Agenda 29h: Programas para todas as horas do mês em São Paulo

Agenda 29h: Programas para todas as horas do mês em São Paulo

Gastronomia, bares, shows, teatros, filmes, exposições, e muito mais! Confira as melhores dicas para curtir em agosto

Comida & Bebida

Aposta certeira
O restaurante Apó, com cozinha contemporânea autoral que valoriza os ingredientes brasileiros, orgânicos e de pequenos produtores, teve seu cardápio inteiramente renovado pelos chefs Bruno Assis e Rafaella Aguiar. Uma das mais saborosas novidades é o Cocho: pastrami de rosbife marinado em redução de ostras e especiarias, molho de tomates assados, servido com aligot de inhame e emulsão de cebolas caramelizadas.
Rua Ministro Jesuíno Cardoso, 115, Itaim, tel. 98280-3303.

Foto divulgação

Foto divulgação

 

Seu francês
O chef Francisco Farah e o empresário Pedro Grando, os responsáveis pelo sucesso do restaurante Teus, agora comandam outro empreendimento gastronômico na mesma rua: o Votre, inspirado nas brasseries francesas, mas com jeitinho brasileiro. Aposte em hors d’oeuvres como o patê de fígado de pato com picles e torradas ou os mexilhões com molho de açafrão e batatas fritas. De principal, prove o pato com laranja ou o peixe do dia grelhado e servido com farofa de camarão.
Rua Natingui, 1.548, Baixo Pinheiros.

 

Votre Mexilhões - Foto divulgação

Votre Mexilhões – Foto divulgação

 

Pig little lies
Janaína Rueda e as mulheres da brigada da Casa do Porco assinam o novo menu degustação do local, recém-eleito o 7º melhor do mundo, segundo a revista britânica “Restaurant”. Clássicos como o sushi de papada, o torresmo com goiabada e porco de Sanzé permanecem, mas ganham a companhia da mandioca do Sítio Rueda em várias texturas com bacon artesanal e o dalplin de porco com ricota, couve e purê de feijão. O banquete custa R$ 220 por pessoa.
Rua Araújo, 124, Centro, tel. 3258-2578.

 

Menu Recriar Embutidos Curados & Cozidos da Casa do Porco - Foto Mauro Hlanda

Menu Recriar Embutidos Curados & Cozidos da Casa do Porco – Foto Mauro Hlanda

 

Açougue com grife
Sucesso há 12 anos no Rio, a CT Boucherie acaba de desembarcar em SP, com suas ótimas carnes e seu original rodízio de acompanhamentos. No restaurante com a grife Troisgros, que funciona em anexo ao Chez Claude, o cliente escolhe seu grelhado (que pode ser uma saborosa fraldinha, uma suculenta NY Strip ou um exagerado Prime Rib – além de opções suínas e de pescados) e é assediado com uma sequência de deliciosos molhos e guarnições, como polenta cremosa, quiabos refogados, arroz maluco, chuchu gratinado, purê de mandioquinha e risoto de quinoa.
Rua Prof. Tamandaré Toledo, 25, Itaim, tel. 3071-4228.

 

CT Boucherie - Foto Ricardo Dangelo

CT Boucherie – Foto Ricardo Dangelo

Entretenimento

Filha de Iansã
Maria Bethânia se apresenta nos dias 19 e 20 de agosto no palco do Vibra São Paulo. A diva baiana canta canções de seus mais recentes álbuns e grandes sucessos que marcaram sua carreira, como “Reconvexo”, “Olhos nos Olhos”, “Negue” e “Estado de Poesia”, entre tantos. Interpreta ainda canções inéditas em sua voz, como “Galos Noites e Quintais” (de Belchior) e “Está Escrito”, de Xande de Pilares. Ingressos de R$ 100 a R$ 800.
Avenida das Nações Unidas, 17.955, Santo Amaro.

 

Shows da Maria Bethania em agosto no Vibra São Paulo - Foto divulgação

Maria Bethania – Foto divulgação

 

Som & movimento
Até o dia 21 de agosto, os bailarinos do Grupo Corpo apresentam no palco do Teatro Alfa duas coreografias de seu repertório: “Onqotô” (de 2005) e Gil (de 2019, criada a partir de composições de Gilberto Gil, como “Tempo Rei” e “Andar com Fé”). Com 46 anos de história, a companhia mineira de dança reflete em suas criações a diversidade e complexidade do país com criatividade, precisão e rigor técnico. Ingressos de R$ 50 a R$ 200.
Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, Santo Amaro, tel. 5693-4000.

 

Grupo Corpo se apresenta no Teatro Alfa em agosto - Foto divulgação

Grupo Corpo – Foto divulgação

 

Praia de paulista
Acaba de ser inaugurada a Arena XP, complexo de entretenimento, lifestyle e esporte localizado no coração do Condado Farialimer. O empreendimento tem cerca de 4 mil m2 de área, seis quadras de beach tennis e futevôlei, restaurante da rede de comida funcional Nattu, um balcão de drinques (o Bardarena), uma loja de artigos esportivos da Decathlon e uma área para shows e eventos com capacidade para 1.500 pessoas. A arena funciona todos os dias, das 6h à meia-noite.
Avenida Brig. Faria Lima, 3.825, Itaim.

 

Arena XP inaugurada em agosto - Foto Bruna Guerra

Arena XP – Foto Bruna Guerra

*Dicas para a 3ª semana do mês agosto

Agenda 29h: Programas para todas as horas do mês em São Paulo

Agenda 29h: Programas para todas as horas do mês em São Paulo

Gastronomia, bares, shows, teatros, filmes, exposições, e muito mais! Confira as melhores dicas para curtir em agosto

Comida & Bebida

Antes da sesta
O restaurante espanhol Me Vá renovou seu menu executivo servido nos almoços durante a semana. O valor de R$ 58 inclui entrada, prato principal e sobremesa. Quem paga R$ 78 recebe também uma taça de vinho e uma água. Dá para optar entre o bife à milanesa com batatas bravas, o peixe com purê de batata-doce e legumes na brasa, o spaghetti com lulas salteadas ou ainda o Picadinho Me Vá, acompanhado de arroz, farofa de alho e ovo frito com gema mole.
Rua Ferreira de Araújo, 285, Baixo Pinheiros, tel. 3816-0588.

Foto divulgação

Foto divulgação

 

Posh spot
O recém-inaugurado Gioia é um misto de piano bar, restaurante e clube privê, com ambiente intimista e poucos lugares – é recomendável fazer reserva. O menu criado pelo chef Denis Orsin (ex-Piccini) foca em comidinhas ideais para compartilhar, como o Salmone Stagionato (salmão defumado servido com blinis, crème fraîche, blinis e caviar Ossetra). Do bar pilotado pelo bartender Celso Junior (ex-Astor), saem coquetéis clássicos como o Fitzgerald, o Clover Club e o Old Fashioned.
Rua Dr. Melo Alves, 301, Jardins.

 

Foto divulgação

Foto divulgação

 

Food break
Conhecido pelos seus brunchs com bowls de frutas, toasts e ovos preparados à perfeição, o Botanikafé acaba de inaugurar sua 4ª unidade. A nova filial funciona dentro do complexo esportivo Calçadão, que tem 8 quadras de areia (para beach tennis e futevôlei) e 5 para tênis. O menu tem ainda pokes, sandubas e pratos orientais como o japonês Shogayaki (à base de carne bovina e arroz tipo gohan) e o malaio Nasi Goreng (com camarões e arroz frito). Para beber, oferece ótimos sucos e cafés.
Avenida Nicolas Boer, 120, Barra Funda, tel. 96494-2423.

 

Foto divulgação

Foto divulgação

 

Fiesta caribeña
O recém-inaugurado Guapísima, irmão caçula do Bonita Bar & Cozinha, tem como temática a arquitetura cubana, mas isso é quase imperceptível – a não ser pelos arcos na entrada. O local é uma boa opção para o happy hour. Depois, a partir das 22h, as luzes vão diminuindo e o volume do som sobe até a casa virar uma balada. Para beliscar, aposte no tartar de atum com crocantes de tapioca. Para bebericar, prove o Grasshopper, à base de gim, licor de cacau, hortelã e limão.
Rua Min. Jesuíno Cardoso, 25, Itaim.

Guapissima Salão - Foto divulgação

Guapissima Salão – Foto divulgação

 

Churrasco high tech
A Fogo de Chão reinaugurou a unidade da Avenida dos Bandeirantes, que agora conta com uma fachada totalmente reformada e novidades tecnológicas no interior do restaurante. O grande destaque da revitalização é aquisição de um Dry Age Cabinet, um refrigerador para cortes nobres, em que as carnes selecionadas, como T-Bone e Tomahawk, ficam armazenadas em um locker e passam pelo processo de maturação a seco, mantendo temperatura e umidade controladas durante 32 dias. No menu, o Wagyu é a estrela.
Av. dos Bandeirantes, 538, Brooklin, tel. 5505-0791.

Fogo de Chão - Foto Rafael Amboedo - Divulgação

Fogo de Chão – Foto Rafael Amboedo – Divulgação

 

Shows & Eventos

Sexy nights
De volta ao Brasil após um giro pela Europa, Johnny Hooker traz sua turnê “Estandarte” ao palco da Casa Natura Musical. A apresentação marca o lançamento do novo álbum do artista, “Ørgia”, inspirado no livro “Orgia – Diários de Tulio Carella”, que narra as aventuras sexuais do dramaturgo argentino pelo Recife em 1960. A obra é um clássico do universo LGBTQIA+. No show, Hooker passeia por gêneros como o brega, o forró, o samba e o pop. Ingressos de R$ 40 a R$ 180.
Rua Artur de Azevedo, 2.134, Pinheiros.

Johnny Hooker - Foto divulgação

Johnny Hooker – Foto divulgação

 

Estudo teatral
Gerald Thomas está de volta à cena teatral paulistana, com o espetáculo “F.E.T.O. (Estudos de Doroteia Nua Descendo a Escada)”, em cartaz até o dia 28 no Teatro Anchieta, dentro do Sesc Consolação. A peça é livremente inspirada em “Doroteia”, de Nelson Rodrigues, e conta com um time de atores de peso, como Fabiana Gugli, Rodrigo Pandolfo, Raul Barreto e a norte-americana Lisa Giobbi, que também assina a coreografia e a codireção. Ingressos a R$ 50.
Rua Dr. Vila Nova, 245, Vila Buarque, tel. 3234-3000.

 

Gerald Thomas - Foto Claudia Oliver - Divulgação

Gerald Thomas – Foto Claudia Oliver – Divulgação

*Dicas para a 2ª semana do mês agosto

Agenda 29h: Programas para todas as horas do mês em São Paulo

Agenda 29h: Programas para todas as horas do mês em São Paulo

Gastronomia, bares, shows, teatros, filmes, exposições, e muito mais! Confira as melhores dicas para curtir a primeira semana do mês de agosto

Comida & Bebida

Sweet twenties
Celebrando os 20 anos de sua loja, a chef confeiteira Carole Crema recheia sua vitrine com receitas clássicas da marca. É possível encontrar por lá ícones como a torta de marzipã com chocolate, a torta de maçã invertida caramelizada, o brigadeiro de colher servido em copinhos de chocolate, os cupcakes praliné, os bombons de caipirinha, a torta de alfajor, o puxa-puxa de macadâmia e a Whoopie Pie.
Rua da Consolação, 3.161, Jardins, tel. 3088-7172.

 

Carole Crema - Foto Jr. Estruc - Divulgação no mês de agosto 2022

Carole Crema – Foto Jr. Estruc

 

Noites quentinhas
Enquanto perdurar o inverno, o restaurante Terraço Itália vai seguir oferecendo receitas para quem quiser se aquecer e recuperar as energias consumidas pelos dias e noites de frio. Entre as sugestões do chef Pasquale Mancini estão a sopa tipo minestrone de vegetais com crocante de parmesão, a sopa de aspargos com pancetta, os capeletti de vitela em caldo de carne, o spaghetti a carbonara e o risotto de peras, nozes e queijo gorgonzola.
Avenida Ipiranga, 344, 41º andar, Centro, tel. 2189-2940.

 

Terraço Itália Spaghetti Alla Carbonara - Foto divulgação

Terraço Itália Spaghetti Alla Carbonara – Foto divulgação

 

Coisa de louco
Os irresistíveis sandubas do Trem Doido são montados com… pão de queijo! Vale muito a pena provar o cheese burger, o bacon burger e o cheese salada, mas reserve espaço para o PDQ Falafel (com bolinhos de falafel, queijo, alface, tomate e a maionese), o PDQ Pernil (com pernil desfiado, couve crispy e molho barbecue) ou o PDQ Caprese (com mozzarella de búfala, tomate-cereja e pesto). De sobremesa, aposte no PDQ de doce de leite ou no PDQ de Romeu & Julieta.
Rua Lisboa, 306, Pinheiros, tel. 99481-1005.

 

Trem Doido - Pão de Queijo Caprese - Foto Kfaro

Trem Doido – Pão de Queijo Caprese – Foto Kfaro

 

Banquete japa
O Kuro é como um porta-joias: um pequeno compartimento que abriga preciosidades. No balcão com apenas oito lugares, o sushiman Henry Miyano e o chef Gerard Barberan executam e servem as maravilhas que compõem o omakase da casa, que só atende quem fez reservas para as 19h ou para as 21h. Os sushis são elaborados com peixes extremamente frescos. Os pontos altos do menu são o atum gordo chamuscado em carvão binchotan e o tamagoyaki, omelete japonês com sabor mais adocicado.
Rua Padre João Manuel, 712, Jardins, tel. 3062-5241.

 

Kuro Omakase - Foto divulgação

Kuro Omakase – Foto divulgação

Shows & Eventos

Novo normal
Após temporada de sucesso no Rio, a peça “Ponto a Ponto – 4.000 Milhas” chega a São Paulo. Em cartaz até o dia 21 no teatro B32, o espetáculo tem texto da norte-americana Amy Herzog e é protagonizado por Luiz Fernando Guimarães e Bruno Gissoni. Guimarães interpreta Vera, uma idosa que recebe a visita inesperada do neto Léo, personagem de Gissoni. O diálogo entre os dois revela o abismo entre gerações e evidencia o que separa e une as pessoas. Ingressos de R$ 30 a R$ 140.
Avenida Brig. Faria Lima, 3.732, Itaim.

Peça "Ponto a Ponto – 4.000 Milhas” com Luiz Fernando Guimarães - Foto Caio Gallucci - Divulgacao

Peça “Ponto a Ponto – 4.000 Milhas” com Luiz Fernando Guimarães – Foto Caio Gallucci – Divulgacao

 

Lady sings
A norte-americana Madeleine Peyroux é a atração da noite do dia 04/08 no palco do Bourbon Street Music Club. Além de cantar – em inglês e em francês – e tocar violão, é ela quem compôs vários dos hits que a fizeram ser conhecida internacionalmente, como “Dance Me to the End of Love”, “Don’t Wait Too Long” e “I’m All Right ”. Madeleine é especialmente admirada e adorada por seu estilo e sua voz, que em muito remete ao timbre da diva do jazz Billie Holiday. Ingressos a R$ 320.
Rua dos Chanés, 127, Moema, tel. 5095-6100.

 

Madeleine Peyroux - Foto divulgação - Shows no mês de agosto

Madeleine Peyroux – Foto divulgação

 

Filmes & Streaming 

Sem parar
No filme “Trem-Bala”, que estreia este fim de semana nos cinemas, Brad Pitt interpreta Ladybug, um assassino azarado em final de carreira. Ele é recrutado por Maria Beetle (Sandra Bullock) para coletar uma maleta em um trem-bala indo de Tóquio para Morioka. Mas nem tudo sai conforme o planejado. A bordo do trem está uma bomba que explode se a composição trafegar a uma velocidade inferior a 80 quilômetros por hora. Vai ser preciso bem mais do que apenas um rostinho bonito para escapar dessas.

 

Filme "Trem Bala" com Brad Pitt - Foto divulgação - estreia no mês de agosto 2022

Filme “Trem Bala” com Brad Pitt – Foto divulgação

 

*Dicas para a 1ª semana do mês agosto!

Agenda 29h: Programas para todas as horas do mês em São Paulo

Agenda 29h: Programas para todas as horas do mês em São Paulo

Toda semana uma programação especial para você curtir na cidade paulistana

Comida & Bebida

Japa suntuoso
No recém-inaugurado restaurante Koon, o chef Rafael Hidaka (que passou pelos estrelados Kinoshita, Huto e Mee) foca na gastronomia japonesa tradicional, mas com sutis toques de brasilidade. Na Mesa do Chef, com vista para a cozinha, são servidos menus-degustação em estilo kaiseki para grupos de até 6 pessoas. No balcão, a atração é o omakasê de sushis. Para beber, o Koon oferece saquês selecionados, vinhos e drinques assinados pela bartender Luiza Limas.
Rua Dr. Mario Ferraz, 441, Itaim, tel. 3167-5050.

 

Foto divulgação - Restaurante Koon

Foto divulgação – Restaurante Koon

 

Luxo à mesa
O restaurante Tangará Jean-Georges, do luxuoso hotel Palácio Tangará, acaba de renovar seu cardápio, com um menu sazonal inspirado nos ingredientes da estação. Entre as receitas criadas pelo chef Filipe Rizzato e chanceladas por Jean-Georges Vongerichten estão o tartar de bijupirá com redução de tangerina, azeite defumado e ovas de mujol e as deliciosas vieiras grelhadas e servidas com purê de couve-flor e crocante de quinoa, avelãs e presunto Parma.
Rua Dep. Laércio Corte, 1.501, Panamby, tel. 4904-4001.

 

Foto divulgação - Restaurante Tangará

Foto divulgação – Restaurante Tangará

 

Boa novidade no Itaim
Comandado pelo chef Marcelo Giachini, o restaurante Imma mistura cozinha ibérica, mediterrânea e italiana, em pratos com cozimento a brasa, majoritariamente. Na lista de entradas, destaque para o delicioso tartar de carne com avelãs e vinagrete de Jerez, e a acolhedora polenta cremosa com cogumelos. O arroz de pato e o arroz de polvo servem muito bem no enxuto menu de principais, além do cordeiro assado com feijão branco e farofa crocante. Para encerrar, o mil folhas de baunilha enche os olhos e a boca.
Rua Emmanuel Kant, 58, Itaim, tel. 3064-6250

 

Mil folhas de baunilha do Restaurante Imma - Foto Helena Cardoso

Mil folhas de baunilha do Restaurante Imma – Foto Helena Cardoso

Shows & Eventos

Capital do teatro
A programação da 8ª Mostra Internacional de Teatro de São Paulo começa hoje no Sesc Pinheiros e prossegue até o dia 12. A edição 2022 do evento tem como destaques vários espetáculos nacionais (de estados como Ceará, Bahia, Rio de Janeiro e Paraná) e três montagens internacionais: a argentina “Estádio”, a francesa “O Martelo e a Foice” e a suíça “Vale da Estranheza” (foto), que aborda a relação das pessoas com a robótica.
Rua Pais Leme, 195, Pinheiros, tel. 3095-9400.

 

Mostra “Vale da Estranheza” - Foto divulgação

Mostra “Vale da Estranheza” – Foto divulgação

 

She-kespeare
A peça “Lady x Macbeth – Outros Detalhes da Peça Escocesa”, em cartaz até o dia 5 no Teatro Anchieta, do Sesc Consolação, revisita a relação de um dos casais mais controversos do teatro. O texto de Marcia Zanelatto, criado a partir do clássico de Shakespeare, faz uma leitura feminina dessa obra que fala de patriarcado, mulheres empoderadas, traição, amor, rivalidade e dominação. Yara de Novaes e Guilherme Leme Garcia dão vida ao casal. Ingressos de R$ 12 a R$ 40.
Rua Dr. Vila Nova, 245, Centro, tel. 3234-3000.

 

Peça “Lady x Macbeth – Outros Detalhes da Peça Escocesa” - Foto divulgação

Peça “Lady x Macbeth – Outros Detalhes da Peça Escocesa” – Foto divulgação

 

Com participação confirmada no festival João Rock, em Ribeirão Preto, Emicida volta aos palcos após dois anos de pandemia

Com participação confirmada no festival João Rock, em Ribeirão Preto, Emicida volta aos palcos após dois anos de pandemia

Na música, na TV, nos games e no palco do festival João Rock, o rapper paulistano Emicida aposta na diversidade. “Eu sou muitos”, diz

O jeito tranquilo, o riso fácil e a voz mansa de Emicida talvez não sejam as características mais intuitivamente associadas a um rapper. Nascido Leandro Roque de Oliveira, nas quebradas do Jardim Cachoeira, na Zona Norte paulistana, ele recusa rótulos. É cantor, mas também escritor, produtor e comentarista com cadeira cativa no “Papo de Segunda”, programa do canal GNT. Canta rap, samba, pop, reggae e o que mais vier, e coloca seus versos no mundo para ocuparem todos os espaços – sejam as batalhas de rima das calçadas, o pomposo Theatro Municipal, os palcos indie-eletrônicos do Lollapalooza, ou ainda o tradicional Rock In Rio.

Por tudo isso, talvez não surpreenda que tenha sido batizado como “embaixador das ruas”. “A linguagem da calçada é a diversidade, por isso sou vários”, explica o artista, que, no dia 11 de junho, se aventura também pelos palcos do interior paulista no festival João Rock, conhecido por, tradicionalmente, reunir em Ribeirão Preto grandes nomes do pop e do rock nacionais. “Estarei lá, cantando ao lado dos meus irmãos Criolo e Céu. É um grande momento de ocupação e pertencimento para o rap, e fico feliz de ser parte disso”, comenta. Neste ano, o line-up do evento inclui, ainda, shows de Pitty, Barão Vermelho, Erasmo Carlos e Gabriel, O Pensador.

Foto: Ênio Cesar; assistente de fotografia: Rafael Mattar; beleza: Regiane Alexandre (Juba Trançadeira); barba: Mara Afro Soull; produção: Raissa Fumagalli; assistente de produção: Laura Freitas; Emicida veste Haye Clothing

Foto: Ênio Cesar; assistente de fotografia: Rafael Mattar; beleza: Regiane Alexandre
(Juba Trançadeira); barba: Mara Afro Soull; produção: Raissa Fumagalli; assistente de produção: Laura Freitas; Emicida veste Haye Clothing

 

Capa de uma edição online da 29HORAS em junho de 2020, Emicida retorna às nossas páginas para falar sobre transformações e permanências. De lá para cá, ele foi muitos. Virou bonequinho de animação para um show exclusivo dentro do jogo Fortnite; integrou por seis meses o grupo de estudos sociais da Universidade de Coimbra; firmou parceria com os engravatados do Nubank em um projeto que visa levar educação financeira aos moleques da quebrada; e agora se lança produtor e está por trás do álbum “O Que Meus Calos Dizem Sobre Mim”, de Alaíde Costa – disponível desde maio nas plataformas digitais.

Nesta nova conversa, o cantor revisa seus feitos ao longo dos mais de 10 anos de carreira, celebra os diversos espaços conquistados e medita sobre seus muitos papéis, e fala sobre o poder transformador da arte e a dádiva da paternidade – o que diz ser sua mais grata permanência. Confira trechos da entrevista a seguir:

 

Na última vez que conversamos, em 2020, vivíamos a primeira onda pandêmica. Naquela época, você nos falou um pouco sobre quem era Emicida. De lá para cá, algo nessa definição mudou? Quem é o Emicida hoje, depois disso tudo?
Eu acho que nem conheço mais aquele Emicida (risos). Mudar é inevitável. Havendo ou não pandemia, o tempo da vida pede metamorfose. Eu me conectei muito com a natureza nos últimos anos e ela tem me ensinado a ouvir e respeitar o tempo das coisas. Depois de meses de incerteza, a gente também aprende a se olhar no espelho e refletir sobre o que realmente tem feito de bom no mundo. Questionei muito a minha arte e o que ela tem movido. Tudo isso me fez uma pessoa mais sensível, saca? Só não consigo afirmar ao certo quem eu sou, porque amanhã é capaz de eu já ter mudado de novo. No dia seguinte, eu me sinto outra pessoa, ‘tô’ sempre em manutenção.

É perceptível a sua relação com metamorfoses, afinal, tem se lançado em carreiras múltiplas. O que o motivou a assumir o posto de produtor do novo álbum de Alaíde Costa?
Aos 86 anos de idade, Alaíde é um fenômeno. Um poço de doçura, solidez e sensibilidade. Artista de uma época em que nem um estúdio chique salvava a pele de quem não sabia o que estava fazendo. Cantora íntegra que, apesar de ter cantado ao lado de nomes imensos, como Vinícius de Moraes e Tom Jobim, não alcançou o protagonismo que merecia e teve de se manter e divulgar sozinha, sem ajuda de gravadoras e agentes. Produzir o álbum de Alaíde, hoje, é dar vazão a uma força tremenda que por tempos foi escondida. Saio do estúdio com os olhos cheios de brilho e lágrimas, e com gana para continuar.

 

Emicida e Alaíde Costa - Foto Ênio Cesar

Emicida e Alaíde Costa – Foto Ênio Cesar

 

Você também acaba de fechar uma parceria com o Nubank, para produção de conteúdo sobre educação financeira. Conte um pouco sobre esse projeto e o que ele representa para você.
Sou descendente de camelô, então minha primeira noção de administração financeira veio das ruas. Aprendi que, se eu comprasse algo por um real, eu teria que vender por dois, senão no fim do dia minha família não ia ter o que jantar. Essa parceria foi a oportunidade que a gente encontrou de falar sobre grana com uma galera que, como eu, aprendeu tudo o que sabe na marra de sobreviver. Vamos criar conteúdo, transmitir informação sem tabus, “romper essa bolha” e dar subsídios para que essas pessoas possam transformar suas realidades com mais consciência e autonomia.

Bom, seja como parceiro do Nubank ou como professor na Universidade de Coimbra, você realmente tem rompido bolhas, fluindo pelos espaços sociais e conversando com públicos muito diversos, da galera da quebrada aos engravatados “faria limers”. Como você equilibra suas raízes com esses novos espaços ocupados?
Eu volto para a casa e lembro que sou só uma pessoa. O que bagunça a gente é quando a parada do ego começa a tomar conta, e eu não tenho isso. O ego me cabe muito bem quando eu estou no estúdio ou no palco, mas é como se, quando eu saísse de lá, eu pendurasse essa fantasia do lado de fora da porta de casa, calçasse meus chinelos e lembrasse que sou só um operário da música, oferecendo meus serviços. Acho que o que me permite trocar ideia com essa galera tão diversa é o respeito. As pessoas se sentem lisonjeadas quando são respeitadas, e aí elas param para te escutar. Abaixam a armadura, esquecem que a gente foi programado para discordar e ficam disponíveis. A arte tem uma capacidade muito bonita de criar pontes, e sinto que ela me ofereceu um pouco desse poder quando me fez artista.

 

Emicida ao lado dos colegas do programa "Papo de Segunda", do canal GNT - foto Camila Maia | GNT

Emicida ao lado dos colegas do programa “Papo de Segunda”, do canal GNT

 

São diversos, também, os palcos onde você tem cantado suas rimas. Do Theatro Municipal ao Lollapalooza e, agora, no João Rock, em Ribeirão Preto. Qual é o significado de levar o rap para esses ambientes que, originalmente, não eram “casas de rap”?
É engraçado porque, ao longo da minha trajetória, eu me apresentei em pouquíssimos palcos de rap. A expectativa que o Brasil tinha a respeito do gênero era muito diferente da música que eu apresentava. Sempre trouxe influências do jazz, do samba, do reggae, então minhas rimas eram tidas como filhas ilegítimas. Mas a verdade é que eu nunca fui apegado a rótulos, não tenho esse purismo. Se um dia a arte que eu fizer não for mais chamada de rap, está tudo certo. Só preciso que ela continue refletindo quem eu sou e o que quero dizer. Mas é impossível falar que não estou emocionado por ter alcançado esses espaços, sobretudo ao lado de irmãos do rap, como Djonga, Matuê, Filipe Ret, Cynthia Luz e tantos outros que batalharam demais pelo gênero. Palcos assim amplificam discursos, e isso é uma conquista para a música como um todo.

Recentemente, outro palco peculiar em que você pisou foi, aliás, em outra dimensão! Como foi a experiência de fazer um show virtual dentro do jogo Fortnite? Sabemos que você é vidrado em games…
Foi um momento histórico! Fui o primeiro artista brasileiro a fazer isso – na gringa, Travis Scott, Ariana Grande e Drake chegaram antes de mim (risos). Em parceria com a Epic Games e com a ajuda da equipe incrível do Lab Fantasma – hub de entretenimento que, desde 2009, mantenho ao lado do meu irmão, Evandro Fióti –, eu fui transformado em bonequinho de animação e pude cantar obras que marcaram minha carreira para pessoas do mundo inteiro, em tempo real, por meio de uma plataforma pela qual sempre fui fissurado. Além de ter sido um passo muito importante para a arte – que tem se adaptado de formas inimagináveis à dominação digital –, foi uma conquista pessoal e tanto. Tenho certeza de que o Emicida criança, que não tinha videogame, mas filava espaço no fliperama para jogar, deve ter ficado orgulhosão.

 

Emicida em show no Fortnite - Foto divulgação

Emicida em show no Fortnite – Foto divulgação

 

Por falar em games, tem sobrado tempo para jogar ou a agenda de shows está apertada demais para isso?
Têm sido meses realmente muito cheios, e ainda bem. Hoje, se eu jogo, é para passar mais tempo com as minhas filhas. Elas também amam, e eu uso esse momento para criar memórias com elas. Nossos preferidos são Fortnite, Cuphead e It Takes Two.

E qual conselho você mais gosta de dar para Estela e Teresa, suas filhas?
Conselho? Eu não me coloco nessa posição, não. Sou, no máximo, um curador. Ofereço a elas o que, dentro das minhas muitas limitações, são o melhor de mim. Quando uma criança chega ao mundo, nasce uma oportunidade de melhorar tudo por aqui. Na figura delas, eu ganhei duas chances de salvar o mundo, e me sinto super poderoso e frágil ao mesmo tempo por isso. Mas se eu tivesse que dizer alguma coisa, seria simplesmente: “Obrigado. Vocês salvaram a minha vida, e isso é o mundo para mim.”

 

Emicida no palco do Lollapalooza 2022, em março - Foto Camila Cara

Emicida no palco do Lollapalooza 2022, em março – Foto Camila Cara

 

Save the date!
Confira a agenda de shows de Emicida para este mês e para o segundo semestre.

  • 11/06 Emicida + Criolo + Céu no Festival João Rock (show inédito), Ribeirão Preto/SP
  • 18/06 Sesc Rap Festival, Brasília/DF
  • 02/07 Festival Turá, São Paulo/SP
  • 20/08 Festival Mov. Cidade, Vitória/ES
  • 27/08 Festival Sarará, Belo Horizonte/MG
  • 04/09 Rock In Rio
  • 23/09 Festival MADA, Natal/RN

 

Foto Ênio Cesar; assistente de fotografia: Rafael Mattar; beleza: Regiane Alexandre (Juba Trançadeira); barba: Mara Afro Soull; produção: Raissa Fumagalli; assistente de produção: Laura Freitas; Emicida veste Haye Clothing