fbpx
logo
logo
Papai Noel virtual chega aos shoppings para o Natal pandêmico

Papai Noel virtual chega aos shoppings para o Natal pandêmico

Durante os meses de dezembro, desde 1995, Antônio das Neves, paulistano da Mooca, vendedor de baterias automotivas, acordava às 6 da manhã para enfrentar o trânsito e chegar no horário ao Shopping Morumbi, para o trabalho que lhe dá mais prazer: ser Papai Noel.

Há 25 anos, por sugestão do filho – que comprou uma fantasia na tradicional rua 25 de Março – ele começou a incorporar o personagem. No início, com barba e cabelos postiços. Nos últimos anos, se tornou Papai Noel 365 dias por ano, pelo menos na aparência, e assim passou a ser conhecido por amigos do bairro e do comércio. Mas neste ano, aos 80 de idade, vai passar o período de Natal em casa, longe do seu trono e das crianças, muitas delas hoje já adultas.

Seu Antônio, como todos aqueles que se transformam no bom velhinho nesta época, só poderão ter encontros virtuais com os pequenos. O Shopping Metrô Santa Cruz criou o projeto “Meu Sonho de Natal”, que vai oferecer papeis em formado de estrelas para crianças escreverem seus desejos, e serão lançadas ao céu pelas mãos de Papai Noel. Tudo acontecer por meio de um telão com a presença virtual do personagem. Um ator nos bastidores comanda o diálogo, e o registro do momento é feito em local específico onde as famílias podem tirar fotos com o Noel digital.

O Shopping Villa Lobos também aderiu ao modelo, e ainda incrementou o encontro com um Papai Noel em realidade aumentada, que permite aos visitantes ficarem lado a lado com o personagem e receberem a foto instantaneamente via QR Code. A Villa Noel do centro de compras funciona junto ao Jardim Encantado – uma série de atrações e brincadeiras, como carrossel, bicicletas e moinho de vento em diferentes espaços “instagramáveis”, com objetivo de suprir o contato direto com a figura mais importante do Natal.

 

O bom velhinho em realidade aumentada no Shopping Villa-Lobos, em São Paulo

 

 

A Movida disponibiliza carro elétrico da Nissan para aluguel e reforça pilar sustentável

A Movida disponibiliza carro elétrico da Nissan para aluguel e reforça pilar sustentável

Entre diversas ações em prol da sustentabilidade no país, como a reconstrução do Corredor do Rio Araguaia, no centro-oeste, em parceria com a Black Jaguar Foundation, a Movida agora anuncia a aquisição exclusiva do Nissan LEAF, carro 100% elétrico. Com esse acordo, a companhia, pioneira em mobilidade elétrica no setor de locação, passa a contar com carros elétricos em sua frota e reforça o seu compromisso de combate às mudanças climáticas.

O novo modelo adquirido pela Movida, o Nissan LEAF, acumula reconhecimentos da imprensa especializada, como o “Carro Verde”, prêmio concedido pela Federação Interamericana de Jornalistas Automotivos (FIPA) e é o primeiro veículo zero emissão de carbono e 100% elétrico a ser comercializado em massa no mundo.

 

Nissan Leaf, carro elétrico disponível para locação na Movida

 

O carro ainda conta com o Nissan Intelligent Safety Shield, um conjunto de tecnologias que ajudam o motorista a monitorar o movimento em torno do veículo, responder a ações inesperadas e a se proteger. “Fomos pioneiros do setor ao criar a categoria de carros premium para a locação em 2017, uma demanda que hoje cresce em todo o mercado. Agora, inovamos mais uma vez, com a oferta de veículos elétricos, que já estão disponíveis em nossas lojas, tanto para o cliente pessoa física quanto jurídica, desde o aluguel eventual até o de longo prazo”, comenta Renato Franklin, CEO da Movida.

Desde 2006, a Movida trabalha e cresce focada na construção de uma sociedade melhor, com iniciativas sustentáveis, procurando contribuir com o meio ambiente. “Esse novo passo faz parte de toda uma estratégia já traçada e que está no DNA da empresa. Ficamos extremamente satisfeitos e ainda mais motivados ao promover soluções que ajudam na evolução da mobilidade urbana sustentável”, enfatiza Franklin.

O carro está disponível para locação nas lojas da Movida na Grande São Paulo e na cidade do Rio de Janeiro.

Para mais informações, acesse: www.movida.com.br

Branded Content By 29H + Movida

O transporte do futuro será cada vez mais elétrico, autônomo, conectado e compartilhado

O transporte do futuro será cada vez mais elétrico, autônomo, conectado e compartilhado

2021 desponta com tendências sustentáveis de mobilidade urbana, um tema que vem sendo repensado e reinventado. O uso da bicicleta cresce cada vez mais; a micromobilidade elétrica inova, com diferentes modais; e o transporte coletivo se renova, com interfaces digitais, como a bilhetagem eletrônica e ônibus elétricos. Além disso, os veículos autônomos, que pareciam distantes, já são uma realidade em vários países.

A Eletricz, distribuidora com sede em São Paulo, que é representante da marca KingSong, um dos maiores fabricantes de monociclos elétricos do planeta, acaba de lançar o KS-S18, equipado com um inédito projeto de suspensão ajustável a ar de acordo com o peso do condutor. Segundo Márcio Canzian, CEO da Eletricz, trata-se de uma grande revolução para o crescente mercado mundial de monociclos elétricos. “O monociclo traz mais segurança ao condutor, ao mesmo tempo em que proporciona alto desempenho. O motor permite atingir até 50 km/h de velocidade máxima e superar subidas com ângulo de até 40 graus, percorrendo tranquilamente qualquer ladeira de uma metrópole como São Paulo”, diz.

Um modal novo e inédito, criado na Nova Zelândia, é a bicicleta elétrica aquática Manta5 Hydrofoil Bike, que une tecnologia e sustentabilidade. Com um minúsculo motor elétrico de 400W movido a bateria de lítio, ela usa hidrofólios (estrutura que se sustenta no líquido devido à curvatura) e uma pequena hélice propulsora para se movimentar acima da linha d’água. Quando o ciclista pedala e impulsiona o veículo para a frente, a água passa pelos hidrofólios e gera sustentação da mesma forma que as asas do avião.

 

Foto divulgação

 

Já o carro voador, que parecia uma realidade para lá de futurista, aparece em projetos de diversas empresas, como a Embraer X, que apresentou em junho de 2019 seu protótipo em parceria com a Uber Elevate, além de marcas como a Hyundai, a Toyota e a americana Terrafugia.

Em geral com sistema de condução autônoma, motor elétrico e silencioso, o eVTOL (em livre tradução, veículo elétrico de decolagem e pouso vertical) também pode apresentar módulo terrestre para andar no chão. De acordo com pesquisa da Universidade de Michigan, as emissões desse modal são 52% mais baixas do que os veículos a gasolina. A autonomia costuma ser reduzida, indicada para rodar na cidade, em distâncias curtas.

Se trata de um projeto ainda embrionário, pois será necessário construir rotas de voo e uma infraestrutura completa nas cidades para acolher esses veículos que parecem saídos da ficção. Afinal, onde guardá-los? Nas varandas dos apartamentos, em garagens suspensas? Mesmo com todas as incertezas, a empresa de consultoria Porsche prevê que, em 2035, 23 mil eVTOLs estarão voando sobre as nossas cabeças, no mundo. Até lá, que a gente consiga, no Brasil, compartilhar com segurança, respeito e gentileza as ruas das nossas cidades. Caso contrário, não adiantará nada chegar aos céus.

Marcas de luxo se reinventam na pós-pandemia

Marcas de luxo se reinventam na pós-pandemia

Consumo na pós-pandemia: novo luxo destaca preocupação social, protocolos de higiene, inovações e preferência por lojas de rua

UMA PESQUISA realizada pelo Hibou Monitoramento de Mercado e Consumo com clientes de alto padrão e apresentada em parceria com a agência de Relações Públicas Suporte Comunicação revelou mudanças no comportamento de compras deste público na pós-pandemia. O levantamento mostra que 61% dos entrevistados pensa em reduzir as aquisições de roupas e acessórios e 49% aprendeu que precisa ponderar sobre a necessidade do bem a ser adquirido. Com isso, 34% dos consumidores de luxo já têm comprado menos por impulso e, desse montante, mais de 80% pretende manter esse comportamento.

No entanto, as grifes podem driblar certas resistências com iniciativas simples. Antes do período de isolamento, apenas 4% dos entrevistados tinha o hábito de levar a loja para dentro de casa, com pequenos encontros – e é uma tendência que deve ser explorada no futuro. Pouco mais de 50% dos entrevistados gostaria de realizar um encontro entre amigos para fazer compras com suas marcas favoritas. Mas é importante também deixar claro todos os protocolos de higiene dos espaços e produtos, já que isso se mostrou relevante para 91% dos entrevistados. Já as iniciativas de responsabilidade social durante e após a pandemia são relevantes para a escolha de que marca consumir para 74%.

Para os próximos meses, lojas de rua devem ganhar maior relevância, pois fornecem uma menor circulação de pessoas e podem oferecer espaços privativos para pequenas ativações.

Driblando os danos do álcool em gel

A marca francesa La Roche-Posay acaba de lançar o hidratante intensivo LipikarBaume AP+M. O produto promete auxiliar na preservação de uma microbiota saudável da pele por meio dos agentes AquaPosa e Filiformise Microresyl. O uso do álcool em gel danifica a pele, já que o produto elimina micro-organismos patógenos e também os fungos e bactérias responsáveis pela proteção da pele. Entre os ativos, manteiga de karité, que restaura o filme hidrolipídico, e água termal, responsável por acalmar a pele. A partir de R$ 80. laroche-posay.com.br

 

Tecido protetor

A marca de moda praia Feline apresenta uma linha de bodys produzida com ação antiviral. O agente AmniVirus-Bac OFF, presente na matriz polimérica do fio de poliamida, impede o contato de vírus e bactérias com a pele, incluindo o novo coronavírus, causador da Covid-19. As propriedades repelentes são permanentes e não se perdem com a lavagem do tecido. A linha é composta por uma peça de manga longa, uma regata e uma máscara feita no mesmo tecido. soufeline.com.

 

Restaurante Refúgio é o porto seguro de quem busca uma comida saborosa em Paraty

Restaurante Refúgio é o porto seguro de quem busca uma comida saborosa em Paraty

Instalado há mais de 20 anos em um casarão histórico de Paraty, com paredes de pedra e óleo de baleia, o restaurante Refúgio é tocado pela paulistana Maria Isabel Faria Costa e suas duas filhas, Isabela e Manoela. Três décadas atrás, quando ainda era apenas uma estudante de arquitetura na Faap, Maria Isabel foi passar férias em Paraty e nunca mais voltou. Foi morar com seu amor caiçara em uma praia deserta e sem luz elétrica.

Anos depois, o casal se mudou para a cidade e criou o Refúgio. Hoje, o local já faz parte do roteiro gastronômico de Paraty, com seus bem executados pratos à base de peixes e frutos do mar recém-saídos de seu habitat, fornecidos por moradores locais que vivem da pesca artesanal.

Mesas ao ar livre do restaurante Refúgio

 

Na cozinha, mamãe Bel e Manoela preparam receitas locais com toques mediterrâneos. Isabela se ocupa da recepção dos clientes e do atendimento no salão e nas mesas ao ar-livre, que ficam parcialmente sombreadas por ombrelones.

Para começar uma gostosa refeição, aposte nos mexilhões em manteiga de escargot, na casquinha de siri e o palmito assado e servido com manteiga de ervas. Em seguida, escolha um dos best-sellers do cardápio para fazer as vezes de prato principal: o robalo com paçoca de banana e bacon é uma das combinações mais tradicionais da região; o tagliatelle com frutos do mar fará viajar à Costa Amalfitana; e a paella tem um arroz molhadinho e muito bem temperado – além de uma incrível fartura de camarões, lulas, mariscos nacos de peixe e lagosta.

 

Proprietárias do Refúgio

 

Outra atração da casa é o casadinho de camarão, mais uma receita típica da cidade. Ele é composto por dois camarões tamanho GGG unidos por uma úmida farofinha de camarões sete-barbas. Para os veganos, a opção é a moqueca de pupunha.

De sobremesa, a clássica banana frita ganha um toque de sofisticação ao ser servida em um prato fundo com conhaque flamejante e um gostoso creme inglês com aroma de canela.
Para beber, a adega da casa abriga aproximadamente cem rótulos entre brancos, rosés, tintos e espumantes, mas o melhor mesmo é relaxar bebendo um Jorge Amado – coquetel elaborado com Gabriela (cachaça aromatizada com cravo e cabela), açúcar mascavo e sucos de limão e de maracujá.

 

Paella da casa – Refúgio