Mônaco: Além dos castelos e das corridas, o destino surpreende por passeios com foco na natureza e na alimentação orgânica

Mônaco: Além dos castelos e das corridas, o destino surpreende por passeios com foco na natureza e na alimentação orgânica

Para quem quer conhecer Mônaco para além dos castelos e das corridas, o destino surpreende por passeios com foco na natureza e na alimentação orgânica – mas claro, tudo com muito charme!

Se eu perguntar a você o que Mônaco tem de especial, tenho certeza de que o luxo, as curvas da Fórmula 1 e as histórias de príncipes e princesas surgirão na sua resposta. Mesmo que você nunca tenha viajado ao principado, esse é um local que habita o imaginário de muitos viajantes, porque sempre esteve nos holofotes.

Mônaco é uma escolha ímpar. Localizado no charmoso sul da França, o destino reúne os melhores hotéis do mundo, uma dezena de restaurantes com estrelas Michelin e atrações históricas, culturais e, claro, luxuosas. Só que o pequeno país também é eclético: a proximidade com a natureza e a consciência sobre o meio ambiente trouxe inspiração para projetos de sustentabilidade, que ganham cada vez mais evidência. Assim, o lugar aposta em propostas que transformam a viagem em uma experiência inteligente e acessível até mesmo para orçamentos mais modestos.

 

Foto MONTE CARLO SOCIÉTÉ DES BAINS DE MERMC | Bay Hotel & Resort

 

Um dos projetos de sucesso é a bicicleta elétrica Monabike, que pode ser alugada em diferentes pontos com tarifas a partir de 1 euro (por 30 minutos). Há 300 exemplares à disposição e, enquanto você pedala, ajuda a reduzir a emissão de gases e circula de forma fácil em rotas que incluem atrações turísticas. Há também a possibilidade de passear com carro elétrico. O Mobee é um serviço de compartilhamento no qual o automóvel é contratado por meio de um aplicativo e devolvido onde quiser. O aluguel custa a partir de 6,75 euros a hora e você pode, inclusive, percorrer a famosa curva da Fórmula 1, que fica no centro da cidade e é a mais lenta do Mundial. A bordo de um transporte sustentável se faz diversos passeios.

Em Larvotto Beach, por exemplo, está a única praia pública do principado. É claro que ela é super charmosa, com água clarinha e tem vista para parte da baía. Em Monaco-Ville, bairro mais antigo de Mônaco, e extremamente preservado, o La Condamine Market é uma feirinha de pequenos produtores locais que tem cerca de 20 pontos comerciais, com floristas e horticultores. O mercado abre diariamente, das 7h às 15h.

 

FOTO WHALE WATCHING MONACO | Observação de baleias e golfinhos

 

Nessa pegada orgânica, reserve também um tempinho para observar as diversas hortas de alimentos instaladas em modernos prédios de Monte Carlo. A ousada plantação faz parte do projeto sustentável Terrae, uma ação inteligente que desenha, desenvolve e mantém hortas no coração das cidades. Provavelmente, você encontrará muitos desses alimentos servidos nos restaurantes estrelados da região.

Para os apaixonados pela vida marinha, há duas interessantes atrações. Uma delas é a observação de baleias e golfinhos no passeio Whale Watching Monaco. A tripulação embarca rumo ao santuário de Pelagos, área protegida na costa da Riviera Francesa, e conhece baleias-piloto, golfinhos-grampo e baleias-comuns, que podem ser vistas a bordo das embarcações. E vale visitar o emblemático Museu Oceanográfico, que fica em meio a um rochedo e abriga mais de 6 mil espécies do fundo do mar.

 

Foto BVERGELY | Museu Oceanográfico

 

Indispensável e sempre impecável

Sempre vale a pena conhecer um pouco da história de Mônaco por meio das principais atrações turísticas. Além da curva da Fórmula 1, o Cassino de Monte Carlo é um clássico e um dos primeiros lugares que os turistas gostam de visitar. Localizado na Place du Casino, o prédio tem uma réplica em miniatura da Ópera Garnier e a cada temporada são encenados suntuosos espetáculos líricos. Para a diversão dos jogadores, há roleta francesa, baccarat, blackjack e poker.

DIRECTION DE LA COMMUNICATION | MICHAEL ALESI | Plage du Larvotto Juillet

DIRECTION DE LA COMMUNICATION | MICHAEL ALESI | Plage du Larvotto Juillet

 

 

O Palácio do Príncipe também merece atenção, mesmo que você queira conhecê-lo só do lado de fora. A construção é única em arquitetura e decoração, pois foi desenhada no século 16 e tem obras pintadas à mão. O Palácio é residência da família real, e está aberto de junho a outubro.

 

Foto BVERGELY | Vista da Place du Casino e do Cassino de Monte-Carlo

 

 

Os estrelados

Em Mônaco até o conceito de exclusividade vem acompanhado da palavra sustentabilidade. Mais de 2 mil quartos de hotéis têm o certificado internacional Green Globe e muitos restaurantes estrelados pelo Guia Michelin são abastecidos com legumes e verduras das hortas orgânicas do Terrae. No luxuoso Monte Carlo Bay Hotel & Resort, os visitantes se encantam pelo jardim. O hotel tem 4 hectares de área com cascatas, solários, piscina e uma lagoa turquesa. É perfeito para o descanso em família ou férias românticas, porque há suítes comuns até exclusivas com vista única (diárias a partir de 300 euros). Os amantes da gastronomia se surpreendem: o estrelado Blue Bay é especializado nas culinárias caribenha e mediterrânea.

Hôtel Hermitage - Facade © MONTE-CARLO Société des Bains de Mer

Hôtel Hermitage – Facade © MONTE-CARLO Société des Bains de Mer

 

Já o Hôtel Hermitage Monte-Carlo hospeda o restaurante Yannick Alléno. O local prepara receitas com ingredientes locais e sazonais, inspiradas na culinária mediterrânea. Além de atrair os hóspedes pelo estômago, o Hermitage é um dos hotéis mais elegantes da região. Tem estilo belle-époque e lembra um castelo. Na carta de mimos aos hóspedes estão tratamentos termais com água do mar, sauna e academia. As tarifas começam na faixa dos 440 euros.

Há ainda opções de hospedagem mais baratas. O moderno Novotel Monte-Carlo é inspirado na Riviera Francesa e fica próximo às principais atrações de Mônaco. É ideal para quem deseja ficar bem localizado. Tem restaurante, piscina ao ar livre e quartos espaçosos, com diárias que começam na casa dos 160 euros.

 

MONTE - CARLO SOCIÉTÊ DES BAINS DE MER | Restaurante Yannick Alléno

MONTE – CARLO SOCIÉTÊ DES BAINS DE MER | Restaurante Yannick Alléno

 

 

Rumo ao paraíso

A maneira mais fácil de chegar a Mônaco é a partir do aeroporto Nice Côte d’Azur International, na França. É possível sair de táxi ou carro elétrico rumo ao principado. Os trens também são opção e ligam Mônaco a diferentes cidades do sul da França e da costa italiana. Os passageiros desembarcam no centro da cidade.

Símbolo do ecoturismo brasileiro, Bonito ganha voos diretos partindo dos aeroportos de Congonhas e Viracopos

Símbolo do ecoturismo brasileiro, Bonito ganha voos diretos partindo dos aeroportos de Congonhas e Viracopos

O estado do Mato Grosso do Sul tem duas cabeças de gado para cada ser humano que habita seu território. E foi uma das unidades da federação mais afetadas pelos incêndios que, em 2020, destruíram boa parte do Pantanal e do Cerrado. Mas é lá também que fica outro tesouro do patrimônio natural brasileiro: Bonito, cidade eleita 16 vezes como melhor destino de ecoturismo do Brasil.

As águas absurdamente cristalinas de seus rios e as mais de 300 grutas, formadas pela ação da chuva no solo calcário dessa região nos contrafortes da Serra da Bodoquena, são preservadas como santuários da natureza. O total diário de visitantes é controlado. A entrada, a saída e a circulação dos turistas são minuciosamente monitoradas por guias locais, treinados e diretamente interessados na perpetuação dessas maravilhas que atraem anualmente milhares de turistas do mundo todo.

A flutuação por rios como o Olho D’Água, no Recanto Ecológico Rio da Prata, é o ponto alto da viagem. É uma sensação única ser levado pela delicada correnteza em meio a milhares – ou seriam milhões? – de piraputangas, curimbas, cascudos e dourados! E é a água quem determina sua velocidade: é proibido pisar no fundo do rio, bater os pés ou dar braçadas espalhafatosas, pois isso pode alterar o habitat natural dos peixinhos. Somos aconselhados a não usar nem repelente de insetos ou protetor solar para não sujar a água onde habitam essas criaturas.

 

Foto Divulgação

 

Na entrada da Gruta da Lagoa Azul – uma caverna com um poço de água em surreais tons de azul cobalto lá no fundo – os visitantes têm de interromper a descida dos 300 degraus da trilha se uma cobra resolver se aboletar no meio do nosso caminho. Aliás, o caminho não é nosso: é dela!

Na Trilha das Cachoeiras, um percurso com 3 km às margens de um trecho do rio Mimoso que possui nada menos que dez lindas quedas d’água, o tour é feito em grande parte por passarelas suspensas de madeira, para que o nosso fluxo não altere a topografia natural do local. Os turistas são visitantes, quem mora lá são as plantas e os bichos.

Mesmo no passeio de barco e rafting pelo rio Formoso, no Eco Park Porto da Ilha, as áreas para nado são delimitadas. Ainda que o sol esteja castigando, os passageiros dos botes são fortemente alertados para não pular e sair nadando em qualquer lugar – até porque os barrancos às margens desse rio são o habitat de enormes sucuris que, como eu e você, às vezes saem de casa para descolar um almoço.

Nessas fazendas transformadas em hubs de ecoturismo, as atrações são muitas além dessas citadas: algumas tem bóia-cross e pedalinhos, outras têm caiaques e pranchas de stand up.

As opções são bem variadas. O que não varia – felizmente – é que praticamente todas têm restaurantes com deliciosas comidas típicas da região, como a carne de panela, o pintado com urucum e a sopa paraguaia – que não é sopa coisa nenhuma, é uma espécie de bolo salgado feito com milho, cebola, leite e parmesão ralado.

 

 

Mergulho no Recanto Ecológico Rio da Prata; à esquerda, rafting no Eco Park Porto da Ilha | Foto Divulgação

 

Para quem quiser uma gastronomia mais elaborada, a cidade tem algumas boas alternativas: no restaurante Juanita, comece a refeição com uma porção de iscas de jacaré e depois ataque a espetacular banda de pacu na brasa, assada na lenha de angico. Na Casa do João, as melhores sugestões são a moqueca de pintado da Tia Irene, a paella pantaneira (com tiras de carne bovina), a traíra à moda da casa e o pirarucu à portuguesa – uma versão sul-matogrossense do bacalhau lusitano. No boteco Taboa, o caldo de piranha e as iscas de filé mignon são os acompanhamentos perfeitos para uma caipirinha de guavira (frutinha local que parece uma jabuticaba selvagem) ou uma cerveja bem geladinha.

Por falar em frutas, não deixe de dar uma ou várias passadas na sorveteria Sabores do Cerrado, que fica a um quarteirão da pracinha central da cidade. Acomode-se e saboreie os sorvetes de araticum, de bocaiúva, de cagaita, de jaracatiá e da já citada guavira.

 

Nova opção de hospedagem

Bonito é um destino conhecido por suas pousadas, de todos os tamanhos e para todos os bolsos – sempre com uma pegada ecológica e ambientalmente correta. Mas até o final de 2021 não existia por lá nenhum hotel com preços razoáveis, acomodações de qualidade e instalações mais modernas. Essa lacuna acaba de ser preenchida com a inauguração do Promenade All Suites, em novembro, com seus 78 apartamentos equipados com ar-condicionado, minicozinha com frigobar e pia, camas confortáveis e smart TV 4k com acesso às plataformas de streaming.

 

 

Suíte e fachada do hotel Promenade All Suites | Foto Divulgação

 

O estabelecimento, que emula aqueles motéis norte-americanos on road de filmes como “Totalmente Selvagem” e “Thelma & Louise”, tem ainda piscina ao ar livre, café da manhã em sistema de bufê e restaurante com menu à la carte. Tem também uma sala para massagens – você não imagina como é bom se submeter a uma terapia relaxante depois de subir e descer os 300 degraus da Gruta da Lagoa Azul! Alinhado com a incansável luta pela preservação das águas, da flora, da fauna e da paisagem local, o hotel disponibiliza sabonetes e xampus biodegradáveis da linha Florence Blanc.

 

Foto Divulgação

 

Os preços são bastante acessíveis: as diárias variam de R$ 450 a R$ 600. E, por falar em acessibilidade, dez das suítes foram especialmente projetadas e equipadas para atender hóspedes com necessidades especiais. O Promenade é o único hotel a oferecer isso em Bonito. Para reservas e mais informações, acesse https://bonitoallsuites.com.br.

 

Agora mais perto

Bonito fica a mais de 1.000 km da cidade de São Paulo, mas de avião a viagem demora menos de duas horas. Desde junho, a Azul opera cinco voos semanais até Bonito, com seus modernos jatos Embraer E-195E2, às segundas, quartas, sextas, sábados e domingos. Os voos saem de Viracopos às 8h55 e, no retorno, partem de Bonito às 12h25.

Agora em dezembro, a Gol começou a operar voos diretos de Congonhas a Bonito. Ao menos por enquanto, são duas frequências semanais, saindo de São Paulo às quintas e domingos, às 12h40, e retornando de Bonito nesses mesmos dias da semana, às 14h20 na hora local.

 

 

Gruta da Lagoa Azul, em Bonito | Foto Divulgação

Mini-casas do interior de SP atraem hóspedes para uma experiência de minimalismo em meio à natureza

Mini-casas do interior de SP atraem hóspedes para uma experiência de minimalismo em meio à natureza

A pandemia acentuou o desejo de muitas pessoas por uma vida mais enxuta e autossuficiente. Não surpreende que, nos últimos dois anos, os olhos do mundo tenham se voltado a projetos arquitetônicos que seguem à risca a máxima de que “menos é mais”. É esse o caso das chamadas “tiny houses” (em português, “casas minúsculas”/”mini-casas”).

Com menos de 40 m² de área útil e cômodos integrados, essas habitações se erguem a partir de soluções econômicas e sustentáveis. Compactas, geram menos despesas para os donos e menos resíduos para o meio ambiente – e, não por acaso, já são febre em países como Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia. No Brasil, ainda é difícil conseguir autorização legal para construir e morar em uma tiny houses, mas já é possível experimentar alguns momentos nesses mini-mundos em hospedagens sedutoras no interior paulista.

 

Faixada da Holy House - Foto divulgação

Faixada da Holy House – Foto divulgação

 

A apenas 40 minutos de Campinas, a Holy House, em Jundiaí, parece uma casa de bonecas. Artesanalmente construído com materiais encontrados na natureza, o local tem design rústico inspirado nas habitações místicas dos “hobbits” – personagens da série literária de ficção “O Senhor dos Anéis”, de J. R. R. Tolkien – e pode ser alugado por meio da plataforma Airbnb, para estadia de até duas pessoas. Além de banheiro, cozinha e um mini-escritório com wi-fi, a cabana conta com cama queen size, lareira e ofurô. Na área externa, os hóspedes podem assistir ao pôr-do-sol de um charmoso deque de madeira com vista para a Serra do Japi, ou aproveitar a noite sendo aquecidos por um fogo de chão.

 

Interior da mini-casa/ Holy House - Foto divulgação

Interior da Holy House – Foto divulgação

 

Já na Cabana da Bolha, no município de Araçoiaba da Serra (a 107 km de Campinas), o minimalismo é aliado ao glamour de uma vista panorâmica das estrelas. O espaço faz parte do complexo Cabana Home, hub de hospedagem comandado pelo ator paulistano Felipe Titto, e o primeiro do Brasil a investir no conceito de “camping de luxo”. Lá, os visitantes dormem e acordam sob a imensidão do céu interiorano, dentro de uma semiesfera de vinil 100% transparente estrategicamente posicionada no meio da Mata Atlântica. A estrutura do local ainda inclui banheira ao ar livre com água de mina, fogão à lenha e TV com acesso a plataformas de streaming.

 

Cabana da Bolha - Foto divulgação

Cabana da Bolha – Foto divulgação

 

Holy House
Diária: R$ 1.124
Reservas e consulta de endereço e disponibilidade no Instagram @holyhousebrazil

Cabana da Bolha
Estrada Dr Celso Charuri Jundiaquara – Araçoiaba da Serra/SP
Diária: R$2.400 (disponíveis a partir de fevereiro de 2022)
Reservas pelo Whatsapp 15 99720-4016

Referência em mobiliário, Breton aposta em design sustentável, linha exclusiva e produtos responsáveis ambientalmente

Referência em mobiliário, Breton aposta em design sustentável, linha exclusiva e produtos responsáveis ambientalmente

A pandemia trouxe novos hábitos de consumo, inclusive no universo do design. O isolamento social prolongado provocou mudanças na decisão de compra das pessoas, o que levou as grifes a reconsiderarem estratégias comerciais consagradas, como os extensos calendários e a renovação constante de linhas. Assim, a sustentabilidade e as produções autorais estão em alta, visando provocar experiências exclusivas e oferecer produtos perenes.

 

Coleção Gloria Coelho para Breton | FOTOS DIVULGAÇÃO

 

A Breton, referência em mobiliário assinado para áreas internas e externas, comunicou neste ano que se tornou uma empresa Carbono Zero, em estudos referentes a 2020. “Além de nos preocuparmos com as questões socioambientais, temos uma governança para cuidar do sustentável”, explica Fabiana Feferbaum, diretora de Gente e Gestão na Breton. A certificação da The Planet atestou que a marca compensa toda a emissão de gás carbônico de seus processos, podendo ser considerada a primeira empresa do segmento de decoração, em São Paulo, a atingir o patamar.

 

Peças da Cumbuca Bojuda, coleção de vasos sustentáveis da marca Vasap Design | FOTO JOÃO AUGUSTO

 

A recente coleção Gloria Coelho para Breton já traz peças alinhadas ao compromisso sustentável. O sofá lounge Pitagoras, a poltrona Arte e o sofá Arte levam o couro da Leather Labs – a maior plataforma digital de couros do planeta, que possui 100% da rastreabilidade da cadeia produtiva para garantir uma produção responsável.

Outro exemplo de ação sustentável no design de mobiliário é a marca Vasap Design, que arrecadou quase duas toneladas de plástico do lixo, por meio de parceria com catadores e cooperativas, e chamou um time premium de designers para assinar vasos de área externa a partir da reciclagem desse material. São eles: Marcelo Rosembaum com Studio Fetiche, Leo Romano, André Lenza, Zanini de Zanine e Maurício Arruda.

Acesse o site e saiba mais sobre essa iniciativa: https://www.breton.com.br/

Mercado de cosméticos de luxo deve apresentar crescimento significativo na pós-pandemia

Mercado de cosméticos de luxo deve apresentar crescimento significativo na pós-pandemia

Em tempos de crise, o autocuidado se torna, para além de objeto de desejo, uma necessidade. Não à toa, evidências estatísticas apontam que o consumo de cosméticos tende a crescer em épocas de retração econômica – é o chamado ‘’Efeito Batom’’, que já foi vivenciado pela humanidade nos anos que se seguiram às duas Guerras Mundiais e, agora, deve voltar à tona na pós-pandemia, em nova roupagem.

Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), o setor cresceu 5,8% em 2020, com altas consideráveis na venda de produtos voltados ao cuidado da pele (+21,9%) e itens de perfumaria (+8,4%). Investir em artigos importados também é uma tendência. Mas se, antes da pandemia, era hábito viajar em busca desses cosméticos, nos meses de isolamento social o e-commerce assumiu esse papel. “Em 2019, 58% das compras foram realizadas em outros países. Com os global shoppers ‘presos’ em casa, a preferência é pela pronta entrega e por revendedores nacionais”, pontua Sabrina Zanker, diretora geral da L’Oréal Luxe no Brasil, que, em 2020, presenciou um crescimento de 130% no mercado digital.

 

Perfume My Way da Giorgio Armani, paleta de sombras da MAC e sanitizante para mãos da Margatey Dabbs | FOTOS DIVULGAÇÃO

 

 

Mesmo com a abertura das fronteiras, a expectativa é que os consumidores continuem comprando em solo brasileiro. “Com a alta do dólar, os cosméticos adquiridos aqui podem sair até 32% mais em conta do que no exterior, além de haver a possibilidade de pagar com parcelamento sem juros. O Brasil é o quarto maior mercado de cosméticos do mundo, e as transações nacionais estão cada vez mais seguras, com revendedores e parceiros certificados”, explica.

Os gostos e as demandas dos consumidores também mudaram. O cuidado com as mãos, periodicamente besuntadas com álcool em gel, nunca foi tão valorizado. Marcas como a londrina Margaret Dabbs, por exemplo, têm investido em sanitizantes de luxo que aliam higienização e cuidado com a pele (o frasco de 30ml com essência de gerânios e tangerina custa por volta de R$ 160). E, se os lábios ficam escondidos por trás das máscaras de proteção, as cores têm que extravasar dos olhos – tanto é que as sombras coloridas e com toques de brilho figuraram, em 2021, entre os itens mais vendidos do e-commerce da canadense MAC.

 

Perfume My Way da Giorgio Armani, paleta de sombras da MAC e sanitizante para mãos da Margatey Dabbs | FOTOS DIVULGAÇÃO

 

 

Marcas comprometidas com ações pela preservação ambiental devem estar entre as queridinhas dos consumidores nos próximos meses. Lançada em julho de 2021 pela marca italiana Giorgio Armani, a fragrância My Way, neutra em carbono e produzida com ingredientes naturais adquiridos em colaboração com ONGs locais, é um dos destaques do movimento que deve representar o futuro próximo da indústria cosmética. “A pandemia trouxe importantes reflexões a respeito do cuidado integrado. Sustentabilidade é o grande sonho de consumo da atualidade.”

 

 

Perfume My Way da Giorgio Armani, paleta de sombras da MAC e sanitizante para mãos da Margatey Dabbs | FOTOS DIVULGAÇÃO