fbpx
logo
logo
Neste feriado, explore a produção cultural de grandes artistas brasileiros

Neste feriado, explore a produção cultural de grandes artistas brasileiros

ESTE ANO NÃO VAI TER AQUELE BOLO, mas existem outras maneiras de celebrar o aniversário de São Paulo neste 25 de janeiro. Aproveite o feriado para conhecer melhor a produção de grande artistas brasileiros. Beatriz Milhazes expõe suas coloridas criações no Masp e no Itaú Cultural e Anelis Assumpção disponibiliza online o Museu Itamar Assumpção, com tudo sobre a vida e a obra desse genial músico, seu pai.

Mestre na tela

Itamar Assumpção foi cantor, compositor, escritor, instrumentista, ator e produtor. Para reunir e revisitar o seu legado na música brasileira e mundial, foi inaugurado um museu virtual com sua obra, vida e trajetória. Considerado um dos principais nomes da música independente e da chamada “Vanguarda Paulista”, Itamar liderou o movimento que, entre os anos de 1979 e 1985, dominou a capital paulista e foi referência para a cultura popular brasileira.

 

Acervo do Museu Itamar Assumpção (MU.ITA) 1990 – Foto Glória Flugel

 

O Museu Itamar Assumpção (MU.ITA) tem direção geral da filha do cantor, Anelis Assumpção e conta com um acervo de 2 mil itens – como fotos, vídeos, músicas, textos, figurinos e acessórios originais –, a Sala Serena, espaço dedicado à memória de uma de suas filhas; uma loja com produtos exclusivos do museu, além de exposições de curta duração. Em janeiro, o artista plástico Dalton Paula – que já teve obras no Museu de Arte Moderna de Nova York, Masp e Pinacoteca – expõe retratos de Itamar e Serena Assumpção em diálogo com sua produção e pesquisas sobre saberes tradicionais da cultura negra.

 

Ensaio fotográfico de Itamar Assumpção e a banda Isca de Polícia 1985 – Foto Oscar Bastos

 

Avenida da Arte

Uma das mais importantes artistas brasileiras da atualidade, Beatriz Milhazes ganha a maior exposição monográfica de sua carreira no Brasil; “Beatriz Milhazes: Avenida Paulista”. A mostra reúne cerca de 170 trabalhos, entre pinturas em grandes e pequenos formatos, esculturas, gravuras, colagens, além de obras inéditas que vêm de coleções privadas, sendo reveladas ao público pela primeira vez na exposição que segue em cartaz de forma conjunta no Itaú Cultural e no Masp.

A obra de Milhazes reflete formas e cores brasileiras, trazem referências artísticas desde o barroco até o modernismo e estabelecem relações entre a artista e seu entorno mais próximo, da sua cidade Rio de Janeiro e do bairro onde fica seu ateliê, o Jardim Botânico.  Atualmente, suas pinturas também estão em instituições como Centre Pompidou, em Paris, e Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, em Madri.

 

Obra Maracujola, de Beatriz Milhazes – Foto divulgação

 

Explore as exposições que evidenciam a relevância de artistas brasileiros e são opções para comemorar o aniversário de São Paulo!

Casas tradicionais de música se reinventam na pandemia e apostam na gastronomia

Casas tradicionais de música se reinventam na pandemia e apostam na gastronomia

Para uma cidade com milhões de habitantes e, com certeza, milhares de apaixonados por jazz, São Paulo possui poucas casas tradicionais de música. Duas das mais tradicionais, a Jazz Nos Fundos e a Jazz B, passaram por uma intensa adaptação na pandemia. Com a impossibilidade de promover os conhecidos shows em clima intimista, a curadoria agora aposta na gastronomia e em uma experiência agradável ao ar livre para manter o jazz vivo.

 

Terraço da casa Jazz Nos Fundos, em Pinheiros – Foto divulgação

 

“A música com certeza sobreviveu a esses momentos difíceis de quarentena, mas muitos músicos não receberam nada para fazer lives e nos entreter”, conta Maximo Levy, fundador das casas Jazz Nos Fundos e Jazz B. Para valorizar quem faz música, a curadoria começou a programação de lives depois daquela intensa agenda de apresentações em canais de artistas – que vimos entre maio e julho do ano passado –, e apenas promoveu shows com bandas reduzidas recentemente. Em dezembro, a Jazz Nos Fundos transmitiu o show de Gustavo Infante, que apresentou seu álbum de estreia, e do violonista francês Nicolas Krassik. “Antes da pandemia, já fazíamos lives para o público de fora de São Paulo, é algo que adaptamos bem”.

Paella do Chef Ricardo Sanmiguel – Foto divulgação

 

Ficou claro nessa pandemia que a comida não para. De olho nisso, a Jazz B, na República, agora oferece um menu especializado em defumados feitos com lenha de árvore frutífera. São hambúrgueres, pastramis, berinjelas e tapas servidos na calçada, além de chops e bons drinks. Já na Jazz Nos Fundos, uma deliciosa paella espanhola, assinada pelo chef Ricardo Sanmiguel, é servida no arejado terraço da casa em Pinheiros, aos sábados.

Manter esses espaços vivos em meio à pandemia é possibilitar que, em breve, músicos brasileiros e estrangeiros tenham espaço para desenvolver suas paixões e nos entreter. “É garantir a oportunidade de uma geração de músicos, dos mais famosos aos mais desconhecidos”, conclui Maximo.

 

Piano da Jazz B – Foto divulgação

 

 

No céu, duas opções de passeio para quem visita Boituva

No céu, duas opções de passeio para quem visita Boituva

Uma experiência mais tranquila e outra para quem gosta de adrenalina. Boituva tem alternativas tanto para aqueles que desejam um dia mais contemplativo – como ver o nascer do sol abordo de um balão -, como para o povo que curte emoções mais radicais – como os saltos de paraquedas.

 

Flutuando nos ares

Assim que o sol nasce, os maçaricos são ligados e os balões, inflados. É dessa forma que começam os sábados, domingos e feriados em Boituva, com os passeios de balão da Escola Brasileira de Balonismo (EBB). Por uma hora, os passageiros avistam – a mais de 500 metros de altitude – fazendas, o rio Sorocaba e as reservas da Mata Atlântica. Os cestos têm tamanhos diversos, para até 16 pessoas. Para quem prefere privacidade e exclusividade, há a opção de voo para apenas duas pessoas. Ao final do passeio, o receptivo leva os viajantes à sede da EBB para um brinde com espumante e um café da manhã completo. A Escola possui ainda a Pousada Boituva, que é uma boa dica para um pernoite, já que o passeio começa bem cedo. Os agendamentos são feitos pelo número (11) 95432-8854.

 

Passeios de balão da Escola Brasileira de Balonismo (EBB) – Foto divulgação

 

Sem pensar duas vezes

São 20 minutos de voo para alcançar 4 mil metros de altitude. Já a descida tem velocidade de 220 quilômetros por hora. Faça as contas e após 50 segundos de queda livre e cinco minutos planando, você pousará em terra firme. Saltar de paraquedas pode ser do modo tradicional ou com muita adrenalina. Na SkyRadical – a escola de paraquedismo com o maior número de atletas em atividade e de instrutores credenciados do Brasil – são vendidos dois tipos de salto, o duplo convencional e o challenge.

 

Salto de paraquedas da SkyRadical, em Boituva – Foto divulgação

 

Com 10 minutos de preparação, na modalidade duplo convencional, você salta com um instrutor que controla todas as manobras do voo, além de registrar o momento. Mas, se quiser ainda mais emoção, é possível passar por um treinamento de uma hora que te prepara para abrir o paraquedas, realizar manobras em queda livre e comandar o voo, tudo ainda com a segurança de um instrutor junto.

Para quem ainda não está com a coragem de saltar de um avião, há a opção de voar como observador, apreciando o céu de Boituva da janelinha, ou então ter a experiência por meio do túnel de vento, em um simulador de queda livre que permite todas as sensações de voar, mas a apenas alguns metros do solo.

 

Túnel de vento da SkyRadical, em Boituva – Foto divulgação

 

 

Lugares para passar momentos bucólicos com uma farta cesta de piquenique em família

Lugares para passar momentos bucólicos com uma farta cesta de piquenique em família

Com 20 mil habitantes, Sousas é o distrito mais antigo de Campinas. Desde sua fundação em 1896, a região abriga fazendas de café que foram transformadas em charmosos sítios para aluguel de temporada, restaurantes, bares e cafés – e muitos oferecem uma deliciosa experiência de piquenique em meio à natureza.

O casarão do primeiro hotel do distrito hoje é o restaurante Fazenda Floresta Park. Aos finais de semana e feriados, 26 pontos do jardim são reservados para que adultos e crianças possam desfrutar de um piquenique. Com reserva online e muito espaço, os locais possuem distanciamento de 30 a 40 metros – com mesas e redes – e podem ser escolhidos entre as opções: na mata, perto da horta, com vista, para adultos e para pessoas com dificuldade de locomoção.

 

Família no piquenique da Fazenda Floresta Park – Foto Rodolfo Trevisan

 

Selecionado o espaço, a cozinha começa a preparar os quitutes. A cesta inclui delicioso pão caseiro, mini pães de queijo, geleia, manteiga da fazenda, rosca doce, frios, bolinhos de chuva, doce de abóbora, bolo de cenoura, maçã, café orgânico, suco de laranja e água.

Os pequenos podem brincar com os animais da fazenda, participar das atividades com monitores, e colher verduras na horta – tudo incluso no valor do piquenique. Todos os meses são introduzidas novas atividades, basta ficar de olho no Instagram @fazendafloresta_1830 para saber das novidades.

 

Charme familiar

Vizinho ao Sousas, a apenas cinco quilômetros dali, está o Joaquim Egídio. Distrito ainda mais pequenino – com apenas 5 mil habitantes – abriga ruas de paralelepípedos e casas coloniais, que são cenário bucólico perfeito para um brunch em família. Dali é possível avistar o Pico das Cabras e o Observatório Municipal de Campinas, que cercam a região.

Em datas comemorativas, as princesas Branca de Neve, Elsa e Ariel invadem o restaurante Padoca do Vila, e visitam as crianças em seus piqueniques particulares. Ao chegar, um trenzinho transporta a família, contornando o lago e a mata.

 

Cesta do Padoca do Vila – Foto divulgação

 

Para ter energia para entrar no conto de fadas, são servidos dois tipos de cestas, o de café da manhã – que inclui café, leite, suco de laranja, pão de queijo, pão artesanal, manteiga de ervas, frios, requeijão de corte Atalaia e bolos de cenoura com brigadeiro e fubá com goiabada – e a cesta de brunch, que conta com pão rústico, queijos brie e Atalaia, presunto parma, azeitonas, nozes, patês e tortas salgadas. É possível adicionar vinhos tinto, rosé ou branco, e espumante à cesta. As duas opções são servidas para 2 ou 4 pessoas.

Logo atrás à Padoca do Vila, em meio à mata, está o restaurante primogênito, o tradicional Vila Paraíso, que conta com um extenso menu de massas caseiras, peixes e carnes, assinado pelo chef Ricardo Barreira. Vale provar o Pirarucu da Amazônia com castanha de baru e farofa de pequi; e o Fetuccine Burrata, com o queijo gratinado sobre a massa ao molho de tomates pelados ao toque de pesto e camarões rosa puxados no vinho branco. Basta escolher sua sombra e desfrutar de um dia com ares interioranos no meio de Campinas.

 

Restaurante Vila Paraíso – Foto divulgação

 

 

2021 começa cheio de expectativas no mundo da música

2021 começa cheio de expectativas no mundo da música

Nosso radar, sempre ligado no mundo da música, já capta os nomes que prometem muito som bom neste ano. De gente nova no pedaço aos que já fazem barulho faz tempo, deixamos aqui algumas de nossas apostas e álbuns fresquinhos para já ficarmos de olho nos próximos meses.

Com apenas 17 anos, Alfie Templeman é um prodígio do indie pop e, certamente, ainda vamos ouvir falar bastante dele. O teen britânico que escreve, toca e grava suas próprias músicas desde seus 7 anos, mostra que idade não significa nada e entrega um som de qualidade. Arlo Parks é outro nome para deixar anotado. A jovem inglesa nos presenteou com a sua voz doce e letras sensíveis em singles lançados entre 2018 e 2020. Este ano, seu álbum de estreia, “Collapsed in Sunbeams”, já está com data marcada para o fim de janeiro e as expectativas são altas.

 

Alfie Templeman e Arlo Parks – Fotos divulgação

 

Ainda em terras inglesas, mas saindo do gênero indie-folk-pop, a banda Shame – e seu som post-punk para lá de bom – lança seu segundo trabalho, “Drunk Tank Pink”, após sucesso de crítica e público do álbum anterior, de 2018. E com muito mais tempo de estrada, quem lança álbum novo, em breve, é o Foo Fighters. O 10º trabalho de estúdio da banda, “Medicine At Midnight”, está previsto para o começo de fevereiro e já tem música nova nas plataformas de streaming para dar um gostinho do que vem por aí.

 

Banda Shame – Foto divulgação

 

Nas apostas nacionais, são muitos os nomes que prometem brilhar ainda mais em 2021. O pernambucano Afroito, com seu som R&B em universo afrofuturista e cheio de ancestralidade, é um deles. Tem ainda um possível novo álbum da sempre incrível Liniker, e a revelação super jovem de 2020, Ana Frango Elétrico que entrou em diversas listas gringas de melhores álbuns com “Little Eletric Chicken Heart” e promete seguir ganhando o mundo com seu talento. As faixas trazem produções de puro bom gosto em trabalhos que vão de remixes de Marcos Valle a parceiras com artistas como Curumin, Henrique Ludgério, Luluca e Bruna Croce, outro nome, inclusive, para ficar de olho neste ano.

 

Afroito, Liniker e Ana Frango Elétrico – Fotos divulgação

 

Como a música não para, seguiremos com os ouvidos atentos e buscando os melhores sons por aqui e mundo afora. Ficou curioso para ouvir os artistas citados? Então dá o play na nossa playlist com as faixas must-listen e apostas de 2021.