fbpx
logo
logo
Lugares e sons que combinam com o verão e harmonizam perfeitamente com as férias e a praia

Lugares e sons que combinam com o verão e harmonizam perfeitamente com as férias e a praia

O verão chegou. A estação vem diferente, com o começo de um 2022 animado e cheio de notícias cada vez melhores sobre temas que nos assombraram durante quase dois anos. E, falando em boas novidades, a nossa proposta é te apresentar novos olhares a conhecidos lugares. Isso porque passamos a agradecer ainda mais por momentos de tranquilidade. Como já diria Ludmilla e Silva, todo mundo está precisando relaxar assistindo a um pôr do sol na praia.

 

Fran clipe - Foto divulgação

Fran clipe – Foto divulgação

Separamos nossos quatro lugares favoritos para você curtir aquele pôr do sol energizante. Tudo ao som das nossas sugestões musicais que fazem parte da playlist Sunset 29, no Spotify da 29HORAS. Vamos?

 

Pedra do Arpoador, Rio de Janeiro
Como bons cariocas, não poderíamos começar diferente. O pôr do sol no Arpoador é um clássico entre locais e turistas, atraindo centenas de pessoas todos os dias. O clima é de encontro, alto astral e um ótimo lugar para conhecer pessoas. Para combinar com a vibe de praia, recomendamos a música “Divino Amor”, do Fran com o Caetano Veloso. A canção é a cara da Cidade Maravilhosa: leve, dançante e com aquele quê de sambinha no pé.

 

Farol da Barra, Salvador
O Farol da Barra é um dos pontos turísticos mais conhecidos de Salvador e ainda garante o passeio junto à vista incrível da Praia da Barra. O pôr do sol no farol reúne diversas pessoas que buscam por um momento tranquilo, com aquela energia que só a Bahia tem. E, para casar com o momento, nossa sugestão é a música “Banho de Folhas”, da Luedji Luna. A cantora e compositora é de Salvador e carrega na voz e nas letras o ritmo apaixonante do lugar.

 

Praça do Pôr do Sol, São Paulo
Achou mesmo que não teria São Paulo nesta lista? A cidade, conhecida por seus arranha-céus, também proporciona momentos relaxantes para seus visitantes e moradores em espaços ao ar livre. Um deles é a Praça do Pôr do Sol, no Alto de Pinheiros. Com um extenso gramado, o local combina perfeitamente com a nossa indicação de música “Blue Boy”, do Mac Demarco. Do fone de ouvido à caixinha de música compartilhada, a canção é a cara desse momento relax.

 

Vale da Lua, Chapada dos Veadeiros
Para fechar, escolhemos o Vale da Lua, um lugar mágico localizado em Goiás. O Vale pertence à Chapada dos Veadeiros e compõe um visual indescritível com suas formas que lembram estar no Espaço. Para aproveitar esse fim de tarde, recomendamos “Days To Come”, do Bonobo, com uma batidinha relaxante e deliciosa que vai te fazer curtir a vibe sem pensar em mais nada nesse paraíso!

 

Bom pôr do sol!

Shows e festivais em 2022: confira uma programação alternativa e intensa para todos os gostos

Shows e festivais em 2022: confira uma programação alternativa e intensa para todos os gostos

O ano que vem promete shows para todos os gostos, em uma programação alternativa e intensa

As boas energias de 2022 estão chegando junto com o verão, trazendo também aquele gostinho de liberdade que a gente tanto desejava de novo. Falando nesse sentimento delicioso de novas experiências e aventuras, queremos apresentar festivais que estão fora do radar desses encontros grandiosos que todos conhecemos e amamos, como Lollapalooza e Rock in Rio. A retomada da indústria de shows e festivais está a mil e temos certeza de que você vai curtir nossas indicações para o ano que vem.

 

Queremos! Festival
O festival surgiu como uma plataforma que dá a oportunidade de os próprios fãs trazerem seus artistas favoritos para o Brasil, compartilhando o pedido com o máximo de pessoas possíveis e gerando demanda para a banda.

Para quem quiser conhecer o clima do projeto, o festival vai rolar em maio, no Rio de Janeiro, e contará com Gilberto Gil, Elza Soares & Renegado, Emicida, Àtooxxa e muito mais.

 

Queremos! Festival | Foto Andressa Gonçalves

Queremos! Festival | Foto Andressa Gonçalves

 

Coala Festival
O Coala é um festival que é realizado no Memorial da América Latina, em São Paulo, e é possível acompanhar e sentir como eles pensam em cada detalhe para imprimir o posicionamento cool e estiloso, da identidade visual às atrações. Com a frase “Fortalecendo a música brasileira desde 2014”, apresentam artistas incríveis, de Gal Costa e Maria Bethânia a Marina Sena, Alceu Valença e Black Alien, por exemplo.

O festival é queridinho entre a galera alternativa da cena! Anota aí: o evento está marcado para os dias 17 e 18 de setembro do ano que vem!

 

Coala Festival 2018 - Wesley Allen - Foto divulgação

Coala Festival 2018 – Wesley Allen – Foto divulgação

 

Meca
Falando em festivais que imprimem experiência em todos os detalhes, não poderíamos deixar de lado o Meca (foto). Pensa só: ele é produzido, todos os anos, em Inhotim, “apenas” o maior museu a céu aberto do mundo. Já deu para entender, né?

Você vive arte e novidades o tempo todo, e para ficar ainda melhor, aprecia aquela música de qualidade. Em 2022, o festival está programado para o mês de maio e estamos ansiosos para saber quais serão as atrações confirmadas. A garantia é sempre de muita coisa boa!

 

Meca - Foto divulgação

Meca – Foto divulgação

 

Primavera Sounds
Para fechar, selecionamos um festival na gringa, para quem está pensando em expandir os horizontes e ter novas experiências!

O Primavera Sounds é um evento reconhecido e aclamado pelo público na Europa desde 2001 e agora promete um line-up dos sonhos! Com dois fins de semana seguidos de junho na programação, o encontro, que é realizado em Barcelona, contará com artistas como Tame Impala, Beck, The Strokes, Gorillaz, Jorja Smith, Tyler, the Creator, Disclosure, Interpol, Dua Lipa e muito mais.

 

Primavera Sound 2019 - Foto Divulgação

Primavera Sound 2019 – Foto Divulgação

 

E se você ficou com esse gostinho de quero mais, corre na nossa playlist porque fizemos uma seleção muito bacana com o que há de melhor na programação dos festivais. Nos vemos em 2022!

Conheça artistas brasileiros que viajam e ultrapassam fronteiras com suas músicas

Conheça artistas brasileiros que viajam e ultrapassam fronteiras com suas músicas

Novembro chegou e a gente sabe que a partir de agora começa aquela contagem regressiva para as viagens de verão, não é mesmo? Aquela sensação deliciosa de conhecer um novo lugar, ouvir outras línguas e se perder pelas ruas de uma nova cidade são indescritíveis. E se a gente compartilhar com você que a música também é capaz de ultrapassar horizontes e chegar em países inimagináveis?
Despertou a curiosidade? Então se prepare porque listamos alguns artistas brasileiros que, além dos álbuns em português, também fizeram – e fazem! – muito sucesso com canções gravadas em outros idiomas!

Caetano Veloso
O cantor tem diversas músicas que conquistaram o coração dos gringos, além dos conhecidos álbuns “A Foreign Sound” e “Caetano Veloso”, de 2004 e 1971, respectivamente. Os discos contam com canções apenas em inglês e que dominaram os rankings não só de outros países, mas do Brasil também!

Uma curiosidade? O álbum que carrega o nome do artista, inclusive, apresenta a música “London London”, feita com Gilberto Gil durante o exílio e que em várias vezes repete a palavra “solidão”, traduzindo o sentimento da dupla na época.

 

Foto Divulgação / Artistas: Caetano Veloso e Anitta

 

Rodrigo Amarante
Se você acha que não conhece Rodrigo Amarante, lembre-se daquela voz marcante de Los Hermanos. Agora recordou, né? O cantor, que já conta com diversos hits estrangeiros em carreira solo, investe também em trilhas sonoras para filmes e séries. Ele é o responsável pelo tema principal da série “Narcos”, uma das mais assistidas da plataforma de streaming Netflix, e pelo longa “7 Dias em Entebbe”, por exemplo.

Renato Russo
Você sabia que o primeiro álbum solo do Renato Russo foi em inglês? Sim! Em 1994, o cantor lançou o “The Stonewall Celebration Concert“, com composições que foram produzidas em computador, raridade para a época. O nome do disco é uma homenagem aos 25 anos da Rebelião de Stonewall, em Nova York, e uma parte dos royalties foi destinada à campanha “Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida”.

Anitta
Não teria como terminar de forma diferente, né? A Anitta – que até hoje a gente não entende como tem tempo para fazer tanta coisa – já gravou canções em diversas línguas, além de dominar os rankings de diferentes países com as parcerias feitas com cantores locais. A musa já gravou em inglês, espanhol, francês e segue quebrando infinitas barreiras e pódios nunca conquistados por artistas brasileiros. O mundo é dela, e ela sabe!

E, se você curtiu nossas sugestões e está a caminho de uma viagem de verão, se liga na playlist que criamos com as canções de que mais gostamos em outras línguas. Dê o play e boa viagem!

 

Escaneie e ouça a playlist by Tecla no 29HORAS Play

 

O fenômeno TikTok: como o aplicativo revolucionou a indústria musical?

O fenômeno TikTok: como o aplicativo revolucionou a indústria musical?

Você pode falar que não tem interesse, que não conhece as clássicas dancinhas ou que ainda não entendeu muito bem a existência do aplicativo, mas uma coisa não pode negar: o TikTok é uma potência. O app está presente em mais de 100 países, com quase três bilhões de downloads realizados – a maioria deles entre 2019 e 2020 –, e apresenta diariamente números que não param de crescer.

Já pensou em três bilhões de pessoas ouvindo a mesma música? Pois é. Entre memes, receitas de cozinha e alguns desafios – que, vamos confessar, no começo também pedimos ajuda aos nossos filhos e irmãos mais novos –, o aplicativo domina o mercado com lançamentos e relançamentos musicais.

A matemática é simples. O maior número de usuários tem entre 15 e 24 anos, a famosa Geração Z, e, com eles, não tem para ninguém: ditam tendências e viralizam qualquer vídeo em cerca de segundos. Dessa forma, o aplicativo se tornou uma das maiores influências musicais para artistas: um vídeo em alta no TikTok quase automaticamente coloca uma música em alta no Spotify.

E, ainda falando em estatísticas, a gente confirma que esse resultado é real: em 2020, sete músicas do Top 10 do Spotify bombaram primeiro no TikTok. A parte mais curiosa dessa questão é que a “garotada” não segue só de olho no futuro, mas também no passado. Vai dizer que você não ficou sabendo do Nathan Apodaca, skatista conhecido como Dog Face, que fez um vídeo andando de skate ao som de “Dreams” da banda Fleetwood Mac?

Despretensiosamente, e com a força de milhões de jovens compartilhando o vídeo, Nathan fez a canção de 1977 alcançar o topo das paradas novamente – e ganhou também uma boa dose de reproduções divertidas do seu vídeo no aplicativo.

Podemos acompanhar dezenas de canções esquecidas pelo tempo sendo redescobertas pela, veja só, Geração Z. É o caso de “Gimme! Gimme! Gimme!” da banda Abba, com sua música de 1979 que recebeu um remix exclusivo e alcançou por semanas o trend do TikTok com algumas coreografias. Porque esse é outro ponto que não dá para negar: se tem coreografia, vai viralizar no app.

Voltando ainda mais ao passado, temos “Beggin'”, da banda Frankie Valli & The Four Seasons, de 1967, que simplesmente não sai da cabeça dos jovens com o cover feito este ano pela banda Maneskin (foto), alcançando o topo do ranking com diversos vídeos no TikTok. Vale dizer que o sucesso foi tanto que migrou até para os Reels do Instagram, mas isso a gente deixa para um próximo papo.

 

Foto Divulgação | Maneskin

 

Se você quiser conhecer outras canções que viralizaram no TikTok, o 29HORAS Play está com uma seleção musical para ajudar o pessoal em casa com as coreografias, além de promover essa troca saudável com a nova geração. Se joga, vai!

Relembre os festivais que marcaram a história da música mundial

Relembre os festivais que marcaram a história da música mundial

Cinco momentos da música que apertam nossos corações de tanta saudade e já nos preparam para os próximos shows e festivais!

Dá para acreditar que já faz 10 anos que ouvimos o clássico “Hoje é dia de rock, bebê”, dito pela atriz Christiane Torloni, no Rock in Rio? Pois é! A gente bem sabe que, todo ano, as edições dos festivais de música nos marcam com apresentações emblemáticas, encontros inesquecíveis – e uma boa dose de memes.  

Como setembro é o mês em que esses eventos são realizados no Brasil – mas seguem adiados por causa da Covid-19 – decidimos compartilhar com você alguns dos momentos que consideramos memoráveis em festivais pelo mundo. Confira!

foto reproducão | internet

 

Live Aid
O Live Aid, em 1985, reuniu diversos artistas com o propósito de arrecadar fundos para o combate à fome na Etiópia. O festival foi realizado em dois lugares ao mesmo tempo, em Londres e na Filadélfia, e a transmissão ao vivo foi assistida por dois bilhões de pessoas. Entre as atrações estavam Madonna, David Bowie, Queen, Elton John, B.B. King, U2, Neil Young e vários outros gigantes da música. 

Barão Vermelho, Rock in Rio 1985

No mesmo ano, tivemos também o Rock in Rio, no Brasil. Por aqui, um dos grandes momentos foi com a banda Barão Vermelho – ainda comandada pelo Cazuza –, comemorando o fim da ditadura, anunciada no mesmo dia da apresentação, em 15 de janeiro. Nossas grandes recordações são durante a canção “Pro Dia Nascer Feliz”, com os mais de 85 mil jovens enrolados em bandeiras do Brasil cantando em alto e bom som. 

Queen, Rock in Rio 1985
E como não lembrar da apresentação da banda Queen, também no Rock in Rio? Mesmo debaixo da chuva, um dos grandes momentos foi com as vozes das 300 mil pessoas (público recorde da edição) como um grande coral cantando “Love Of My Life” junto a Freddie Mercury. Para marcar a história da banda – e a nossa também.

Woodstock, 1969
Milhares de jovens celebrando o amor – e algumas loucuras – em um lamaçal intenso em shows épicos? Sim, nem precisamos de muitas palavras para você já saber que estamos falando do Woodstock, festival de 1969, que é conhecido por todas as excentricidades retratadas em diversos documentários, e contou com shows de vários artistas, como Jimi Hendrix, Janis Joplin, The Who e Jefferson Airplane.

Bod Dylan, Newport Festival 1959
Um dos festivais mais antigos da história carrega um momento pra lá de curioso. Em 1959, Bob Dylan, aclamado por sua pegada folk, decidiu surpreender seus fãs ao usar guitarras elétricas e apresentar novas músicas, como a eterna “Like a Rolling Stone”, para a plateia. O resultado? Ele foi muito vaiado. Ninguém imaginaria que aquelas canções seriam hits até hoje, não é mesmo?