez restaurantes em shoppings de algumas das principais capitais do país nos próximos cinco anos.

O chef Jun Sakamoto, cujo restaurante é de longe o melhor japonês de São Paulo e detentor de uma estrela Michelin, agora divide seu tempo entre a matriz paulistana e um novo empreendimento, que acaba de ser inaugurado em João Pessoa. “Neste primeiro ano, a cada mês estarei dois fins de semana na Paraíba e, nos outros dois fins de semana, em São Paulo. Não vendo comida, meu negócio é vender uma experiência completa”, explica o chef, conhecido por seus sushis preparados com arroz temperado no ponto e peixes frescos meticulosamente cortados.

Instalada no 2º piso do Manaíra Shopping, a “filial” paraibana tem cozinheiros, maitres e garçons recrutados na região e treinados pelo próprio Jun e por algumas feras da afinada brigada de seu restaurante paulistano, onde a cozinha e o salão funcionam como a precisão de um trem-bala nipônico.

 

Unidade do restaurante em João Pessoa - Foto: Divulgação

Unidade do restaurante em João Pessoa – Foto: Divulgação

 

E porque João Pessoa foi a cidade escolhida para abrigar o primeiro endereço de Jun fora de São Paulo? O chef aposta no potencial gastronômico da cidade, que a seu ver está se tornando uma pérola do Nordeste. Além disso, o restaurante terá acesso a excelentes matérias-primas – os atuns da região estão entre os melhores do mundo. E muitos dos peixes consumidos em cidades como Rio, São Paulo e Brasília vem de lá, mas chegam à mesa não tão frescos por causa da viagem que têm de encarar antes de serem transformados em sashimis e sushis.

A unidade paraibana é a primeira de uma série de novas operações que o chef nipo-paulistano pretende abrir nos próximos anos, em São Paulo mesmo e em cidades como Rio de Janeiro, Recife, Goiânia e Curitiba. A formatação das unidades desse negócio concebido especialmente para shopping centers começou em 2014, com a inauguração do Junji, no Shopping Iguatemi SP. Depois foi aprimorada com a abertura do J1, em 2019, no Shopping Villa-Lobos. “Esses restaurantes, assim como o de João Pessoa, são versões mais descontraídas da nossa matriz em São Paulo, mas com o mesmo cuidado na escolha dos ingredientes e preparo das receitas. Para os próximos cinco anos, nosso plano de expansão prevê a abertura de pelo menos uma nova unidade a cada semestre”, resume Jun, que passou os últimos anos estudando as tendências do varejo.

Pelo planejamento inicial, vários restaurantes com as marcas Junji e J1 já deveriam estar em funcionamento pelo país neste momento, mas o chef e empreendedor foi surpreendido pela pandemia e pelo forte impacto que ela causou no setor de gastronomia.

A rede de restaurantes de shoppings é seu projeto para o curto prazo. Para o longo prazo, ele tem como meta transformar seu antigo sonho em realidade: reduzir sua participação nesses negócios aqui no Brasil e se mandar para Nova York, onde abrirá um micro-restaurante com um pequeno balcão para poucos e exclusivos clientes. “É assim que eu quero encerrar a minha carreira: servindo sequências de sushis para oito comensais no almoço e mais oito no jantar. Só isso”, finaliza o minimalista Sakamoto.

 

Jun Sakamoto - Foto: Divulgação

Jun Sakamoto – Foto: Divulgação

 

Vila Galé: Acomodação com charme e história

Vila Galé: Acomodação com charme e história

Unidade carioca da rede portuguesa de hotelaria Vila Galé inaugura ala com 53 apartamentos que valorizam a arquitetura original do prédio erguido no século XIX.

O hotel Vila Galé Rio de Janeiro acaba de abrir para seus hóspedes os 53 apartamentos da Ala Collection, localizada no antigo palacete do século XIX, tombados pelo Patrimônio Histórico e Cultural. “As acomodações dessa ala seguem o estilo de nossas unidades Collection em Lisboa, Braga e nas regiões do Douro e do Alentejo. São hotéis diferenciados pela preservação da história e da arquitetura de seus edifícios”, explica João Matos, gerente-geral do Vila Galé Rio de Janeiro. Os clientes que optam pela reserva na Ala Collection têm check-in prioritário e, em seus apartamentos, encontrarão confortáveis roupões, chinelos e máquina de café espresso. O luxo e a decoração proporcionam uma viagem no tempo em uma atmosfera requintada e culturalmente rica do século XIX. Os quartos e suítes dessa ala têm de 13 m2 e 77 m2.

O hotel oferece ainda a seus hóspedes acesso à piscina, ao Spa Satsanga, ao bem-equipado Fitness Center e aos restaurantes Versátil (de cozinha brasileira e internacional), Massa Fina (especializado culinária italiana) e ao bar decorado com peças vintage e dedicado ao poeta Vinícius de Moraes.

 

Foto - Divulgação

Foto- Divulgação