fbpx
logo
logo
A trajetória consagrada de Tony Ramos 

A trajetória consagrada de Tony Ramos 

Nas reprises de “Lanços de Família” e “Mulheres Apaixonadas”, o ator Tony Ramos segue em isolamento em sua casa de campo e começa trabalhos à distância 

FOTO GLOBO | ESTEVAM AVELLAR

 

Uma das grandes estreias de Tony Ramos se deu aos 19 anos. Na época, o jovem nascido Antonio de Carvalho Barbosa, na paranaense Arapongas, experimentou e se apaixonou pelo vinho nacional servido na casa da família italiana de sua esposa, Lidiane, no paulistano bairro da Vila Mariana. Hoje, Tony é um feliz proprietário de uma adega climatizada com 120 garrafas da melhor qualidade.

A meticulosidade do ator com sua bebida preferida – que aprecia somente depois de o vinho ter um momento de respiro – é a mesma que o acompanha por toda a carreira artística, uma extensa e consagrada trajetória. Aos 72 anos, o ator afirma, computa mais de 50 novelas, 30 peças e 30 filmes. “Sem falar de teleteatro e minissérie. Segundo a memória Globo, já interpretei 128 personagens”, completa ele, referindo-se ao Projeto Memória do Grupo Globo, que responde pela história da emissora carioca – onde ele dá expediente há 44 anos.

Tony, que começou leituras como preparação para a próxima novela de João Emanuel Carneiro com estreia prevista para o ano que vem, está no ar com dois folhetins em reprise: “Laços de Família”, no canal Viva, e “Mulheres Apaixonadas”, na Globo. Também escalado para viver, em 2023, o músico francano Correia do Lago em “O Selvagem da Ópera”, minissérie sobre o maestro Carlos Gomes, nascido em Campinas, o ator atendeu por telefone a Revista 29HORAS de sua casa de campo, na praia de Geribá, em Búzios.

 

Em tempos de pandemia, como tem sido os seus dias entre a sua residência, no Rio, e a casa de campo, em Búzios?

Ninguém sequer viu o meu rosto fora de casa durante a quarentena. Mantivemos o pessoal que trabalha com a gente – três pessoas na residência e duas, na casa de campo. Os funcionários só retornaram às suas funções, em um esquema de rodízio, no fim de julho. Fico na minha residência no Rio de Janeiro praticamente 90% do tempo. Quando vou para a casa de campo, a rotina segue a mesma. Tenho o meu computador com internet, acesso os e-mails. Como não tenho rede social, vivo da leitura de jornais que assino, dois de São Paulo e um do Rio, passeio com cachorro, caminho e faço exercícios. Agora, irão começar as reuniões em home office para discussões sobre a próxima novela do João Emanuel Carneiro que irei fazer. Ficarei, então, mais quieto ainda em casa.

 

FOTO GLOBO | ESTEVAM AVELLAR – Tony e Lidiane

 

Por outro lado, temos visto episódios que revelam um relaxamento do isolamento social mesmo sem uma vacina contra o vírus.

Quem me comanda é a ciência e não quem acha isso ou aquilo. O grande problema em pandemias é o achismo, que só causa desserviço. A vida é muito difícil sem a pandemia. Imagina com ela então. Eu sempre me protegi. Tem gente que se esqueceu de tomar vacina contra a poliomielite. Sabia disso? Outros não tomaram nem a BCG. Voltaram a tubercolose, o sarampo, por ignorância de quem pensa que a vacina é um aperitivo, uma brincadeira. Serei o primeiro a me candidatar a tomar a vacina contra o coronavírus, quando ela for aprovada.

 

Acredita em novo normal?

Não existe o novo normal. Normal é eu ser o que sempre fui. Trabalhador, preocupado com o próximo, com a minha família, pagador de impostos, atento ao que está à minha volta. Tenho lido na mesma medida os meus livros. Descobri o autor israelense Yuval Harari, que escreveu “21 Lições para o século 21” e “Homo Deus – Uma breve história do amanhã”. Comecei a ler o lindo livro “Escravidão” do Laurentino Gomes. Sigo assistindo a filmes, séries e novelas. A minha rotina não mudou. Sempre gostei de ficar dentro de casa. Novo é como eu me cuido frente ao vírus.

 

Qual dos cuidados novos é o mais valioso?

Vinte anos atrás, gravando a novela “Laços de Família”, no Japão, quantas vezes eu vi pelas ruas, no saguão do hotel onde ficávamos, japoneses usando máscara. E sabe o porquê? Porque estavam com gripe ou resfriado e não queriam contaminar outra pessoa. Achava aquela prática curiosa. Comentei com a minha esposa, que também me relatou ver muita gente de máscara nas estações do metrô. Eles se protegem. Mesmo quando a vacina se instalar, o uso da máscara será muito bem vinda. Eu estarei sempre com o meu kit de máscaras no carro, dentro de casa e na emissora para gravar. É simples, como andar para frente e para trás.

 

“Laços de Família”, novela iconográfica do Manoel Carlos, na qual você atuou, está de volta ao ar em Vale a Pena Ver de Novo. Qual foi o grande personagem que você viveu na carreira?

Certa vez, vi uma entrevista do Al Pacino na qual ele responde “me recuso a escolher com a idade que estou, com a carreira que tenho” a uma pergunta idêntica. É impossível eu escolher um personagem da minha vida. “Laços de Família” é uma novela iconográfica. Teve reexibições em todos os locais onde foi exibida: Itália, América Latina toda, em Portugal houve três reexibições. Com quatro anos de carreira, em 1968, desfrutei de um primeiro protagonismo na novela “Os Amores de Bob”, na TV Tupi. Aí, quando cheguei na Globo, onde estou há 44 anos, a minha história ganhou outra velocidade.

FOTO GLOBO | lado dos atores Flávio Silvino e Júlia Feldens, em “Laços de Família”.

 

Esses dias, encontrei no Instagram um perfil seu que se dizia oficial.

Não sou eu. Nunca criei um perfil. É muito pouco provável que eu tenha algo em rede social. O Ary Fontoura e o Antônio Fagundes entraram recentemente no Instagram. Mas não combina com o meu perfil. Não procuro saber nem da vida dos outros. Imagina eu ficar fotografando o meu dia a dia, isso e aquilo. Não é a minha praia.

 

Qual seria a sua praia, uma grande mania, por exemplo?

Fazer o café da manhã. As pessoas que chegavam para trabalhar na minha casa sempre se surpreendiam. Porque, às 6h30, a mesa estava posta. Sempre gostei dessa rotina. O café tem de ser mediano, ter uma certa harmonia e equilíbrio. E a água não pode estar fervendo, borbulhando.

 

Seus pais se separaram quando você era muito pequeno. E acabou sendo criado, principalmente, pela sua mãe e pela sua avó. O que mais lhe marcou nessa fase?

Sim, a vida se descortinou para mim graças às ações da minha querida avó materna, dona Maria as Dores, Dodô, e da dona Maria Antônia, a minha mãe, que está lúcida, discutindo política. Eu era muito criancinha, tinha 3 anos, quando ela se separou de meu pai. Era um tempo, isso foi em 1951, em que desquite era visto como um palavrão. Quando chegou na hora certa, lá pelos meus 13 anos, a vovó Dodô quem me disse que sexo não é pecado, argumentando que era algo normal. Ela quem veio falar comigo sobre o assunto. Pecado seria matar, roubar e não perdoar. E dizia que eu deveria saber me proteger, como fazê-lo e pedia para um tio vir conversar comigo sobre o assunto. Essa era a minha avó e Deus, com certeza, deu a ela um lugar tranquilo.

 

Como era a batalha da sua mãe para sustentar todos em casa?

Lá atrás, a minha mãe, que hoje está com 91 anos, era uma professora primária que lecionava em três turnos. E, em um deles, de forma voluntária para adultos analfabetos, à noite. Narrando aqui a história de força dela e da vovó Dodô, por si só eu exemplifico e explico o meu respeito pelas mulheres e o tanto que elas foram importantes na minha vida. E a partir do meu casamento… Bom, eu sou casado há 51 anos. Não são 51 meses! Nesses 51 anos, essa companheira chamada Lidiane é definitiva na minha vida do ponto de vista do que é uma estrutura familiar, de força em momentos alegres e tristes.

FOTO GLOBO | RENATO ROCHA MIRANDA | O ator com Christiane Torloni, em “Mulheres Apaixonadas”

 

E o que mais o emocionou ultimamente?

Me emocionei com as homenagens feitas pelo Jornal Nacional aos cidadãos mortos pela Covid-19. Para o Fantástico, eu li três cartas de familiares que escreveram ao programa relatando a perda de seus entes queridos. Eu gravava os depoimentos da minha casa, mas tive de refazê-los várias vezes porque eu ficava muito emocionado. O meu filho (Rodrigo) é cirurgião cardiovascular. Sei bem, então, como é a vida desses profissionais. Me toca profundamente também lembrar que, até o primeiro domingo de setembro, 244 médicos morreram da Covid-19.

 

Como podemos ficar melhores com o passar dos anos, como o vinho que você tanto ama?

Olha, eu sei a idade que tenho e é o que importa. Amigos dizem: “Você tem cabelo branco, mas não tanto pela sua idade”. Estou bem e me cuido para estar assim sem seguir receitas. Como carne, massa, arroz, feijão, engordo, emagreço e tomo cuidado para não ficar barrigudo demais. Agora, filosoficamente falando, é possível não transparecer no rosto uma pessoa amargurada, quando se respeita a própria vida e a do próximo, a natureza e saber que acordar é uma dádiva. Muitos poderão achar que sou ateu. Como não sou, digo com sinceridade que a iluminação que eu tenho pela vida está frente à natureza, ao acordar. A vida não é fácil. Cada um tem de descobrir dentro de si onde mora o campo de agradecimento por estar vivo. E, a partir daí, trabalhar suas dores e alegrias.

E a sua adega de vinhos, vai bem?

Agora, muito comportada. Desde fevereiro, não recebo mais ninguém em casa, para jantares ou qualquer outro encontro. Eu e Lidiane tomamos um tinto de vez em quando. Não estamos bebendo cotidianamente, mas nos finais de semana. Eu sigo preferindo os tintos. Gosto muito dos toscanos, como um Brunello, para comidas mais fortes. Também recorro a um Bordot para acompanhar uma carne muito específica. Prefiro os Bourgogne mais ligeiros (para pratos mais ligeiros) e os alentejanos também têm o seu lugar cativo. Aos domingos, em casa, se vou almoçar às 14h, abro a garrafa às 13h20, deixo ela respirando enquanto faço outra coisa ou antes do banho. E só depois aprecio o vinho.

 

FOTO GLOBO | JOÃO MIGUEL JUNIOR | Tony Ramos como Téo, também em “Mulheres Apaixonadas”

Imersão provocadora dos Irmãos Campana

Imersão provocadora dos Irmãos Campana

A intrigante beleza dos móveis dos Irmãos Campana pode ser contemplada na exposição 35 Revoluções na reabertura do MAM

 

 

A estreia de “Irmãos Campana – 35 Revoluções” aconteceu em 14 de março, mas não foi possível prosseguir. A pandemia deixou o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM) de portas fechadas por cinco meses. O confinamento não deixou os irmãos do design, Fernando e Humberto, parados. Participaram de exposições virtuais: a “Viewing Room “Nightscapes”, da Galeria Luisa Strina, e da primeira exposição digital do Museu Maxxi de Roma, “Casa Mondo”, exibida no Instagram (@maxxicasamondo), com colagens feitas por artistas durante a quarentena.

 

 

Agora eles estão de volta com a megaexposição que sintetiza os 35 anos de carreira. Reaberto desde 12 de setembro, de quinta a domingo, o MAM traz uma série de novidades: um cuidadoso protocolo de segurança sanitária para os visitantes, com diretrizes do Conselho Internacional de Museus (ICOM); novos horários e não há cobrança obrigatória de ingresso, que é garantido apenas online.

Em março, os irmãos Campana conversaram com a 29HORAS, falaram sobre suas diferenças e o trabalho conjunto, as inspirações na cultura e na biodiversidade brasileiras, as atividades sociais do instituto que dirigem, as criações no estúdio em São Paulo, além dos destaques da exposição.

 

O DNA da arte

 

Quando todos vão se acomodar para começar a entrevista, alguém percebe que não há cadeiras suficientes no escritório. É necessário ir a outra sala do prédio buscar mais uma. É muito engraçado pensar que, por um breve instante que seja, possa faltar cadeira ali, o lugar em que surgiram algumas das cadeiras mais famosas do mundo.

 

“É que está meio vazio por aqui, muita coisa já foi para o Rio”, desculpa-se Humberto. Parece até ironia, porque o imenso estúdio situado no bairro paulistano de Santa Cecília, a poucos metros do mastodôntico Minhocão, está abarrotado de materiais diversos. Em vários ambientes do grande espaço, muitos funcionários. Alguns deles trabalham ali há mais de dez ou vinte anos. Dependendo do estágio das montagens aos cuidados de cada um, pode ser até difícil entender que estão construindo móveis. Até mesmo depois de prontas, algumas peças vão desafiar os limites do que se convencionou chamar de móveis.

 

O Estúdio Campana é o quartel-general dos irmãos Humberto e Fernando Campana, dupla que revolucionou o design no país. E continua revolucionando. Quando explica que “muita coisa foi para o Rio”, Humberto se refere à imensa exposição aberta no Museu de Arte Moderna, que exibe a forte inovação e a intrigante beleza produzidas em 35 anos de atividade da dupla.

 

O maior evento dedicado a eles traz o olhar de uma curadora italiana, a ensaísta Francesca Alfano Miglietti. “É uma exposição jubileu, uma coisa de afeto. Nós somos netos de italianos. Queríamos uma curadora de arte. Todas as exposições que fizemos antes foram com curadores de design. Eu faço pontes entre design e arte, acho que a criação nesse século é plural”, explica Humberto.

 

A proposta é uma instalação. O visitante adentra uma floresta com colunas de palha de piaçava (fibras usadas na fabricação de vassouras e cabanas) e percorre seis salas temáticas: Pensamento, Amor, Sonho, Metamorfose, Segredos e Tempo. Ali estão peças icônicas e algumas inéditas. Contemplam muitos materiais e técnicas diferentes. Para Humberto, é uma imensa metáfora. “Vejo como um convite a olhar o meio ambiente com mais respeito.”

 

A dupla começou em uma época em que ninguém falava de sustentabilidade. “Eu nasci no interior, sou neto de fazendeiro, vivia na natureza. Meu pai era agrônomo, ele nos ensinou o amor à terra”, conta Humberto, o irmão mais velho, de 67 anos. Fernando completou 59 anos em maio.

 

“Há 15 anos nós plantamos 15 mil mudas de árvores nativas no nosso sítio”, prossegue. “Nesse verão eu plantei 800 para reposição. Sempre pensamos nisso. Começamos a fazer móveis para encontrar outras possibilidades. Na época se falava muito em madeira de mogno. Queria alternativas, montar cadeiras usando plástico bolha, bichinhos de pelúcia ou mangueiras de jardim.” Basta percorrer os galpões do estúdio para perceber como a variedade de materiais é vital. “O material, lembrando Pirandello, é como um personagem esperando um ator. Veja como tem coisas espalhadas aqui. Trago o que me interessa e vou convivendo com isso, esperando a ideia. Demora um pouco até a ficha cair. Às vezes demora um ano, às vezes dez anos.”

O início dessa viagem criativa veio do desejo de Humberto de largar a carreira no direito, em 1984. “Eu via as exposições que a Lina Bo Bardi fazia quando eu era advogado e aquilo me contaminava. Via os projetos do Burle Marx, aquele uso da flora do Brasil, e queria fazer algo assim.” Seu irmão, arquiteto, decidiu ajudá-lo. “O Fernando veio para ficar um tempo e está ficando até hoje”, brinca Humberto.

“Somos muito diferentes um do outro, mas essa diferença nos complementa. O Fernando fica na casa dele, é mais conceitual. Eu adoro o processo, fico com o artesão fazendo junto. E, com essa distância, às vezes o Fernando enxerga o novo onde eu não consigo”, diz Humberto, que vai ao estúdio todos os dias. Segundo ele, algo necessário para sua saúde mental.

 

Fernando não gosta de rotina. “Isso acaba comigo. Meu processo criativo é caótico e uma necessidade de estar em algum lugar diariamente destrói esse processo. Eu funciono de uma maneira mais livre, mais conceitual. Viajo bastante, assisto a filmes, vou a shows e todas essas experiências me trazem ideias. Então Humberto me conta sobre as experimentações que tem feito com materiais novos e aí acontece nossa alquimia. Gosto de chegar de surpresa no estúdio, ver as peças sendo produzidas e conversar com a equipe.”

 

Em 1989, a série de cadeiras Desconfortáveis fez barulho. Eram peças irregulares a ponto de indicar uma espécie de olhar punk para o design. Humberto diz que não queriam seguir os rumos ditados pela Bauhaus, escola de arte vanguardista alemã da primeira metade do século 20 e a maior expressão do que é considerado modernismo no design.

 

“Era um momento difícil, da saída da ditadura, veio tudo como um vômito. Detestei a faculdade de direito, fiquei cinco anos na São Francisco. Tinha dificuldade de me impor como designer. Eu comecei do nada, era artesão, sou artesão até hoje, com orgulho. Quando pensava na influência da Bauhaus, sabia que não poderia ser o único caminho. Somos escandinavos? Alemães? Então fomos buscar o que é o Brasil.”

Foi uma busca por imperfeição e extravagância. Estão na exposição no MAM duas peças antológicas da dupla, a Cadeira Vermelha e Poltrona Favela, fundamentais para a conquista de atenção mundial. “A Vermelha é acervo do MoMA (Museu de Arte Moderna de Nova York). As duas estão em vários museus pelo mundo. Creio que mostraram uma nova forma de projetar, com mais liberdade. Deixei de ser advogado para ser livre e ainda busco isso.”

 

Fica evidente que a obra dos Campana critica uma sociedade massificada, industrial. Há uma ponte clara entre o artesanal e o tecnológico. “Tudo o que fizemos é experimental, então é visto como novidade”, afirma Fernando. “Algumas coisas podem ter fugido ao nosso contexto de visão de design, mas olhando nossa trajetória, acho que temos coerência, sem seguir tendências. Seguindo mais nosso coração do que exigências do mercado.”

 

E o mercado acolheu muito bem o caminho inusitado dos Campana. Algumas unidades da Cadeira Vermelha chegaram a custar R$ 30 mil. A demanda do Estúdio Campana há muito tempo ultrapassa o mobiliário, trabalhando com moda, design de interiores, landscape. Eles têm parcerias com Alessi, Edra, Lacoste e Louis Vuitton, entre outras marcas. Fizeram coleções para a Tok Stok e ganharam extrema popularidade criando sapatilhas de plástico Melissa para a Grandene.

 

“Sempre que começo um projeto nunca penso em quanto ele vai custar. Posso ficar bloqueado. Temos peças feitas em edição limitada, de três, cinco, ou vinte unidades. Feitas manualmente, algumas levam de um a dois meses para a finalização. São vendidas em galerias de arte. Fazendo isso eu sustento meu estúdio, tenho orgulho de empregar 20 pessoas”, conta Humberto.

As peças atingem o lado infantil das pessoas. Poltronas e sofás feitos com bichos de pelúcia, plástico bolha ou isopor despertam a vontade de tocar. Humberto credita isso à infância no interior paulista. Ele nasceu em Rio Claro, e o irmão, em Brotas. “Eu fazia casas em árvores com bambu, o Fernando montava naves espaciais com mandacaru. Misturar o feito à mão com a tecnologia está em nós, o DNA Campana é essa coisa híbrida.”

Algumas pessoas brincam, questionando se é possível ficar sentado em todas as cadeiras e poltronas exuberantes dos Campana. Humberto diz que algumas coisas dão certo funcionalmente, enquanto outras não. Para Fernando, o funcional pode ser uma obra de arte. “Ao mesmo tempo, faço trabalhos sem preocupação nenhuma com funcionalidade, como as esculturas da coleção Cidadão, que estão na exposição no Rio”.

 

 

Em 2009, eles criaram o Instituto Campana, sustentado apenas pelo trabalho da dupla. A intenção foi preservar o grande acervo de obras e fazer trabalho social. Entre outras atividades, atuam com grupos de sem teto e dão aulas a crianças da favela do Moinho, de São Paulo.

“As crianças vêm aqui e ficam no galpão principal. Ali está cheio de material, papelão, plástico bolha, damos tudo isso”, conta Humberto, empolgado. “Antes nós íamos na comunidade. As crianças vivem uma realidade claustrofóbica. Então passamos a trazê-las para cá, levamos a exposições, fomos à mostra do Leonardo Da Vinci. O instituto é a grande aposta dos Campana para o futuro. “O design é uma ferramenta generosa. Posso falar com um estudante europeu, com uma bordadeira de Alagoas ou com um artesão de uma comunidade de São Paulo e transformar a vida de todos ao mostrar uma nova aplicação para coisas que eles já sabem fazer”, acredita Fernando.

 

“Eu quero deixar um legado, fazer uma escola dentro do instituto. Uma escola de marcenaria, de resgate de tradições manuais, de cestaria, bordado, serralheria”, diz Humberto. “E quero ser jardineiro. Eu adoro plantar!”

 


EXPOSIÇÃO IRMÃOS CAMPANA – 35 REVOLUÇÕES

MAM Rio – Av. Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo

Quinta e sexta, das 13h às 18h. Sábado e domingo, das 10h às 18h., até 10 de janeiro

Venda online com valores sugeridos de R$ 20 para adultos e R$ 10 para estudantes e idosos

 

 

 

Revista Online: Edição 129 – SP

Revista Online: Edição 129 – SP