Vermute: De aperitivo da Corte a drinque tropical

Vermute: De aperitivo da Corte a drinque tropical

O vermute, bebida milenar europeia, caiu no gosto dos brasileiros e já é encontrado em versões com botânicos e frutos nacionais

O médico grego Hipócrates costumava preparar uma bebida no ano de 400 AC. Ele macerava a planta losna e flores de menta em um vinho forte e doce da Grécia, criando um tônico digestivo que ficou famoso como “vinho de Hipócrates”. O médico costumava receitar essa bebida para tratar condições como reumatismo, anemia e dores regulares.

Durante a Idade Média, a produção de vermute se estabeleceu em Piemonte, próximo às colinas alpinas, assim os destiladores encontravam facilmente plantas botânicas em suas proximidades. Muito tempo depois, em 1768, a bebida foi nomeada o “Aperitivo da Corte “. O costume pelo vinho se espalhou na Corte Real da Bavária, onde o “Wermut Wein” era popular.

De taças em taças, ao chegar na Corte francesa, virou vermouth. A primeira marca comercial surgiu em 1786 fundada por Antonio Benetto Carpano – sua fórmula usava vinho moscatel de qualidade e ingredientes misturados por monges locais e álcool para fortalecer e preservar a receita final. Já em 1813, o herbalista Joseph Noily começou a fabricar o seu vinho com laranjas amargas, camomila, e botânicos como losna, criando o vermute aromático e seco, o Noilly Prat. Seguindo o exemplo, outras famílias iniciaram a pirâmide de vermute. Entre as mais famosas estão Martini & Rossi, Cinzano, Cora, Cocchi, Gancia, Toso e Riccadonna. Na França, destacam-se Dolin e Lillet.

A crescente e atual demanda por coquetéis e bebidas de qualidade, fez com que buscássemos por produtos nacionais. Vermutes brasileiros vêm ganhando espaço, conquistando o paladar de muitos apreciadores da bebida, como os vermutes das marcas Aureah da Famiglia Griffo, Virgulino Ferreira, Vermú da Cia dos fermentados e os inovadores rótulos da empresa Divino Vermutes – que lançou em conjunto com especialistas do país, uma linha de produtos como bitters, xaropes e, claro, vermutes.

 

Vermute de açaí, da Divino Vermutes - Foto Taba Benedicto

Vermute de açaí, da Divino Vermutes – Foto Taba Benedicto

 

Tive a honra de desenvolver e assinar a receita do primeiro vermute de açaí do mercado mundial, com o fruto nativo do Pará e mais 11 botânicos. Gabriel Santana, bicampeão do World Class Brasil, assina o vermute de caju que leva canela e cumaru entre as especiarias, o bitter aromático, e o xarope de limão siciliano. Léo Massoni, que já chefiou os bares Trabuca e DOM, assina o vermute de amora com laranjas e outras especiarias secas, o bitter de laranja e o xarope de gengibre.

 

Entre os clássicos e as novidades

Os vermutes são classificados em variedades doce e seca, com o Bianco de teor moderado de açúcar sendo introduzido por volta dos anos 1960. A bebida faz parte de grandes clássicos da coquetelaria centenária mundial e de coquetéis contemporâneos, como Negroni, passando por Manhattan, Dry Martini, Spritz e os mais “jovens” Vermute & Tônica. É possível degustar também os vermutes puros com gelo ou misturados com água com gás.

Bar Velvet, no subsolo do restaurante Dias Bar & Mar, possui ambiente superintimista

Bar Velvet, no subsolo do restaurante Dias Bar & Mar, possui ambiente superintimista

O Velvet é um bar e um clube de jazz com apenas 14 lugares que funciona no subsolo do restaurante Dias Bar & Mar. A atmosfera mistura referências dos Anos Dourados do Rio de Janeiro com outras da Gilded Age de Nova York, quando o jazz explodiu para o mundo. O mobiliário é todo revestido de veludo azul e o balcão tem uma parede espelhada decorada com garrafas. Da carta de drinques criada pelo mixologista Jonas Aisengart, vale muito a pena provar o Ghost Mary (um Bloody Mary clarificado com água de tomate temperada) e o Velha Bossa, que mistura cachaça, xarope de abacaxi, espumante e gim infusionado com laranja kinkan. Na programação musical, quinta-feira é noite de Standard Jazz, sexta é a vez do Fusion Jazz e os sábados são dedicados à Bossa Nova.

Velvet - Foto Andressa Guerra

Velvet – Foto Andressa Guerra

 

Velvet: Rua Dias Ferreira, 410, subsolo, Leblon, tel. 21 2540-6981.

Como as mudanças de estação impactam na produção dos vinhos?

Como as mudanças de estação impactam na produção dos vinhos?

Cada estação do ano traz características distintas aos vinhedos, que refletem na produção e no consumo de rótulos em diversas regiões

O mundo do vinho tem algo de especial. Se visitarmos o mesmo vinhedo em épocas do ano diferentes – especialmente no hemisfério norte, onde as estações são bem demarcadas – visitaremos lugares distintos. Entramos no outono, momento em que se promovem as podas nas videiras, para prepará-las para o inverno – quando as plantações adormecem em uma espécie de meditação para se renovarem e trazer a vida novamente, explodindo em flores e frutos na primavera. No verão, acontece a colheita e tudo volta ao seu ciclo.

Nós, consumidores, tendemos a preferir alguns estilos de vinho conforme a estação, com os espumantes rosés e brancos no verão e na primavera e optamos por tintos no outono e no inverno. Confesso que, indiferentemente da época, minhas escolhas são mais em função do momento e da harmonização. Tenho consumido mais brancos do que tintos e mais evoluídos do que jovens e frescos, esses últimos que também vão bem nesta estação do ano.

Os vinhos têm a capacidade de oferecer sensações diferentes conforme a idade. Na juventude, ficam evidentes aquele frescor e vivacidade e, depois, no amadurecimento, a complexidade e exuberância se ressaltam. Sugiro, a seguir, alguns rótulos para a entrada do outono, entre estilos distintos.

 

Foto shutterstock | Divulgação

Foto shutterstock | Divulgação

 

Na Natural Vinci, indico o Solo Rosso G 2019, do produtor natural Maurizio Ferraro, custa R$ 331 e vale cada gota. Um espetáculo de uva do Piemonte de corpo leve e harmoniza com aperitivos, embutidos, caponatas e pão com calabresa. Já na Prem1um Wines, sugiro o espetacular Vinha do Infante, da Quinta do Infantado. É orgânico, delicioso, fresco e equ ilibrado, e sai pelo valor de R$ 194. Um vinho perfeito para as receitas de bacalhau nesta Páscoa!

E o biodinâmico excepcional do Ernesto Catena, o vinho Animal, custa R$ 194 na Mistral e é um Malbec super fresco, intenso e equilibrado. Esse vinho fica maravilhoso com um queijo emental, com choripan e com as carnes grelhadas. Na De la Croix vinhos, indico o delicioso e fresco Travers de Marceau, um vinho de Saint Chinian (AOC), do Languedoc-Roussillon, das uvas Syrah, Mourvèdre, Carrignan e Cinsault. Sai das mãos do talentosíssimo Monsieur Rimbert e faz sucesso com as térrines, com carnes curadas, com pato, é bem versátil.

No Brasil, recomendo o surpreendente e natural Vitale Pinot Noir, da Valparaiso, um delicioso e fresco Pinot, de fermentação espontânea e uvas orgânicas, que fica um espetáculo com aperitivos, com sanduíches e salada de batatas. Custa R$ 130 no site do produtor.

Por fim, indico um orgânico espanhol de Garnacha e Syrah, que sai por R$ 112 na La Pastina e vale muito a pena. É o Venta La Vega Adaras Aldea em Almansa de El Mugrón e que tem por trás o talento do craque Raul Perez. Aproveite as luzes do outono e saúde!

Bom de Copo: Conheça 6 lugares para degustar vinhos de qualidade em São Paulo

Bom de Copo: Conheça 6 lugares para degustar vinhos de qualidade em São Paulo

Bares, restaurantes e empórios se dedicam a receber bem e apresentam rótulos de qualidade a clientes que não dispensam um bom passeio pela cidade

Lembro quando não existiam bares de vinho na capital paulista. Eu mesmo e meus filhos abrimos um que quebrou, pois ninguém entendia o conceito à época. Foi em 1998, o lugar ficava na rua Araçari, na esquina com a Adolfo Tabacow, no Itaim. Todos achavam estranho uma carta de 36 vinhos em taça e nenhum cardápio, uma vez que havia um balcão com petiscos diversos para se servir à vontade. Entendi, então, que tudo tem o seu momento certo.

Hoje, fico feliz em ver a diversidade de excelentes bares e restaurantes onde é possível se sentar e tomar uma ou mais taças de vinho, além de “beliscar” alguma maravilha. É uma questão de cultura, de hábitos, que agora começamos a ganhar. Consigo, inclusive, listar endereços que primam pelos bons rótulos, com bons preços e, principalmente, com vinhos bem tratados, o que considero fundamental!

Aos sábados, por exemplo, você pode ir ao De la Croix Vinhos (Alameda Lorena, 678, Casa 1), que, das 11h às 18h, transforma sua loja em um delicioso bar a vin, com diversas opções em taça ou garrafa a preço de importador, e com terrines e queijos deliciosos! O local está em uma vila, é um espaço agradável e super bucólico.

No Shopping Iguatemi, dois lugares são muito especiais para se beber uma taça e oferecem um atendimento correto e elegante. O Piselli Sud, que dispensa apresentações, onde se tem sempre opções em taça de boa seleção de espumantes e vinhos, além de diversos acompanhamentos. E o Mistral Wine Bar, que apresenta uma enormidade de garrafas a preço de importador e vinhos em taça. Para acompanhar, peço umas bruschettas muito bem-feitas entre outras opções de queijos e frios. É um ambiente perfeito para marcar um encontro!

Os dois endereços da Daniela Bravin e da Cassia Campos também são pontos obrigatórios para quem gosta de bons vinhos. Falo do Sede, na Rua Benjamin Egas, 261, em Pinheiros – um espaço descontraído e informal, mas que oferece sempre simpatia e qualidade, em uma garagem que se abre para a ruela, e nas calçadas há cadeiras e banquinhos. O outro é o Huevos de Oro, na Pedroso de Morais, 267, que abre no fim da tarde em diante – no andar de baixo há muita descontração e mesinhas na calçada, e em cima o lugar é mais sóbrio e intimista. O destaque são os petiscos da chef Ligia Karazawa, que são sensacionais, e a carta da Cassia e Daniela, que enfatiza os espanhóis, com boas opções de jerezes.

Falta ainda destacar o Restaurante Cais, que fica na Vila Madalena, na Rua Fidalga, 314. O Guilherme Giraldi, uma simpatia e que cuida do salão, é apaixonado por vinhos naturais e tem uma das melhores cartas de taças que já vi, também com bons jerezes. E do talento de seu sócio, Adriano de Laurentis, saem maravilhas da cozinha, para mesa ou balcão. Bom passeio e saúde!

Restaurante Huevos de Oro, em Pinheiros  - Foto divulgação

Restaurante Huevos de Oro, em Pinheiros – Foto divulgação

Com garrafas desenhadas em parceria com artistas renomados, bebidas de “alta costura” atrai novos consumidores

Com garrafas desenhadas em parceria com artistas renomados, bebidas de “alta costura” atrai novos consumidores

Desenhados por designers, artistas e estilistas, o visual de alguns frascos de bebidas conquista colecionadores pela exclusividade de suas embalagens e de seus rótulos

Bons terroirs e aromas exclusivos não são os únicos detalhes que apreciadores levam em conta na hora de escolher uma bebida premium. Integrado ao universo da moda, das artes e do design, o visual distinto de alguns frascos atrai colecionadores pela elegância. Decorado com uma fina estampa de flores e espinhos azuis desenhada por Richard Quinn (estilista que era queridinho da Rainha Elizabeth II), o mais recente rótulo da Royal Salute Couture Collection é talvez um dos melhores exemplos disso. Além do visual primoroso, essa ousada série de whiskies contemporâneos traz acentuadas notas florais em seu blend, que é uma composição instigante de 31 variedades de whisky de malte e grãos, escolhidos a dedo e envelhecidos por 21 anos.

Ultra exclusiva, a venda do Couture Collection começou em agosto na plataforma Le Cercle – uma rede de e-commerce privada, gerida pelo grupo Pernod-Ricard e com acesso restrito a executivos convidados pela marca. Hoje, já é possível adquirir a garrafa em revenda na Amazon por valores que vão de R$ 1.990 a R$ 3.990.

 

Whisky Royal Salute Richard Quinn Collection – Foto divulgação

 

Anos antes de Richard Quinn, a japonesa Yayoi Kusama já havia emprestado sua veia artística ao mundo etílico. Conhecida mundialmente por suas obras de quê surrealista e pitoresco, a artista plástica foi convidada para desenhar o rótulo de uma safra especial da tradicionalíssima champanhe francesa Veuve Clicquot, em 2012. Batizada La Grande Dame e considerada até hoje a mais exclusiva da marca, a bebida era feita com 90% de uvas Pinot Noir e vinha em um frasco decorado com uma flor envolta em pontos coloridos (ambos, marcas registradas dos trabalhos de Kusama). Há ainda alguns exemplares remanescentes à venda no Mercado Livre a preços que variam de R$ 1.691 a R$ 1.920.

 

Champanhe La Grande Dame, da francesa Veuve Clicquot - Foto divulgação

Champanhe La Grande Dame, da francesa Veuve Clicquot – Foto divulgação

 

Já no ateliê virtual da Moët & Chandon, amantes de espumantes podem dar vazão à própria força criativa, criando garrafas exclusivas, personalizadas com cristais Swarovski. Acessando o site, é possível escolher uma variedade da bebida (entre o Imperial Brut e o Rosé Imperial), um tamanho de garrafa (de 1,5 litro, 3 litros ou 750 ml) e redigir uma mensagem para ser cravejada no rótulo e enviada para todo o Brasil. Os preços variam de acordo com cada escolha, podendo ir de R$ 669 a R$ 4.769.

Aos entusiastas dos sabores e das cores nacionais, a curitibana Sunset Premium Fresh Gin é outra referência visual de ponta. Em 2021, a marca foi ouro no Latin American Design Awards. Com um design elegante que lembra o formato esguio dos frascos de espumantes, as embalagens – idealizadas pelos sócios Marlon Moura e Tomaz Moscal em parceria com a empresa gaúcha Sweet & Co – podem ser adquiridas no instagram do grupo (@sunset.gin), por R$ 140. Em cada uma delas, vêm envasados 700 ml de um London Dry Gin altamente tropical, com base de zimbro siciliano e notas de eucalipto, menta, coentro, raiz de angélica, erva-mate, capim limão e frutas cítricas.

 

Sunset Gin - Foto divulgação

Sunset Gin – Foto divulgação