fbpx
logo
logo
Bom de Copo: drinques e dicas para se refrescar em dias muito quentes

Bom de Copo: drinques e dicas para se refrescar em dias muito quentes

Para refrescar!

O calor veio para ficar! Um de meus programas prediletos é separar algumas leituras, como a edição da 29HORAS, algum artigo, um livro, um jornal, e ir para o sol. E como o que eu bebo é mesmo vinho, tenho uma série deles que funcionam como bebida refrescante.

Um dos campeões é o Portônica, você enche um copo “long-drinque” com gelo, coloca uma rodela de laranja, uma dose (eu coloco duas) de Porto Branco Seco, e completa com água tônica. Um espetáculo de drinque de verão! Funciona bem com o Jerez do tipo Fino ou Amontillado, e ainda com o Madeira Serial, e devo dizer que todos esses vinhos ficam maravilhosamente bem puros a 12ºC de temperatura.

Foto Getty Images | GMVOZD

Há inúmeros drinques que usam o vinho como base e misturam com outras bebidas, mas confesso que prefiro outras heresias, daquelas que todos fazem e poucos admitem, tipo colocar gelo no vinho. Saiba que sempre fiz! Em várias situações, por exemplo, um tinto que está muito pesado, muito denso, e o dia está claro e calor, ora, dois ou três cubos de gelo resolvem isso facilmente… outra coisa, ao sol, um cubo de gelo no vinho branco ou no espumante, não tem problema algum, você curte até mais! Claro que não se faz isso com produtos de grande qualidade, seria um desperdício, mas com vinhos comuns, não vejo problema e nem sinto culpa.

Na Itália certa vez um produtor amigo serviu um branco, e o vinho estava meio “chato”, faltando acidez. Sabe o que ele fez? Pegou uma casquinha de limão, torceu e jogou na minha taça, e assim o vinho ganhou acidez! Nossa, repeti essa operação diversas vezes para salvar vinhos que estavam pouco ácidos.

Em dias muitos quentes, também tenho costume de encher um copo “long-drinque” de gelo, com metade de vinho branco e completo com água com gás. Pronto, dá para virar o copo todo, como um delicioso refrigerante sem aquele retro gosto doce. Mais saudável e agradável. Experimente!

Também vale lembrar das sangrias (com vinho tinto) e dos Clericot (com vinho branco), em que se coloca pedaços de frutas com gelo, vinho simples e uma dose de algum licor. Faz o maior sucesso! Não há quem não goste.

Bons vinhos para se refrescar nesse verão que promete. Saúde!

Grandes trilhas sonoras do cinema

Grandes trilhas sonoras do cinema

Difícil encontrar quem não tenha maratonado séries e filmes nesses últimos meses. E quando as produções são caprichadas no som fica ainda melhor, certo? As trilhas sonoras podem até ser originais, que literalmente dão o tom das cenas, compostas exclusivamente para os filmes, e transformam e já transformaram milhares de cenas icônicas na história do cinema.

É só pensarmos em clássicos como “Star Wars”, “Tubarão” e “Indiana Jones”, com trilhas de John Williams, “O Poderoso Chefão”, por Nino Rota, “Amélie Poulain”, de Yann Tiersen, os grandes faroestes e “Cinema Paradiso”, do eterno Ennio Morricone, entre tantos outros filmes que poderiam entrar em uma lista para lá de extensa. A outra forma são as trilhas com músicas já existentes, feitas com trabalho minucioso de curadoria musical, tema que por aqui nos agrada bastante, é claro. Por isso, separamos algumas dicas de produções com soundtrack impecáveis que você precisa assistir…e ouvir.

 

High Fidelity

A série, baseada no clássico filme homônimo dos anos 1990 (“Alta fidelidade”, com John Cusack), tem Zoe Kravitz e a música como protagonistas. Com apenas uma temporada, é perfeita para ser assistida de uma vez só e pertinho do celular para salvar todas as músicas no streaming.

 

Paris Is Burning

Documentário para lá de necessário sobre a cultura drag e cena LGBT na Nova York dos anos 1980. Artístico, pesado, criativo e recheado de debates extremamente importantes, após três décadas o filme segue sendo referência e inspiração.

 

Quentin Tarantino

Impossível listar apenas um filme do diretor que tem paixão por música e preza pela trilha sonora em suas produções. De clássicos como “Pulp Fiction”, “Jackie Brown” e “Cães de Aluguel” a “Kill Bill”, “Django” e “Death Proof”, as soundtracks são incríveis, assim como os filmes.

 

Big Little Lies

O uso da música tem um diferencial na série, já que é utilizada não apenas como trilha sonora, sendo pano de fundo para as cenas, como também para a construção dos personagens. Em muitos momentos, eles de fato estão ouvindo o som nas cenas, o que gera diversos diálogos sobre artistas e playlists, que vão de Elvis Presley à PJ Harvey.

 

I May Destroy You e Euphoria

Duas séries dramáticas e recentes que dão peso à trilha sonora e, por vezes, criam uma atmosfera de clipe musical. As produções são pesadas, inteligentes e com doses certas de humor, em que as músicas somam, traduzem sentimentos e aumentam ainda mais a experiência do espectador.

 

Nossa dica é fazer bastante pipoca e maratonar com os ouvidos atentos. Aproveite e curta também a PLAYLIST que preparamos!

 

Foto divulgação

Foto divulgação

 

 


 

Páginas nas redes sociais alavancam empreendedores locais com bom humor

Páginas nas redes sociais alavancam empreendedores locais com bom humor

O astral dos cariocas sofre com uma sucessão de más notícias, seja na saúde ou na política. Só que as pessoas que vivem na cidade maravilhosa têm o dom de produzir por elas mesmas boas novidades. As páginas no Instagram “Levanta, Botafogo” e “O que fazer no Rio” apostam nas indicações entre amigos como estímulo para a retomada econômica e a recuperação do bom humor no Rio Janeiro.

A pandemia intensificou o desemprego no país, que chegou a 13,8% no trimestre encerrado em julho. É a maior marca da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), que teve início em 2012. Esses números certamente se refletiram na movimentação de bairros boêmios e conhecidos do Rio.

“Cresci e sempre morei em Botafogo, com a flexibilização da quarentena, sentia o bairro muito caído, com negócios fechados”, conta Carla Knoplech, empresária e fundadora da Agência Forrest. Foi nesse momento que a expert em criação de conteúdo no Instagram pensou em desenvolver um espaço que pudesse ser a plataforma de visibilidade de empreendedores locais, a “Levanta, Botafogo”. “Queria ajudar essas pessoas, levantar o astral da região”.

Carla Knoplech , idealizadora da página “Levanta, Botafogo”

 

De pães de fermentação naturais, aulas de cerâmica e produção caseira de vinhos, as dicas são dadas pelos próprios moradores do bairro, que formaram uma comunidade que valoriza Botafogo. “É a amostra de que na ausência de perspectiva governamental, as pessoas geriram por elas mesmas a crise e a pandemia, e estão se recuperando”.

Com a proposta de democratizar as dicas culturais da cidade, o projeto “O que fazer no Rio” surgiu em 2015 e aposta na vida além da zona sul. “Os cantinhos ‘secretos’, aqueles points que são achados e que quase ninguém ainda conhece, bombam! Os cariocas adoram uma exclusividade, mesmo sabendo que é a cidade mais turística do país”, explica Natalia Alves, fundadora da plataforma com mais de 300 mil seguidores.

Muitas vezes com sátiras e até memes, a página sugere pontos inusitados para recuperar o astral dos moradores da cidade. São indicações como praias selvagens; o sítio Burle Marx, na zona oeste do Rio de Janeiro; a Barra de Guaratiba, entre outros locais pouco visitados. “Eu costumo dizer que se tiver uma guerra nuclear no mundo, só sobra barata e carioca. Nós estamos acostumados com as piores notícias do país, mas sempre respondemos com humor”, finaliza.

Em meio aos reflexos da pandemia, a busca por seguros de vida e saúde se intensifica

Em meio aos reflexos da pandemia, a busca por seguros de vida e saúde se intensifica

A pandemia demonstrou nossas vulnerabilidades. O mercado de seguros fechará o ano com crescimento de 3,5% a 4%, caso sejam mantidas as atuais condições de flexibilização nas regras de isolamento social e reabertura de diversas atividades. Em um momento de instabilidade econômica e incertezas com relação ao futuro, como o que estamos vivendo, os brasileiros parecem querer prevenir perdas.

A demanda maior é por seguros de Vida e de Saúde, e novos arranjos de planos de previdência privada. “No mundo corporativo, podemos destacar o crescimento dos seguros Rural, Habitacional, Residencial e Marítimos e Aeronáuticos. Espera-se a retomada de procura pelas linhas de produtos para pequenas e médias empresas, em função da volta plena às atividades comerciais e de serviços”, afirma Marcio Coriolano, presidente da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg).

 

 

Entre os segurados, algumas carteiras também deixaram de ser prioridade com a pandemia. “As pessoas não priorizaram a compra do carro novo, ficaram impossibilitadas de viajar, perderam o emprego ou tiveram o salário reduzido. Esse comportamento atípico se refletiu em algumas linhas, como o seguro de automóveis e o seguro viagem, por exemplo”.

Outra tendência deste momento, a tecnologia tem ajudado os clientes a fazer vistorias para comprovação de problemas em residências, prédios empresariais, fábricas ou automóveis. Por meio de smartphones, é possível registrar as ocorrências em fotos e vídeos que, em seguida, são enviados para as seguradoras. “Os avanços têm também beneficiado áreas mais distantes dos grandes centros. As seguradoras conseguem atender, por exemplo, propriedades por todo o país com o uso de drones e satélites, que registram informações e imagens dessas propriedades”, conclui.

A Mon Petit Chéri oferece receitas criadas pelo chef Érick Jacquin para cães e gatos com paladares exigentes

A Mon Petit Chéri oferece receitas criadas pelo chef Érick Jacquin para cães e gatos com paladares exigentes

Animais de estimação não deveriam comer qualquer coisa. Conceito inédito no país, a gastronomia chegou ao universo pet com os produtos da Mon Petit Chéri, para ampliar o menu dcachorros e gatos. O embaixador da marca, chef Érick Jacquin, cria verdadeiras receitas com molhos da marca adequados para cada bichinho. 

O “Tompero Pet” pode ser consumido em todas as refeições, apenas precisa ser diluído em água e aquecido no micro-ondas. “As rações secas da Mon Petit Chéri, inclusive, possuem menos calorias para que os pets possam ter os molhos acrescentados na alimentação, proporcionado maior prazer e variedade aos bichinhos”, explica Hugo Villalva, CEO da marca. As receitas sugeridas pelo chef incluem legumes, frutas e proteínas de padrão humano, e oferecem ainda opções com ingredientes saudáveis, seguindo os hábitos alimentares de seus tutores, e aprovadas pela veterinária Luciana Oliveira, PhD em nutrição de animais de estimação. 

Érick Jacquin lembra que os pets não podem comer chocolate, café, uvas, entre outros ingredientes muito comuns nos pratos dos humanos, como alho e cebola. “Otomperos, que são nossos molhos, foram feitos de ingredientes humanos, comprados no mercado, mas adequados ao paladar dos animais”.  

Para os gatos, o chef indica os tomperos mais ácidos. “São requintados, gostam de creme de leite, de queijo, iguais a gente”. Já para os cachorros, Jacquin sugere os molhos que mais acentuam o olfato. São atraídos muito mais pelo cheiro que pelo sabor, por isso nossos tomperos são tão spécial para eles, pontua. 

É possível encontrar os produtos da Mon Petit Chéri nas lojas Cobasi e nas principais redes e lojas pet do país.

SAIBA MAIS em https://www.monpetitcheri.com.br 

Branded Content By 29H + Mon Petit Chéri