Festival Doce Maravilha leva música brasileira da melhor qualidade ao Jockey Club Brasileiro em maio

Festival Doce Maravilha leva música brasileira da melhor qualidade ao Jockey Club Brasileiro em maio

Festival Doce Maravilha tem artistas celebrando marcos importantes de suas carreiras ou se apresentando em parcerias incomuns e surpreendentes

A 2ª edição do festival Doce Maravilha leva música brasileira da melhor qualidade ao Jockey Club Brasileiro nos dias 25 e 26 de maio. São mais de 40 artistas se apresentando nos dois palcos. A curadoria do evento é assinada pelo produtor musical e compositor Nelson Motta, e a expectativa é receber até 20 mil pessoas por dia. No sábado, dia 25, as principais atrações são Jorge Ben Jor, Negra Li, Ana Carolina, Djonga & Xamã, Criolo, Mano Brown & Rael, Luedji Luna, Larissa Luz & Xênia França, Letrux, É o Tchan e Jorge Aragão com BK. No domingo, dia 26, é a vez de Maria Bethânia com Xande de Pilares, Capital Inicial com Zélia Duncan e Kiko Zambianchi, Os Paralamas do Sucesso comemorando os 40 anos do lançamento de “O Passo do Lui” (seu primeiro LP), Nação Zumbi & Lia de Itamaracá, Falamansa com Lucy Alves, Ana Frango Elétrico e um coletivo de funkeiros encabeçado por Buchecha, Deize Tigrona e Gabriel do Borel.

 

Os Paralamas do Sucesso – foto divulgação

 

Jockey Club Brasileiro
Praça Santos Dumont, 31, Gávea.
Ingressos a partir de R$ 190.

Ventos de maio: novidades reverenciam os grandes nomes da música brasileira, como Luiz Melodia

Ventos de maio: novidades reverenciam os grandes nomes da música brasileira, como Luiz Melodia

De Torquato Neto, passando por Luiz Melodia e Alice Ruiz, até o belo timbre de Mãeana, novidades reverenciam os grandes nomes da música brasileira

Começo falando do nosso poeta inspirador. Saiu pelo Círculo de Poemas – clube de assinaturas da editora Fósforo – uma edição da poesia inicial de Torquato Neto. “Canetadas”, como dizia Luiz Melodia (foto), que nasceram antes dos clássicos feitos para a canção brasileira como “Mamãe Coragem” (gravada por Gal Costa e Nara Leão). É um livro interessante para conhecer mais a fundo esse grande autor da canção manifesto “Geléia Geral”, com Gilberto Gil.

Dessa mesma coleção temos o maravilhoso “Cancioneiro Geral” (1962-2023), reunindo pela primeira vez em livro a obra do baiano José Carlos Capinan, também autor de letras absurdamente belas como “Movimento dos Barcos”, com Jards Macalé. Gosto muito desse tema que foi lindamente chamado por Alice Ruiz, poeta parceira de Arnaldo Antunes e Itamar Assumpção, de “poesia pra tocar no rádio”. São de Alice as letras de “Socorro” (gravada por Arnaldo e por Cássia Eller) e “Vou Tirar Você do Dicionário” (gravada por Zélia Duncan).

 

foto divulgação

 

Mas, como estamos “torquatando”, pulo para outro assunto. Acabamos de lançar o documentário “Luiz Melodia – No Coração do Brasil”, dirigido por Alessandra Dorgan. Sou a diretora musical do filme e a entrevista que Melodia me deu para o “Vozes do Brasil vol.1” foi o pontapé dessa história. A produção é toda contada por ele mesmo, com sua voz e com imagens de arquivo inacreditáveis, incluindo um super 8 caseiro feito na Bahia, logo depois do sucesso de “Juventude Transviada”.

O lançamento foi no festival “É Tudo Verdade”, em abril, e já é um sucesso. Tem Gal Costa, Wally Salomão, Renato Piau, Macalé, Itamar, Sergio Sampaio, Banda Black Rio e tem ainda Jane Rei, musa de sua vida toda. Um orgulho ter feito esse registro, contar essa história de uma das vozes mais bonitas desse país.

Outra notícia quente, abalando corações, é o encontro de Caetano Veloso e Maria Bethânia para uma série de shows como nunca se viu antes. Estádios!! Filas imensas para a compra de ingressos para o que parece ser o show da década. Dois artistas que são parte do melhor que se faz na música brasileira. Inspirados pelo rádio, por Orlando Silva, por João Gilberto, pelo samba do recôncavo e ainda referências para cantores e compositores de muitas gerações. Sorte a sua se garantiu o seu lugar!

E, por fim, uma notícia que não é tão nova assim, mas que merece a sua escuta: Mãeana cantando JG (João Gilberto e João Gomes). Já ouviu? Uma delícia de repertório com essa voz divina de Ana Claudia Lomelino, um dos timbres atuais mais lindos. Talvez não toque na rádio que você está acostumado a escutar, mas nas plataformas tem! Como dizem, procure saber!

Aproveite para ouvir Capinan, Torquato, Luiz Melodia, Jards Macalé… Até a nossa próxima viagem!

Madonna, a rainha do pop, encerra sua ‘Celebration Tour’ nas areias de Copacabana, no Rio

Madonna, a rainha do pop, encerra sua ‘Celebration Tour’ nas areias de Copacabana, no Rio

Show de Madonna deve reunir mais de 1 milhão de pessoas na praia de Copacabana, em uma megafesta recheada de hits dançantes, efeitos visuais impactantes e muita emoção

Dia 4 de maio Madonna chacoalha as areias de Copacabana com o show de encerramento de sua épica e aguardada “Celebration Tour”. O evento foi dimensionado para reunir mais de 1 milhão de pessoas neste que é um dos cenários mais bonitos e icônicos do mundo. A apresentação é um agradecimento aos fãs pelo amor e carinho que ela recebeu ao longo de suas quatro décadas de música. A praia vai ser transformada na maior pista de dança do mundo!

O show traz 16 telões e oito duplas de torres de retorno de som, com imagens espalhadas na areia até a Avenida Princesa Isabel. A turnê, que começou em outubro de 2023, já passou por 14 países e é mais uma prova da inovação e do impacto que a Rainha do Pop causa na cultura e no comportamento de várias gerações, no mundo todo. A festa terá como convidado Bob the Drag Queen, também conhecido como Caldwell Tidicue, como vem acontecendo desde o início da turnê.

 

foto divulgação

 

A festa “The Celebration Tour in Rio” é uma produção da Bonus Track (que tem como sócios Luiz Oscar e Luiz Guilherme Niemeyer) em parceria com a Live Nation. O concerto é apresentado pelo banco Itaú, com patrocínio da Prefeitura do Rio de Janeiro, do Governo do Estado do Rio de Janeiro e das cervejas Heineken. Conforme publicado no Diário Oficial do Município, a Prefeitura investiu R$ 10 milhões na realização desse megaevento.

Será o maior show da carreira da Madonna, que vai embolsar um cachê estimado em US$ 3 milhões. A apresentação terá início às 21h45, com transmissão ao vivo na TV Globo, no canal Multishow e na plataforma de streaming Globoplay.

Paulo Miklos lança novo álbum solo e encarna Adoniran Barbosa no filme “Saudosa Maloca”

Paulo Miklos lança novo álbum solo e encarna Adoniran Barbosa no filme “Saudosa Maloca”

Após o sucesso da turnê “Titãs – Encontro”, músico e ator Paulo Miklos acaba de lançar “Paulo Miklos ao Vivo” e está em cartaz nos cinemas como o protagonista do filme “Saudosa Maloca”

Após rodar o mundo com a turnêTitãs – Encontro”, Paulo Miklos não quer saber de descanso e, pelo contrário, pisa no acelerador! Ele acaba de lançar “Paulo Miklos ao Vivo”, registro unicamente em formato digital de uma apresentação no Blue Note São Paulo em março de 2023, na qual interpretou faixas de seus dois álbuns mais recentes de estúdio, “A Gente Mora no Agora” e “Do Amor Não Vai Sobrar Ninguém”, além de arranjos especiais para hits dos Titãs, como “Flores”, “Comida” e “Sonífera Ilha”. “Fiz também uma homenagem ao rapper Sabotage, morto há 20 anos”, completa o músico.

O primeiro single, “Todo Esse Querer”, já disponível nas plataformas de streaming de música, celebra o amor a partir do estado alterado dos sentidos que vivenciamos quando estamos apaixonados. “As cores se mostram vibrantes, os sabores acentuados, a poesia invade nossas vidas, para sempre ou só por uma noite”, elucubra.

 

Paulo Miklos como Adoniran Barbosa – foto João Oliveira

 

Mas o talento do inquieto artista não se limita à música. Desde o final de março, ele está em cartaz nos cinemas como o protagonista do filme “Saudosa Maloca”, no papel de Adoniran Barbosa. Dirigido por Pedro Serrano, o longa é inspirado em um dos maiores sucessos do sambista autor de “Trem das Onze” – aquela música sobre o filho único que mora láááá no Jaçanã.

Na trama, Adoniran narra ao jovem garçom de um bar as histórias de uma São Paulo de outrora, lembrando dos amigos Matogrosso (Gero Camilo) e Joca (Gustavo Machado), vivendo em uma maloca, ambos apaixonados por Iracema (Leilah Moreno). Enquanto ela dá duro como balconista, os dois fazem de tudo para fugir do batente e “viver forgadamente”. Às custas do samba, Adoniran, Joca e Matogrosso sobrevivem à pobreza e à fome, mas têm seu modo de vida ameaçado quando o “pogréssio” começa a transformar o bairro do Bixiga, engolindo nossos simpáticos malandros.

O filme embute uma crítica à especulação imobiliária que cria uma paisagem cada vez mais desigual na metrópole. Combinando drama e fantasia, o longa resgata a São Paulo lírica do passado que ficou imortalizada nas composições de Adoniran Barbosa. “Foi um grande desafio, porque o Adoniran é um personagem com voz e dialeto bem característicos”, conta Miklos, que já teve atuações elogiadas e premiadas em filmes como “O Invasor”, “Estômago” e “É Proibido Fumar”.

Marina Lima faz show no Noites Cariocas e se prepara para iniciar as celebrações dos seus 70 anos de vida

Marina Lima faz show no Noites Cariocas e se prepara para iniciar as celebrações dos seus 70 anos de vida

Uma das principais arquitetas do pop nacional, Marina Lima completa também 45 anos de uma carreira cheia de hits e sobe ao palco do Noites Cariocas agora em abril 

Sobrevivente de anos tenebrosos de pandemia e obscurantismo em que pátrias e famílias se partiram, Marina Lima segue colando os caquinhos, compondo, cantando, tocando e espalhando seu charme pelo mundo. A vida arranha, mas, mesmo assim, no dia 13 de abril essa eterna gata sobe ao Morro da Urca para apresentar no Tim Music Noites Cariocas seus hits atemporais. 

Autora de clássicos dos anos 1980 e 1990 que até hoje soam modernos, Marina completa 70 anos no ano que vem, mas já no segundo semestre deste ano dá início à turnê de um novo show que vai celebrar esse marco “biológico” e os seus 45 anos de trajetória na música. A idade parece não ser um obstáculo capaz de conter seu ritmo fullgás nível hard.

 

A cantora Marina Lima – foto Candé Salles

 

E, se tudo correr conforme o planejado, em 2025 poderemos ver também uma série sobre sua vida e sua obra, um projeto coordenado por seu amigo Candé Salles, idealizado pela atriz Luiza Mariani e dirigido pela prima dela, Joana Mariani. Trata-se de uma vida que não cabe apenas em um filme, precisa de uma série com vários episódios: eclética, ela já gravou com Caetano Veloso, com Martinho da Vila e com Mano Brown, já posou nua para a “Playboy”, sua primeira transa foi com ninguém menos que Gal Costa, teve um clipe seu inaugurando as transmissões da MTV Brasil, foi apresentadora do “Saia Justa” (do canal GNT), teve um show com cenografia assinada pelo premiado arquiteto Isay Weinfeld e escreveu um livro de memórias.

Na entrevista que ela concedeu à 29HORAS, a carioquíssima Marina revela a alegria de voltar a se apresentar no Rio, confessa que ainda se sente uma “estrangeira” morando em São Paulo mesmo tendo se mudado para lá em 2010, diz que, apesar de ser gata todo dia, vive um momento em que se sente um cachorrão solto e também fala da sua voz, de envelhecimento e etarismo, de seus anseios por um mundo mais igualitário e de seu inabalável apetite pelo novo. Confira nas páginas a seguir tudo o que essa inquieta artista contou para a gente.

Em 2025, você completa 70 anos de vida, mas as celebrações começam agora em 2024, com o projeto “Rota 69”. O que é esse projeto?
Esse será o meu próximo show, cuja turnê começa em agosto, no Rio, e depois vai rodar o Brasil. Pretendo mostrar uma espécie de esqueleto da minha carreira. Dar um panorama rico e completo. Já fiz milhares de apresentações ao vivo, mas eu acho que a base do meu trabalho todo está nos 21 discos que lancei, nas canções que compus e que gravei de outros compositores. Vou tentar mostrar esse perfil, o melhor que puder. Teremos ainda vídeos e imagens antigas nos cenários, lembranças e posturas que são para sempre.

E o seu show no Noites Cariocas, agora em abril no Morro da Urca? Como será essa apresentação?
Até maio farei shows da turnê “Nas Ondas da Marina”. Esse do Tim Music no Noites Cariocas é um dos últimos que apresento nesse formato, apesar de ainda estar adorando fazer esse show. Modéstia à parte, eu gosto muito do meu repertório e, desde que comecei, sempre tive como meta fazer canções que resistissem ao tempo. E me orgulho de ver que tenho conseguido. 

 

foto Guilherme Leite

 

Manter-se na ativa depois dos 50 – ou mesmo depois dos 40, em alguns casos – parece que incomoda muita gente… Outro dia ouvi você dizer que não quer ter outras idades, pois já viveu todas elas. O etarismo é uma questão que te incomoda ou é algo que nem merece a sua atenção?
Merece a minha atenção porque a maioria das pessoas convencionais estão “presas” a esse problema. A questão que realmente me preocupa no envelhecimento é tentar manter a minha vida o mais saudável possível, para poder desfrutar dessa experiência que é amadurecer e envelhecer. David Bowie tem uma frase linda a respeito: “Envelhecer é um processo extraordinário em que você se torna a pessoa que você sempre deveria ter sido”. Vou te revelar uma coisa: só me senti inteiramente livre para tomar as decisões mais difíceis, com autonomia, depois dos 60. Tenho a sensação de que estava me preparando para isso. 

A 29HORAS é a revista da Ponte-Aérea, e você é uma pessoa que leva a sua vida nesse vai-e-vem entre as duas cidades. O que te levou a “migrar” de uma cidade para a outra em 2010? E o que São Paulo tem de melhor e o que o Rio tem que nenhuma outra cidade jamais vai ter igual?
Em 2010, eu me sentia sufocada no Rio… parecia que não havia mais lugar para mim no cenário musical. Haveria, se ficasse fazendo mais do mesmo, como uma artista cristalizada que já tinha dado tudo que tinha para dar. E o meu caso era o oposto disso. Estava inquieta, cheia de ideias novas, querendo misturar o meu trabalho com outras sonoridades brasileiras e estrangeiras que estavam me interessando. Ao invés de ficar estagnada e chateada, resolvi me mexer. Me mudei para São Paulo, que é a maior cidade da América Latina. São Paulo é hospitaleira, acolhe um fluxo enorme de pessoas do Brasil e do mundo todo. O fato de eu mudar e encarar a vida lá me fez ser muito bem recebida, mas não é fácil você deixar uma cidade como o Rio de Janeiro. O Rio, além de lindo e de ter o mar, tem um jeito carioca que adoro com o qual me identifico. Eu me sinto uma estrangeira em São Paulo, mas descobri que isso me fez crescer muito.

Recentemente, vi imagens de um show que você apresentou em 2022 no Circo Voador e deu para perceber a euforia do público carioca por tê-la “de volta”. Você sente algo diferente quando se apresenta no Rio?
É claro! Porque me vejo ali, na alma do povo carioca. Devo confessar que tenho uma relação de amor e raiva com o Rio (risos). Amo a minha cidade e, se pudesse ter escolhido, provavelmente jamais teria me mudado. Mas a vida nem sempre é como a gente quer. E eu aprendi a adorar morar em São Paulo. Com a sua grandeza, sua diversidade e os amigos queridos que também me aquecem. Desigualdade e violência existem nas duas cidades, sendo que São Paulo ainda tem um agravante: a poluição. Esse show no Noites Cariocas será outro reencontro meu com o público carioca. E vai ser em um lugar muito especial, onde você canta com a cidade toda aos seus pés, aquela vista que só o Rio de Janeiro tem…

 

foto Candé Salles

 

Logo após a pandemia, você desmanchou o seu casamento de dez anos com a advogada Lídice Xavier. Os períodos de confinamento e isolamento foram duros para você? Foi uma fase produtiva ou de bloqueio criativo?
O período da pandemia foi uma fase rica para mim, de muita produção. Pela impossibilidade de sair, ver gente e trabalhar, direcionei a minha atenção para estudar, ler e compor. Foi nesse período que finalmente lancei o meu songbook contendo toda minha obra, que é bem grande… também lancei um EP digital com quatro inéditas. Às vezes esses sustos que passamos pela vida, como uma pandemia, genocidas, as mortes todas, nos fazem encarar o mundo de uma forma mais crua e real. Isso vale para casamentos, famílias, amizades. Tudo é revisto, né?

No final dos anos 1990, você teve sérios problemas com as suas cordas vocais. Clinicamente, qual é o estado da sua voz atualmente?
Foi tudo superado. Era um problema emocional que afetou as minhas cordas vocais. Uma misto de depressão com crise existencial que durou alguns anos. Mas eu, como boa virginiana que sou, cavei, cavei e cavei até encontrar e trazer o meu ouro de volta. A fonoaudiologia foi também muito importante nesse processo. Parece brincadeira, mas a sensação que tenho é a de que, pelo fato de ter ficado alguns anos quase sem cantar e sem “brincar” com a minha voz, uma aura dela foi preservada. Tenho cantado com alegria, vigor e técnica novamente. Sinto que cada dia ela está melhor. 

Em 1990, a MTV Brasil entrou no ar com um clipe seu – uma versão pop de “Garota de Ipanema”. A propósito, ao longo da sua carreira você já passeou pelos mais variados gêneros musicais e ritmos, como o rock, o soul, a bossa nova e a música eletrônica. Para onde caminha a sua música? Para qual direção a sua bússola tem apontado?
Cara… Eu tô só esperando a hora de fazer uma nova imersão nos estudos de violão, no domínio da linguagem midi (para gravação) e na alimentação vegana. Estou em um momento de buscar sentidos para as coisas novamente, é uma coisa mais do que apenas musical. Sabe aquela imagem de quando se solta um cachorro em um campo verde, bem grande? Eu tô me sentindo como aquele cachorro.

 

foto Candé Salles

 

Para 2025, o seu amigo Candé Salles e a diretora Joana Mariani estão tocando o projeto de uma cinebiografia da sua trajetória. O que você pode adiantar para a gente sobre esse projeto?
Essa é uma ideia que veio da Luiza Mariani, que é a atriz que vai me representar na tela. Nós já tivemos alguns encontros, nos quais eu contei um pouco da minha história. A Luiza é prima da Joana, e as duas já trabalharam juntas no filme “Todas as Canções de Amor”, uma como atriz, a outra como diretora. Vamos rodar uma série sobre minha vida e obra. Agora o projeto está em fase de roteiro, e as minhas expectativas são as melhores possíveis!

Neste momento, uma versão de “Eu Não Sei Dançar”, na voz de Maria Maud, está sendo destaque da trilha sonora da novela “Renascer”. Sei que você já teve várias canções em produções televisivas – até mesmo em aberturas de novela –, mas como é ver uma canção sua fazer sucesso na voz de outra cantora e ainda mais 33 anos após o seu lançamento?
Me emociona. Ainda mais quando eu gosto, como é o caso da Maria. É aquilo que já te falei anteriormente, que sempre tive a meta de compor, gravar canções, criar arranjos, que resistissem ao tempo. É o caso com “Eu Não Sei Dançar”, uma canção do Alvin L que a Maria Maud regravou lindamente.

Você reclama que, no começo da sua carreira, todos questionavam a legitimidade de mulheres que eram cantoras e instrumentistas, compositoras e formadoras de opinião. Como se as mulheres não tivessem a capacidade de brilhar em tantas áreas. O que mudou no mundo da música nas últimas décadas e o que ainda tem de mudar para termos um ambiente mais igualitário e menos preconceituoso?
Vamos ser justos, o que mudou foi o mundo inteiro, não só o nicho da música. Acho que nós, “minorias”, estamos caminhando bem. As mulheres, a população LGBTQIA+ e os pretos estão tendo mais reconhecimento e ocupando mais espaços. E, na boa, acho que só assim é que todos podemos ter uma visão do mundo real com todas as suas belezas, suas diferenças e até suas crueldades também.

Você é conhecida há décadas por ser uma mulher estilosa. Afinal, qual é o charme do mundo?
Para mim, o charme do mundo reside na maneira que lidamos com as dificuldades, as durezas e as aberrações da vida. Quem consegue equilibrar tudo isso com bem-aventurança, leveza e uma certa alegria tem todo o charme do mundo.   

 

Marina em seu apartamento no bairro paulistano de Higienópolis – foto Candé Salles