Revista Online: abril 2024 – ed. 171 – SP

Revista Online: abril 2024 – ed. 171 – SP

Marina Lima faz show no Noites Cariocas e se prepara para iniciar as celebrações dos seus 70 anos de vida

Marina Lima faz show no Noites Cariocas e se prepara para iniciar as celebrações dos seus 70 anos de vida

Uma das principais arquitetas do pop nacional, Marina Lima completa também 45 anos de uma carreira cheia de hits e sobe ao palco do Noites Cariocas agora em abril 

Sobrevivente de anos tenebrosos de pandemia e obscurantismo em que pátrias e famílias se partiram, Marina Lima segue colando os caquinhos, compondo, cantando, tocando e espalhando seu charme pelo mundo. A vida arranha, mas, mesmo assim, no dia 13 de abril essa eterna gata sobe ao Morro da Urca para apresentar no Tim Music Noites Cariocas seus hits atemporais. 

Autora de clássicos dos anos 1980 e 1990 que até hoje soam modernos, Marina completa 70 anos no ano que vem, mas já no segundo semestre deste ano dá início à turnê de um novo show que vai celebrar esse marco “biológico” e os seus 45 anos de trajetória na música. A idade parece não ser um obstáculo capaz de conter seu ritmo fullgás nível hard.

 

A cantora Marina Lima – foto Candé Salles

 

E, se tudo correr conforme o planejado, em 2025 poderemos ver também uma série sobre sua vida e sua obra, um projeto coordenado por seu amigo Candé Salles, idealizado pela atriz Luiza Mariani e dirigido pela prima dela, Joana Mariani. Trata-se de uma vida que não cabe apenas em um filme, precisa de uma série com vários episódios: eclética, ela já gravou com Caetano Veloso, com Martinho da Vila e com Mano Brown, já posou nua para a “Playboy”, sua primeira transa foi com ninguém menos que Gal Costa, teve um clipe seu inaugurando as transmissões da MTV Brasil, foi apresentadora do “Saia Justa” (do canal GNT), teve um show com cenografia assinada pelo premiado arquiteto Isay Weinfeld e escreveu um livro de memórias.

Na entrevista que ela concedeu à 29HORAS, a carioquíssima Marina revela a alegria de voltar a se apresentar no Rio, confessa que ainda se sente uma “estrangeira” morando em São Paulo mesmo tendo se mudado para lá em 2010, diz que, apesar de ser gata todo dia, vive um momento em que se sente um cachorrão solto e também fala da sua voz, de envelhecimento e etarismo, de seus anseios por um mundo mais igualitário e de seu inabalável apetite pelo novo. Confira nas páginas a seguir tudo o que essa inquieta artista contou para a gente.

Em 2025, você completa 70 anos de vida, mas as celebrações começam agora em 2024, com o projeto “Rota 69”. O que é esse projeto?
Esse será o meu próximo show, cuja turnê começa em agosto, no Rio, e depois vai rodar o Brasil. Pretendo mostrar uma espécie de esqueleto da minha carreira. Dar um panorama rico e completo. Já fiz milhares de apresentações ao vivo, mas eu acho que a base do meu trabalho todo está nos 21 discos que lancei, nas canções que compus e que gravei de outros compositores. Vou tentar mostrar esse perfil, o melhor que puder. Teremos ainda vídeos e imagens antigas nos cenários, lembranças e posturas que são para sempre.

E o seu show no Noites Cariocas, agora em abril no Morro da Urca? Como será essa apresentação?
Até maio farei shows da turnê “Nas Ondas da Marina”. Esse do Tim Music no Noites Cariocas é um dos últimos que apresento nesse formato, apesar de ainda estar adorando fazer esse show. Modéstia à parte, eu gosto muito do meu repertório e, desde que comecei, sempre tive como meta fazer canções que resistissem ao tempo. E me orgulho de ver que tenho conseguido. 

 

foto Guilherme Leite

 

Manter-se na ativa depois dos 50 – ou mesmo depois dos 40, em alguns casos – parece que incomoda muita gente… Outro dia ouvi você dizer que não quer ter outras idades, pois já viveu todas elas. O etarismo é uma questão que te incomoda ou é algo que nem merece a sua atenção?
Merece a minha atenção porque a maioria das pessoas convencionais estão “presas” a esse problema. A questão que realmente me preocupa no envelhecimento é tentar manter a minha vida o mais saudável possível, para poder desfrutar dessa experiência que é amadurecer e envelhecer. David Bowie tem uma frase linda a respeito: “Envelhecer é um processo extraordinário em que você se torna a pessoa que você sempre deveria ter sido”. Vou te revelar uma coisa: só me senti inteiramente livre para tomar as decisões mais difíceis, com autonomia, depois dos 60. Tenho a sensação de que estava me preparando para isso. 

A 29HORAS é a revista da Ponte-Aérea, e você é uma pessoa que leva a sua vida nesse vai-e-vem entre as duas cidades. O que te levou a “migrar” de uma cidade para a outra em 2010? E o que São Paulo tem de melhor e o que o Rio tem que nenhuma outra cidade jamais vai ter igual?
Em 2010, eu me sentia sufocada no Rio… parecia que não havia mais lugar para mim no cenário musical. Haveria, se ficasse fazendo mais do mesmo, como uma artista cristalizada que já tinha dado tudo que tinha para dar. E o meu caso era o oposto disso. Estava inquieta, cheia de ideias novas, querendo misturar o meu trabalho com outras sonoridades brasileiras e estrangeiras que estavam me interessando. Ao invés de ficar estagnada e chateada, resolvi me mexer. Me mudei para São Paulo, que é a maior cidade da América Latina. São Paulo é hospitaleira, acolhe um fluxo enorme de pessoas do Brasil e do mundo todo. O fato de eu mudar e encarar a vida lá me fez ser muito bem recebida, mas não é fácil você deixar uma cidade como o Rio de Janeiro. O Rio, além de lindo e de ter o mar, tem um jeito carioca que adoro com o qual me identifico. Eu me sinto uma estrangeira em São Paulo, mas descobri que isso me fez crescer muito.

Recentemente, vi imagens de um show que você apresentou em 2022 no Circo Voador e deu para perceber a euforia do público carioca por tê-la “de volta”. Você sente algo diferente quando se apresenta no Rio?
É claro! Porque me vejo ali, na alma do povo carioca. Devo confessar que tenho uma relação de amor e raiva com o Rio (risos). Amo a minha cidade e, se pudesse ter escolhido, provavelmente jamais teria me mudado. Mas a vida nem sempre é como a gente quer. E eu aprendi a adorar morar em São Paulo. Com a sua grandeza, sua diversidade e os amigos queridos que também me aquecem. Desigualdade e violência existem nas duas cidades, sendo que São Paulo ainda tem um agravante: a poluição. Esse show no Noites Cariocas será outro reencontro meu com o público carioca. E vai ser em um lugar muito especial, onde você canta com a cidade toda aos seus pés, aquela vista que só o Rio de Janeiro tem…

 

foto Candé Salles

 

Logo após a pandemia, você desmanchou o seu casamento de dez anos com a advogada Lídice Xavier. Os períodos de confinamento e isolamento foram duros para você? Foi uma fase produtiva ou de bloqueio criativo?
O período da pandemia foi uma fase rica para mim, de muita produção. Pela impossibilidade de sair, ver gente e trabalhar, direcionei a minha atenção para estudar, ler e compor. Foi nesse período que finalmente lancei o meu songbook contendo toda minha obra, que é bem grande… também lancei um EP digital com quatro inéditas. Às vezes esses sustos que passamos pela vida, como uma pandemia, genocidas, as mortes todas, nos fazem encarar o mundo de uma forma mais crua e real. Isso vale para casamentos, famílias, amizades. Tudo é revisto, né?

No final dos anos 1990, você teve sérios problemas com as suas cordas vocais. Clinicamente, qual é o estado da sua voz atualmente?
Foi tudo superado. Era um problema emocional que afetou as minhas cordas vocais. Uma misto de depressão com crise existencial que durou alguns anos. Mas eu, como boa virginiana que sou, cavei, cavei e cavei até encontrar e trazer o meu ouro de volta. A fonoaudiologia foi também muito importante nesse processo. Parece brincadeira, mas a sensação que tenho é a de que, pelo fato de ter ficado alguns anos quase sem cantar e sem “brincar” com a minha voz, uma aura dela foi preservada. Tenho cantado com alegria, vigor e técnica novamente. Sinto que cada dia ela está melhor. 

Em 1990, a MTV Brasil entrou no ar com um clipe seu – uma versão pop de “Garota de Ipanema”. A propósito, ao longo da sua carreira você já passeou pelos mais variados gêneros musicais e ritmos, como o rock, o soul, a bossa nova e a música eletrônica. Para onde caminha a sua música? Para qual direção a sua bússola tem apontado?
Cara… Eu tô só esperando a hora de fazer uma nova imersão nos estudos de violão, no domínio da linguagem midi (para gravação) e na alimentação vegana. Estou em um momento de buscar sentidos para as coisas novamente, é uma coisa mais do que apenas musical. Sabe aquela imagem de quando se solta um cachorro em um campo verde, bem grande? Eu tô me sentindo como aquele cachorro.

 

foto Candé Salles

 

Para 2025, o seu amigo Candé Salles e a diretora Joana Mariani estão tocando o projeto de uma cinebiografia da sua trajetória. O que você pode adiantar para a gente sobre esse projeto?
Essa é uma ideia que veio da Luiza Mariani, que é a atriz que vai me representar na tela. Nós já tivemos alguns encontros, nos quais eu contei um pouco da minha história. A Luiza é prima da Joana, e as duas já trabalharam juntas no filme “Todas as Canções de Amor”, uma como atriz, a outra como diretora. Vamos rodar uma série sobre minha vida e obra. Agora o projeto está em fase de roteiro, e as minhas expectativas são as melhores possíveis!

Neste momento, uma versão de “Eu Não Sei Dançar”, na voz de Maria Maud, está sendo destaque da trilha sonora da novela “Renascer”. Sei que você já teve várias canções em produções televisivas – até mesmo em aberturas de novela –, mas como é ver uma canção sua fazer sucesso na voz de outra cantora e ainda mais 33 anos após o seu lançamento?
Me emociona. Ainda mais quando eu gosto, como é o caso da Maria. É aquilo que já te falei anteriormente, que sempre tive a meta de compor, gravar canções, criar arranjos, que resistissem ao tempo. É o caso com “Eu Não Sei Dançar”, uma canção do Alvin L que a Maria Maud regravou lindamente.

Você reclama que, no começo da sua carreira, todos questionavam a legitimidade de mulheres que eram cantoras e instrumentistas, compositoras e formadoras de opinião. Como se as mulheres não tivessem a capacidade de brilhar em tantas áreas. O que mudou no mundo da música nas últimas décadas e o que ainda tem de mudar para termos um ambiente mais igualitário e menos preconceituoso?
Vamos ser justos, o que mudou foi o mundo inteiro, não só o nicho da música. Acho que nós, “minorias”, estamos caminhando bem. As mulheres, a população LGBTQIA+ e os pretos estão tendo mais reconhecimento e ocupando mais espaços. E, na boa, acho que só assim é que todos podemos ter uma visão do mundo real com todas as suas belezas, suas diferenças e até suas crueldades também.

Você é conhecida há décadas por ser uma mulher estilosa. Afinal, qual é o charme do mundo?
Para mim, o charme do mundo reside na maneira que lidamos com as dificuldades, as durezas e as aberrações da vida. Quem consegue equilibrar tudo isso com bem-aventurança, leveza e uma certa alegria tem todo o charme do mundo.   

 

Marina em seu apartamento no bairro paulistano de Higienópolis – foto Candé Salles

Restaurante Gurumê, no Leblon, lança menu japonês ‘plant based’ que é atraente para todos os paladares

Restaurante Gurumê, no Leblon, lança menu japonês ‘plant based’ que é atraente para todos os paladares

Menu vegano do restaurante Gurumê traz legumes, frutas e verduras como ingredientes principais de sushis e ceviches

O restaurante Gurumê acaba de lançar seu cardápio vegano, o Veg Mê, assinado por Nanda Capobianco, naturopata e certificada como terapeuta de nutrição integrativa pelo Landmark Worldwide e pelo Instituto de Nutrição Integrada, ambos de Nova York. O novo menu tem maravilhas como a pipoca de couve-flor, o ceviche de banana da terra, os sushis crocantes de palmito pupunha, os jyos de abobrinha e provolone vegano, a “posta” de tofu em crosta de pistache e creme de cogumelos, o usuzukuri de abobrinha e os hot rolls de edamame com molho tarê.

Surgida a partir da demanda de clientes por opções veganas, a linha Veg Mê tem preços inferiores aos da linha de pratos “convencionais”, sendo, portanto, mais acessível. E os produtos não foram pensados exclusivamente para o público vegan, eles são atraentes, saborosos e capazes de satisfazer todas as pessoas que apreciam a delicadeza e a potência da gastronomia japonesa.

 

foto divulgação

 

Gurumê
Avenida Ataulfo de Paiva, 270, Leblon.
Tel. 21 4042-1914.

Em Ipanema, bar Nosso aposta em comidinhas com sotaque asiático e em refrescantes drinques à base de frutas

Em Ipanema, bar Nosso aposta em comidinhas com sotaque asiático e em refrescantes drinques à base de frutas

Neste final de verão carioca, bar Nosso renova sua carta de bebidas e inclui novos petiscos em seu cardápio 

Para celebrar seus 7 anos de sucesso, o bar Nosso acaba de renovar sua carta de bebidas e, claro, incluir alguns novos petiscos em seu cardápio de comidinhas. Dos refrescantes coquetéis criados pelo head bartender Daniel Estevan, vale destacar o Limone Smash (que mistura rum branco, limoncello, limão tahiti e hortelã), o Mango Sunset (elaborado com gim, purê de manga, limão tahiti, capim limão, aperol e vermute seco), o Tikki in RJ (rum envelhecido, hortelã, orgeat, suco de limão e água com gás) e Brazilian Fitz, releitura do Fitzgerald, aqui feito com gim, limão tahiti, polpa de acerola e bitter.

Recém-chegado da Ásia, o chef Bruno Katz explora os sabores e aromas típicos do Japão, da Coreia e da China na concepção das novas delicinhas da casa. O nipo Tirashi de Atum combina cubos de peixe e molho à base de shoyu, mirin e molho de ostra com arroz, nirá, mandiopan de alga nori e maionese kewpie. Já o Bao de Bochecha de Porco traz a carne envolta em molho barbecue coreano, amendoim, coentro e picles. E tem ainda os chineses Dumplings de Camarão, servidos com sweet chilli de maracujá.

 

foto divulgação

 

Nosso
Rua Maria Quitéria, 91, Ipanema.

Museu do amanhã oferece tour imersivo pela floresta na exposição “Sentir o Mundo – Uma Jornada Imersiva”

Museu do amanhã oferece tour imersivo pela floresta na exposição “Sentir o Mundo – Uma Jornada Imersiva”

Museu do Amanhã apresenta a exposição “Sentir o Mundo – Uma Jornada Imersiva”, que revela segredos da vida animal e faz a alegria e de curiosos de todas as idades

A exposição “Sentir o Mundo – Uma Jornada Imersiva”, em cartaz no Museu do Amanhã até o dia 2 de junho, permite que o visitante mergulhe em uma aventura sensorial única. A mostra é dividida em três áreas temáticas que evidenciam perspectivas de diferentes espécies na natureza por meio de projeções em alta definição, sons e estímulos olfativos. São elas “No Dossel da Floresta”, “Por Dentro do Solo” e “A Dança dos Insetos”. Aromas desenvolvidos especialmente para a exposição ajudam a “criar o clima” em cada um dos ecossistemas.

No “Dossel”, é possível se sentir na copa das árvores, espaço por onde circulam aves e bichos-preguiça. Com a ajuda de um superzoom, “A Dança dos Insetos” exibe em detalhes o trabalho de formigas carregando folhas e abelhas polinizando flores, por exemplo. Na área “Por Dentro do Solo”, pode-se ver como são as tocas onde vivem animais como tatus e toupeiras e dá até para sentir aquele cheirinho de terra molhada depois da chuva.

 

foto divulgação

 

Museu do Amanhã
Pier Mauá, 1, Centro.
Tel. 21 3812-1812.
Ingressos de R$ 15 a R$ 30 (às terças-feiras, a entrada é gratuita).