fbpx
logo
logo

Queijos artesanais incríveis na Serra do Japi

por | maio 18, 2021 | Comida & Bebida, Comidas, Passeios, Turismo | 0 Comentários

Estabelecida desde 2016 em um sítio a 1.000 metros de altitude, em Cabreúva, a Pé do Morro produz seis variedades de queijos e mantém um espaço onde os visitantes podem armar agradáveis piqueniques.

Quando o descendente de húngaros, Érico Kolya criou a Pé do Morro, em um sítio de 15 hectares em Cabreúva, a ideia era apenas produzir aqui no Brasil os queijos que ele aprendeu a fazer no período em que esteve trabalhando em pequenos laticínios do interior da Suíça e da Alemanha. Mas com o tempo o projeto foi crescendo e, agora, além da queijaria, a pequena propriedade tem também oliveiras e videiras com uvas syrah que, nos próximos anos, serão a matéria-prima para os azeites e vinhos da marca.

Além disso, o sítio virou um hub de produtos da região. No empório que se abre para visitantes nas tardes de sábados, domingos e feriados – apenas quando as restrições impostas pela pandemia permitem, é lógico – é possível encontrar também cervejas elaboradas com lúpulo de Jarinu da Fermentaria Local, vinhos tintos da Di Pizzo (de Louveira), embutidos da Charcutaria Jundiaí e pães e geleias artesanais preparados ali mesmo, no sítio Pé do Morro.

 

Foto - Divulgação
  • Save

Foto – Divulgação

 

“A região aqui é cheia de pequenos produtores, elaborando alimentos especiais e de alta qualidade. Eu sou apenas mais um nesse grupo. Ninguém quer ser grande, fazer produtos para consumo em massa. Nosso maior interesse é preservar esse tesouro que é a Serra do Japi, com suas nascentes de água, a diversidade de sua fauna, sua capacidade de nos abastecer de ar puro e de chuva”, sintetiza Érico.

Ao chegar no sítio Pé do Morro, o cliente escolhe o que vai beber e comer no pequeno empório e depois pode se acomodar em uma das mesas montadas ao ar livre ou espichar-se no gramado da propriedade, com uma linda vista para as montanhas cobertas de mata nativa da Serra do Japi.

Mas as estrelas do passeio são mesmo os seis tipos de queijos que Érico produz a partir de suas sete vaquinhas das raças Jersey e Holandês, alimentadas a pasto, com capins especiais e ultraproteicos. O Lua se assemelha a um camembert, com aquela característica pele de fungo branco e uma massa mole e de sabor suave no “recheio”. O Sol é uma versão daqueles queijos alpinos de massa firme, maturado por 3 a 9 meses, com sabor levemente adocicado e algumas olhaduras.

 

Foto - Divulgação
  • Save

Foto – Divulgação

 

Tem ainda o Piá e o Granito, que nascem do mesmo processo, mas são maturados de maneira distintas: no final ambos ficam com sabor bem intenso, mas um tem a casca escovada e o outro ganha uma camada de mofo comestível em seu exterior. Já o Quina lembra um queijo da canastra, com massa macia, sabor suave e uma excelente opção para quem curte um bom queijo derretido no seu misto quente ou num hambúrguer, e o Quark é uma espécie de cream cheese, bem fresco e perfeito para ser espalhado numa fatia de pão tostado.

Para quem não quiser ir até o sítio, que fica a 85 km de São Paulo e a 55 km do aeroporto de Viracopos, a alternativa é comprar e degustar essas delícias n’A Queijaria (no bairro paulistano da Vila Madalena) ou no empório Sonhos de Queijo, no bairro de Barão Geraldo, em Campinas.

 

Foto - Divulgação
  • Save

Foto – Divulgação

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share via
Copy link
Powered by Social Snap