Happy Hour em cenário com história no Eleninha, novidade no Horto, no Rio

Happy Hour em cenário com história no Eleninha, novidade no Horto, no Rio

Como a personagem homônima da novela “Vale Tudo”, Eleninha valoriza os bons drinques e ocupa um bonito casarão em um dos bairros mais charmosos do Rio

Estrategicamente posicionado em frente ao hypado Elena, o Eleninha é a novidade no Horto. Ocupando um casarão tombado pelo Iphan que faz parte do conjunto arquitetônico e histórico da Chácara do Algodão, o bar tem um bonito salão com pé-direito alto, paredes de pedra e janelões de vidro. As mesas na varanda são perfeitas para quem quiser uma vista do Cristo Redentor emoldurada pela exuberante vegetação do Jardim Botânico.

A casa, mais casual e descontraída que sua irmã mais velha, serve almoços, belisquetes, chopes geladinhos e drinques criados pelo fera Alex Mesquita. No cardápio assinado pelo chef Itamar Araújo, destaque para o crudo de peixe do dia com molho cítrico e crocante de arroz, para o clássico fish & chips, para os espetinhos de frango, filé mignon, copa-lombo suína ou cogumelos, para os buns de camarão com alface e para os sandos de frango frito e coleslaw. Para deixar o ambiente ainda mais leve e agradável, o Eleninha tem também uma programação de pocket shows ao vivo.

 

foto divulgação

 

Eleninha
Rua Pacheco Leão, 780, Horto.

Restaurante português Tasca Miúda, no Leblon, oferece uma promoção diferente a cada dia

Restaurante português Tasca Miúda, no Leblon, oferece uma promoção diferente a cada dia

De segunda a quinta, a Tasca Miúda oferece uma atração diferente a cada dia, incluindo pratos de bacalhau, arrozes, coquetéis e taças de vinhos

No descontraído restaurante português Tasca Miúda, de segunda a quinta, a agenda semanal tem uma promoção diferente a cada dia. Ela começa com as Segundas Bacalhudas, com opções a R$ 59, incluindo arroz gratinado de bacalhau com farofa de pão e natas, o Bacalhau à Brás (em lascas, com cebolas, batata palha, ovo cremoso e azeitonas pretas) e o spaghetti Carbonara de bacalhau, com molho de ovos, parmesão e bacon. Nas Terças dos Arrozes, tem arroz caldoso de pato, arroz malandrinho com camarões e arroz de polvinhos. Às Quartas Alegrinhas tem drinques especiais a R$ 19, incluindo caipirinhas, Porto Tonics, Fitzgeralds, Negronis ou Aperol Spritz. Por fim, nas Quintas Dobradas, quem pede uma taça de vinho leva duas – promoção que vale tanto para os brancos quanto para os tintos.

 

Bacalhau à Brás – foto divulgação

 

Tasca Miúda
Rua Humberto de Campos, 827, loja B, Leblon.
Tel. 21 3518-0810.

Absurda Confeitaria é o novo point de sobremesas e docinhos irresistíveis no Jardim Botânico

Absurda Confeitaria é o novo point de sobremesas e docinhos irresistíveis no Jardim Botânico

É nas vitrines da Absurda Confeitaria que os cariocas encontram as sobremesas e os docinhos e mais tentadores e deliciosos do momento

O endereço mais disputado atualmente pelas formigonas e formigões cariocas é o da Absurda Confeitaria, inaugurada em meados de 2020 por Carlos Henrique Schroeder, ex-todo poderoso da TV Globo, que trabalhou na emissora por 38 anos e, durante os anos de 2013 e 2019, exerceu o cargo de diretor-geral da coisa toda. Instalada em um antigo casarão tombado a poucos metros da sede da Globo, a confeitaria faz sucesso com suas tartelettes de massa de cacau, ganache de chocolate e mousse de laranja, seus choux de chocolate amargo e pistache, suas tortinhas de pera e cumaru, seus quindins de gema caipira e maracujá e seu pudim de pote. Quem produz essas maravilhosidades não é executivo da Globo, mas sim o talentoso confeiteiro paulista Quique (Henrique) Rossanelli, que já trabalhou em São Paulo com o mestre Lucas Corazza e até participou do reality “The Taste Brasil”, do canal GNT, onde conheceu o chef Felipe Bronze, que o levou para o Rio.

 

Tortinhas de pera e cumaru – foto divulgação

 

Outros best-sellers da casa são o pavê feito de cookies caseiros com mousse de chocolate branco e ganache de chocolate amargo e o carrot cake de massa fofa com cenoura ralada, nozes, canela, raspas de climão e chantilly de cream cheese. Impossível resistir!

Absurda Confeitaria
Rua Pacheco Leão, 792, Jardim Botânico.

Erick Jacquin comemora os 60 anos de uma vida com muito ‘tompêro’ e celebra também seus 30 de Brasil e 10 como jurado do ‘MasterChef’

Erick Jacquin comemora os 60 anos de uma vida com muito ‘tompêro’ e celebra também seus 30 de Brasil e 10 como jurado do ‘MasterChef’

Em 2024, o chef Erick Jacquin comemora marcos importantes de sua trajetória pessoal e de sua carreira profissional. Ele completa seis décadas de vida, 30 anos de Brasil, 10 de TV e 20 de união com sua amada Rosangela

Desde criança, Erick Jacquin sabia que ia trabalhar como cozinheiro quando fosse adulto. Mas agora, prestes a completar 60 anos, ele confessa que nunca imaginou que chegaria a ser chef conceituado e, mais do que isso, uma celebridade planetária, reconhecido nas ruas de Salvador, de Lisboa e de Tóquio.

É que, de sua infância em Dun-sur-Auron, cidadezinha no interior da França, até os dias de hoje, aconteceu muita coisa. Foram hectolitros de vinho, toneladas de foie gras, centenas de amigos, milhares de charutos, milhões de reais investidos em empreendimentos de sucesso (outros tantos em fiascos) e bilhões de visualizações na TV e nas redes sociais.

Chegou a hora do sessentão colher os louros dessa glória toda. Em 2024, ele apresenta mais duas edições do “MasterChef Brasil” na Band, inaugura mais sete restaurantes com as bandeiras Ça-Va e Steak Bife, lança novos produtos com a sua marca e também festeja. Muito.

 

foto Renato Pizzutto | Comunicacao Band

 

Afinal, não são somente seis décadas de vida. Jacquin está completando 45 anos de trabalho com gastronomia, 30 anos de sua chegada ao Brasil, 10 de televisão e 20 de sua relação com Rosangela, com quem tem dois filhos – o casal de gêmeos Elise e Antoine, de 4 anos.

Na entrevista que ele concedeu à 29HORAS, o chef rememora sua chegada a São Paulo, relembra a surpresa dos paulistanos ao conhecerem o petit gateau, fala da alegria que sentiu ao ser convidado para fazer TV e rebate quem o acusa de ter se tornado um personagem patético do universo das celebridades. Confira nas páginas a seguir os melhores trechos dessa reveladora conversa.

Em 1994, quando você trabalhava no estrelado Au Comte de Gascogne, em Paris, recebeu um convite para vir trabalhar no Brasil. Qual foi o argumento que te convenceu a aceitar a proposta?
Eu já estava naquela mesma cozinha havia uns 5-6 anos, queria algo diferente. Aí um fornecedor nosso, que vendia trufas e outros itens, me indicou para um restaurateur que estava à procura de alguém para levar para o Brasil. Essa pessoa era o Vicenzo Ondei, dono do Le Coq Hardy. Ele provou minha comida e disse que eu ia adorar o Brasil, que ficaria rico se viesse para cá. Me ofereceu um salário que era mais ou menos cinco vezes o que eu ganhava à época na França. Falou para eu vir conhecer São Paulo, e que poderia voltar se não gostasse da cidade. Na véspera de embarcar, perguntou se me incomodaria de trazer um pouco de foie gras para ele. Eu disse que tudo bem, e horas depois chegaram três grandes caixas de isopor na minha casa, recheadas com quilos de fígado de ganso e pato.

 

Erick Jacquin quando ainda era um aprendiz de cozinheiro, na França – foto Arquivo Pessoal

 

Quais foram as suas primeiras impressões da cidade de São Paulo?
Logo na chegada já vi que aqui as coisas eram bem diferentes. Estava morrendo de medo de passar pela alfândega com aquele carregamento de foie gras, mas enquanto ainda estava na esteira, esperando minha mala e as caixas, fui recebido pelo sr. Ondei e um amigo dele da Receita Federal. Tudo foi liberado na hora. Depois ele me levou para conhecer vários restaurantes e eu fiquei impressionado com a agitação da noite paulistana. Quando o sr. Ondei me levou de volta ao aeroporto, dias depois, colocou no meu bolso um chumaço de dólares e disse que era para comprar uma joia bem bonita para a minha mulher com aquele dinheiro. Ele sabia como convencer as pessoas… poucas semanas depois desembarquei aqui de novo, dessa vez para ficar e acompanhado de Katia, minha esposa à época.

Você se lembra do que os clientes falaram quando você lançou o petit gateau no Brasil? O que a sua receita tem de diferente da original, do coulant au chocolate, criado pelo lendário Michel Bras?
Quando propus ao sr. Ondei fazermos o coulant no Le Coq Hardy, ele me disse que brasileiro gosta de sobremesa farta, que aquilo era um negocinho muito pequeno. Então desenvolvi algo maior e mudamos o nome para petit gateau au chocolat chaud, que significa “pequeno bolo de chocolate quente”. As pessoas ficaram maravilhadas, me perguntando como podia aquilo de ter uma parte mole dentro do bolo! Outro dia, uma amiga minha foi ao L’Avenue (restaurante na sofisticada Avenue Montaigne, em Paris) e o maître perguntou a ela o que é petit gateau. Disse que toda semana algum brasileiro aparece, pede isso e eles não entendem nada. Aí ela explicou que no Brasil esse nome é usado para designar o coulant au chocolat.

 

Seu famoso petit gateau – foto reprodução Instagram

 

Hoje, depois de 30 anos em São Paulo, você é mais brasileiro ou o seu DNA francês ainda fala mais alto?
Me sinto dividido, afinal estou completando 60 anos de vida, sendo que os primeiros 30 foram na França e os 30 mais recentes no Brasil. Quando estou na França, fico louco para voltar ao Brasil, e quando estou no Brasil, sempre sinto vontade de ir à França. Não deixo o Brasil por nada, mas jamais esquecerei o que vivi na França. O fato é que a minha vida é toda aqui: minha mulher, meus filhos, meus negócios e meus melhores amigos estão todos em São Paulo. Quase tudo que tenho devo ao Brasil e aos brasileiros.

E o que mudou na sua vida com o casamento com a Rosangela e com a chegada dos seus dois filhos mais novos? Ser pai amoleceu o seu lado “general”?
Quando conheci a Rô, foi amor à primeira vista. Já em um dos primeiros encontros, eu a convidei para ir a Paris comigo. Ela me disse “Eu nem te conheço”, e respondi “Existe algum lugar melhor do que Paris para a gente se conhecer?”. Depois que ela entrou na minha vida, tudo ficou muito melhor. Quanto às crianças, sou um paizão bem amoroso. Não sou um general – é que na cozinha esse negócio de democracia e igualdade não funciona, é um ambiente onde a hierarquia e a disciplina são fundamentais.

 

O chef com sua mulher, Rosangela, e os filhos Antoine e Elise em Tignes, nos Alpes franceses – foto reprodução Instagram

 

Como foi o convite para você integrar o time do “MasterChef Brasil”?
Depois que saí do Le Coq Hardy, montei o Cafe Antique com a Nancy e o Francisco Barroso. Foi um sucesso! Depois abrimos também o Le Vin, que virou uma rede de restaurantes. Aí parti para um caminho mais pessoal e, em 2004, abri a La Brasserie Erick Jacquin, na Rua Bahia. No começo foi tudo muito bem, mas lá sofri com duas coisas: os moradores de Higienópolis adoram pegar o carro e ir comer nos Jardins, é por isso que a região não tem muitos restaurantes, apesar de o bairro ter muita gente com alto poder aquisitivo. E a casa era muito mal administrada, uma tragédia. Mudei para o Itaim, e a coisa ficou pior ainda. Estive à beira da falência, muito decepcionado com tudo e cheio de dívidas. Foi quando, em 2014, apareceu esse convite de uns produtores argentinos lá da Band. Tinha medo de que eles fossem me rejeitar por causa do meu sotaque forte, mas eles também tinham sotaque! Dei umas caipirinhas para eles e logo fechamos o contrato. Foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida!

A propósito, como será a edição do “MasterChef” que estreia este mês?
A edição que entra no ar este mês será no formato tradicional, com cozinheiros amadores. No segundo semestre teremos uma edição apenas com confeiteiros, será a nossa primeira vez nesse modelo.

Hoje a audiência e a repercussão do programa são bem menores do que as das primeiras edições. Está sendo feito algo para conter essa queda?
De fato o Ibope na TV aberta caiu bastante, mas hoje esse dado já não é o mais importante. O programa continua gigante no YouTube, é muito visto no mundo todo pelos canais Discovery e ainda gera milhões de postagens, comentários e visualizações no Twitter, Instagram e TikTok. Sou reconhecido na rua quando saio em Portugal e até no Japão! Ano passado fizemos três edições (amadores, profissionais e cozinheiros sênior), e realmente acho que foi demais. Este ano serão somente duas. Não sou eu quem decide isso, mas acredito que essa é a opção mais acertada. Hoje eu nem sei dizer ao certo se sou um cozinheiro que faz TV ou se sou uma celebridade que toca uma rede de restaurantes.

 

Jacquin com Henrique Fogaça e Helena Rizzo, o trio de jurados do “MasterChef Brasil” – foto Melissa Haidar | Comunicacao Band

 

Ser um celebrity chef é colocar a sua cara em uma vidraça, sujeita a muitas pedradas e ofensas nas redes antissociais. O que você gostaria de dizer para aqueles que te “acusam” de não ser mais um cozinheiro, de só vir aos restaurantes para posar fazendo biquinho em selfies com os clientes? E para quem critica o fato de você emprestar seu nome para molhos de tomate industrializados, temperos prontos, panelas e até comida canina?
Muitas pessoas que vêm aos meus restaurantes querem fazer selfies comigo. Seria muito deselegante eu me recusar a realizar esse desejo delas. Eu cozinho cada vez menos, OK, mas sou adepto daquela frase do grande mestre Paul Bocuse, quando perguntado sobre quem cozinha quando ele não está no restaurante. A resposta dele é genial: “São as mesmas pessoas que cozinham quando eu estou e quando eu não estou”. Não interessa quem cozinha, o importante é que a equipe seja bem treinada e a comida seja bem-feita. É assim que trabalhamos em todos os oito estabelecimentos que eu comando [o mais novo deles é o Ça-Va Café no Brascan Mall, no Itaim, inaugurado no final de abril]. Quanto aos produtos, não empresto meu nome, eu vendo! Quem não tem como pagar uma refeição no meu restaurante ao menos pode sentir por meio desses produtos um pouquinho do meu “tompêro”, seja num molho Pomarola ou numa pimenta Latinex. E vem mais por aí: vamos lançar em breve o espumante do Jacquin, os charutos do Jacquin e até o miojo do Jacquin!

A propósito, porque você mudou o nome do restaurante Président para Les Présidents? Foi alguma treta com a marca de manteiga?
Bem lembrado! Quando abrimos o restaurante, a Lactalis [empresa de laticínios] reclamou que estávamos usando indevidamente a marca dela. Aí entramos em uma longa batalha judicial e, em dezembro, finalmente saiu uma decisão e fomos comunicados que deveríamos mudar o nome do restaurante. Agora, só para me vingar, estou lançando a Manteiga do Jacquin em parceria com outro laticínio, a Manteigaria Nacional. 

 

O chef Erick Jacquin no Les Présidents – foto reprodução Instagram

 

Ainda este mês, sai a nova lista dos restaurantes estrelados pelo Guia Michelin. Qual é a sua expectativa? E o que você acha dessa “corrida de cavalinhos” da gastronomia atual, dos restaurantes investirem pesado para conseguir posições mais elevadas nos rankings regionais e mundiais?
Espero que o Les Présidents receba uma estrela na próxima edição do guia. Ficaria muito contente se conquistássemos esse reconhecimento. Acho que merecemos, e seria um grande incentivo para a equipe. Agora, aquela outra premiação, o 50Best, não me interessa. É uma grande mentira! Para participar, o restaurante precisa trabalhar com as águas Panna e San Pellegrino. Que critério é esse? Deve ser por isso que há tantos restaurantes fantásticos fora dessa lista. Eu não gosto, não bebo, não compro e não vendo essas águas. Meus restaurantes são todos carbono neutro, é ambientalmente muito errado trazer água mineral italiana para vender no Brasil. Para mim, essa premiação é puramente baseada em lobby e marketing. É só moda, espuma…

Com 45 anos de carreira e muitos prêmios no currículo, qual você diria que é a receita do seu sucesso? Qual o ‘tompêro’ especial que cativa a sua legião de fãs e explica as filas nas portas dos seus restaurantes?
A receita do meu sucesso tem três ingredientes principais: exigência, perseverança e muito trabalho. Talvez tenha também um 4° componente: a sorte. Tem uma estrela lá em cima que me ilumina e me protege. Deve ser a minha mãe, que faleceu no ano passado. Mas não quero falar de morte, eu gosto muito de viver e não quero que isso aqui acabe nunca! Sempre que penso na minha mãe, me vêm à cabeça memórias, aromas e sabores deliciosos. A verdadeira comida é a comida de família! Tenho pensado muito sobre isso. A nossa formação, desde a infância até o que vivenciamos nos dias atuais, é o que cria e aprimora o nosso ‘tompêro’ pessoal.   

Foto de capa: Lucas Lima

Restaurante Teva, em Ipanema, apresenta delícias veganas que encantam até os carnívoros radicais

Restaurante Teva, em Ipanema, apresenta delícias veganas que encantam até os carnívoros radicais

Para este escaldante verão carioca, restaurante 100% plant based Teva incrementa seu cardápio com receitas que seduzem, alimentam e refrescam

O Teva é um restaurante 100% plant based comandado pelo chef Daniel Biron. Para este verão, o cardápio ganhou várias novidades que são a cara da estação. Entre elas, a salada thai com abacaxi grelhado, bifum, repolho roxo, pepino, coentro, hortelã, vinagrete de capim-limão, cebolinha e amendoim e os coloridos e apetitosos rolinhos de massa de arroz recheados de bifum, alface, vegetais, cogumelos shiitake, tofu, manga, castanha de caju, hortelã, coentro, manjericão e molho ponzu. Outras boas pedidas são a casquinha de palmito, os tostones de banana da terra com carne louca de jaca, cebola roxa, coentro e molho de manga ou ainda o raviolone recheado com ricota de tofu, mozzarella e cogumelos, envolto num cremoso molho de leite de castanha.

 

Rolinho de verão – foto divulgação

 

De sobremesa, se jogue na torta de nozes pecan (com massa sablée, tâmaras, sorvete de baunilha e calda de caramelo) ou na panna cotta tropical (creme de coco com castanha de caju, rum, salsa de abacaxi caramelizado com manga, coco ralado tostado, hortelã e raspas de limão).

Teva
Avenida Henrique Dumont, 110-B, Ipanema.
Tel. 21 3253-1355.