fbpx
logo
logo
A nova era dos festivais de música é dentro de casa

A nova era dos festivais de música é dentro de casa

É tempo de acompanhar os festivais de música ao vivo através das telas. E a variedade de opções é vasta.

Woodstock. Todos sabem o que foi. O mais icônico festival da cultura hippie, da paz e do amor abraçado pela música. É uma referência, é memória afetiva de quem foi, é sonho de que nem havia nascido. Por isso vários outros festivais buscam repetir aquele clima de utopia e liberdade. Tivemos aqui, por exemplo, o Festival de Iacanga que, recentemente, virou um documentário incrível já disponível na Netflix. Vale a pena. Até João Gilberto foi. Um grupo de amigos, uma fazenda, um pai muito bacana que topou a brincadeira, e um desejo enorme de encontro.

No Brasil, os festivais são na sua maioria de música independente. Estão espalhados por este país continental. Para lembrar de alguns: em Pernambuco tem o No AR Coquetel Molotov; no Pará, o Se Rasgum; em Goiania, o Bananada, no Rio Grande do Norte, o Festival do Sol; no Maranhão, o BR 135. E em São Paulo tem o Popload e o Coala.

 

Uma delícia correr esse circuito e conhecer música nova, local, diferente. Agora na pandemia, alguns desses festivais estão online. O Coquetel Molotov fez uma edição incrível. Você pode acompanhar programações no site de eventos Sympla, assistir, contribuir, manter a roda girando nesse chamado ecossistema da cultura e da música.

O primeiro a sair foi um festival emergencial chamado FicaEmCasa e que foi inspirado por uma iniciativa semelhante em Portugal. Foi bem no começo do isolamento no Brasil e foram dias, centenas de artistas, muitas horas no ar, cada um de sua casa em todos os cantos do país. Foi lindo.

A Casa de Francisca começou uma série de espetáculos dirigido por cineastas. Um luxo! O cenário da casa é maravilhoso e as pequenas equipes de cinema, com todos os cuidados, fazem a fotografia, a luz, o corte, e fica maravilhoso. Tivemos Tulipa Ruiz em preto e branco com direção de Lais Bodanzky e Siba com direção de Lô Politi. Ao vivo. O público em casa e com venda de ingressos para o mundo todo, especialmente para o Japão que ama nossa música. É possível acompanhar as novas programações e as reprises no site.

Eu fiz a experiência de assistir na tela da TV e foi muito bacana fazer todo o ritual, abrir um vinho, aumentar o som, comentar com amigos também conectados.

É diferente, sem dúvida. Muito longe de Iacanga e Woodstock, mas tem música, tem arte, tem vida. Ouvir música faz bem. Assisti-la sendo feita ao vivo é ainda melhor. E a criatividade não tem limites. Que a tecnologia seja cada vez mais acessível para que a arte e a educação cheguem para todos.

A música brasileira merece esse cuidado. Nós também.

29HORAS em casa: EAD da quarentena

29HORAS em casa: EAD da quarentena

Tenho lido muitos textos contendo dicas e sugestões de como passar “bem” a quarentena. Cheguei à conclusão de que eu posso montar um curso inteiro. EAD. Educação À Distância do Isolamento em poucas lições.

Este conteúdo é fruto de um experimento forçado cujos resultados foram bons para mim. Podem não ser para você. Até porque as minhas condições de temperatura e pressão não são as mesmas que as suas. Portanto, não necessariamente destina-se a todo tipo de público.

Antes de prosseguir responda a pergunta: Eu sou a minha melhor companhia?  Se for, você passou pelo primeiro estágio. Ou volte a para terapia. Isso aqui é EAD. Meu curso seria mais ou menos assim:

Aula 1. Tudo Começa pela Comida

Pessoas bem alimentadas raciocinam melhor. É altamente recomendável que você se arrisque na cozinha. Afinal, ninguém consegue pedir comida o tempo todo. Mas vá além. Inove um pouco. Mantenha o bom hábito de montar uma mesa bonita, tirar do armário aquela louça que você guarda para as visitas. E surpreenda. “Que tal um chocolatinho quente agora?” Ofereça-se para servir. Quem gosta de cozinha gosta de servir. Olhar para a expressão de felicidade de seus co-habitantes recebendo um pedaço de bolo, uma bola de sorvete, pipoca no capricho. Não fique alucinado na dieta. Vá para próxima aula.

Aula 2. Não deixe a peteca cair

Aproveite para colocar a pele para descansar um pouco e tire aquela máscara facial que você não se lembra de usar. Nunca fez um tutorial de maquiagem? Vai lá! Minha vida mudou depois que aprendi a passar delineador. Arrume-se. Não queira ser você a visão do desleixo. E cadê o exercício? “Odeio fazer exercício em casa”. Neste caso, repita o mantra: “Massa magra, não me deixe”! “Massa magra, não me deixe”. Agora, se você não fazia exercícios antes, tente começar. Dê este presente de quarentena a você mesmo.

Organize suas coisas para se sentir mais organizado. Funciona. Viva em meio à limpeza e seja mais feliz. Faça parte do clube neuróticos por álcool gel, mas comece pela sua casa. Tenho visto higiênicos de pandemia espalhados por todo canto. Gente que não tinha os melhores hábitos tornou-se do dia para noite o “Mister Clean”. Vai ao mercado em busca das últimas novidades para lavar o banheiro mas guarda aquele sapato mofado, sabe…

Aula 3. Home Office

Prefiro a rotina de sair de casa, colocar uma camisa branca, até pegar um pouco de trânsito. Para mim, Home Office é igual Cheese Cake. Queijo é queijo. Bolo é bolo. Home é Home. Office é outra coisa. Mas não tem jeito. Ou você se adapta ou vai sofrer. É muito importante manter a disciplina. Acordar cedo e mostrar-se apresentável se tiver que abrir a porta. Golden rule: providencie local e móveis adequados, do contrário você vai ter que se auto licenciar do home office por não seguir as instruções de ergonomia quando foi admitido. Caso esteja em esquema de co-working no home-office don’t-play-the-fool , já que é tudo em inglês. Evite comentar as notícias o tempo todo e pensar alto. Não tire a sua concentração e a dos outros. Faça a pausa do café. Pode até colocar uma música ambiente. Mas não abuse . Mantenha-se empregado, por favor. Será lamentável ser demitido pela própria família.

Aula 4. Relacionamentos

Ah…essa aula virá com tutoriais, cases, vídeos do tipo “encontre o erro” e o inédito “Meditação em 10 segundos”. Comprovadamente eficaz ao evitar tragédias.

Mas o negócio é o seguinte: se conviver 24 horas está mais difícil que 24 anos, sinto informar que o problema não está na quarentena. Resolva isso. Sem mais.

A palavra chave aqui é foco. Aproveite este tempo juntos e preste atenção. Seu companheiro/ companheira está tão vulnerável quanto você. Encapsulado como Jeannie na garrafa, mas sem poder fazer 3 pedidos. Reveja as aulas número 1 sobre comida e número 2 sobre não deixar a peteca cair . São complementares. Não se deixe contagiar negativamente pelos gritos da vizinhança. Mantenha seus rituais.

Aula 5. A armadilha das vídeos-chamadas, lives e mídias sociais

A vídeo-chamada não funciona mais para mim. Talvez você não tenha se dado conta, mas este pode estar sendo um ponto de stress. É o meu caso.  Acredito que meu inconsciente guardou lembranças de reuniões passadas que me assombram quando aquele rostinho aparece na tela. É diferente de matar a saudade de seus familiares e amigos. Também não me refiro aos profissionais que estão fazendo teleatendimento e mantendo nossa saúde física e mental no meio de tudo isso. Mas fico com as vozes e as letras. Muito mais eficientes. Sem contar que no mundo corporativo a vídeo-chamada nos prega peças. Meu gato adora uma vídeo-chamada. Quer participar de todas, desfilando sobre o computador. Se você não está em um ambiente 100% controlado, evite a chamada de vídeo quando possível.

Desativei por tempo indeterminado a notificação “Fulano está ao vivo agora”. Who cares??? O que era novidade virou “mico” em muitos casos. O jargão “Quem sabe faz ao vivo” ganhou outro sentido para mim. Abuse da seletividade. Aliás, isto vale para todo conteúdo. Parece que a ansiedade da informação foi elevada à centésima potência. Preciso mesmo ver todos os cursos online, aulas de yoga e pocket shows sem graça ? No way. Permita-se um descanso desta enxurrada.

Por fim, não desabafe toda a sua revolta nas mídias sociais. Você vai ler o que escreveu tempos depois e pode se arrepender. Ninguém tem bola de cristal, nem é o dono da verdade absoluta. Não crie mais stress desnecessário. Seja um otimista com os pés no chão.

Mas também não seja o último flagelo da paz, aquele que tem sempre a #vaipassar  para carimbar na sua cara junto com o #fiqueemcasa. Essas hashtags conseguiram ser pior que #juntosomosmaisfortes, de tão óbvias e repetitivas. Crie a sua hashtag. Sejamos criativos!

Eu tenho uma minha: #vivaavida. Pois se você está #emcasa, #comsaúde e #semantendo, #agradeça. Não “estamos no mesmo barco”. Estamos na mesma tempestade, expressão cunhada brilhantemente por uma amiga. A diferença é que alguns estão navegando em um iate 5 estrelas e outros se agarrando em um pedaço de canoa quebrada.

Então se é possível, faça de você a sua melhor companhia e enfrente!

Acompanhe outras reflexões no meu blog, te vejo lá.

Planejamento dos espaços da casa durante a quarentena

Planejamento dos espaços da casa durante a quarentena

É fato que a casa ganhou um novo significado durante esse período, mudando a perspectiva dos moradores. Ao invés de ser apenas um lugar para pousar e dormir, se transformou em um espaço onde as pessoas vivem em sua plenitude, exercendo todas as funções de um dia completo: descansam, trabalham, se alimentam, praticam exercícios e aproveitam os momentos de lazer e relaxamento.

Sendo assim, torná-la mais aconchegante e funcional virou um verdadeiro sonho de consumo. Com toda atenção voltada para o lar, o desejo de mudar a decoração, sem a intervenção de grandes reformas, ecoa e pode modificar completamente o astral de um ambiente.

Antes de sair por aí trocando tudo, é essencial fazer um planejamento. Com o comércio funcionando de forma online, as compras precisam ser mais estudadas e programadas – inclusive no aspecto financeiro. Para ajudar nesse processo, a arquiteta Isabella Nalon reuniu algumas dicas. A experiência da arquiteta na Prefeitura da cidade de Münster, na Alemanha, com a criação de uma visão plural e ampla de diferentes culturas e públicos, agora refletem em sugestões para reinventar casas. “Afinal, o importante é sentir-se bem na sua casa. O caminho é descobrir a decoração que o morador mais se identifica”conta.

Confira as mudanças possíveis em cada ambiente a seguir:

1) Cozinha cheia de alegria:

O cômodo mais delicioso da casa deve combinar com a personalidade e o estilo de vida dos moradores. Sem mexer na estrutura, ‘brincar’ com os elementos e investir em quadros, gravuras e objetos é uma forma de transformar com alegria o ambiente.

Exemplo de mudança na cozinha, projeto de Isabela Nalon

Exemplo de mudança na cozinha, projeto de Isabella Nalon

Isabella Nalon ensina que em uma cozinha com parede branca há sim muito potencial! “Nesse projeto, vestimos as paredes com quadros que foram garimpados em diversas lojas. O estilo assimétrico contribuiu para a essência despojada que procuramos para o ambiente”,revela.

Frases motivacionais, palavras positivas e até uma lousa de recados ajudaram a compor a superfície. Além disso, móveis coloridos, como o volante azul petróleo e as banquetas caramelo, deixaram o local ainda mais moderno.

2) Sala do bem estar:

A sala de estar, por ser o ambiente mais frequentado do imóvel, precisa acolher, refletir o modo de vida e jeito de ser dos moradores. Nesse momento, o ideal é rever o que existe ou aquilo que falta. “Uma vez definido o que realmente se quer e gosta, é hora de buscar o que trará completude ou mesmo reposicionar móveis e objetos de maneira funcional para a rotina”recomenda.

Projeto de Sala de Estar de Isabella Nalon

Projeto de Sala de Estar de Isabella Nalon

Antes vazia – com a presença apenas do sofá de dois lugares, o pufe, tapete com desenho geométrico e cortina, a sala foi redecorada por Isabella. Como protagonista, a gallery wall respondeu como recurso principal para a mudança no décor. Almofadas, mesinha lateral com uma luminária, mesinha de apoio e uma mantinha proporcionaram o toque especial que faltava no apto do morador.

3) Hora de relaxar:

O dormitório, que nos recebe para os momentos de relaxamento, também precisa de atenção. Depois de escolher minuciosamente os itens que serão descartados e aqueles que permanecerão, chegou o momento de redecorar. “Costumo dizer para meus clientes que muitos objetos contam com o seu momento de vida. Devemos rever nossos objetos, alguns por não estarem mais em boas condições e outros por não responderem mais por nosso momento atual de vida. E isso está tudo bem! Mas nem tudo deve ser jogado fora, já que alguns têm história e podemos dar a eles um novo significado”, reflete a arquiteta.

Projeto de quarto de Isabella Nalon

Projeto de quarto de Isabella Nalon

Essa reflexão vem acompanhada da percepção sobre aquilo que falta para o bem-estar no quarto, como uma cabeceira ou pufe para acompanharem a cama, mais iluminação ou outros itens menores para o décor como luminária de leitura, um enxoval novo para a cama, almofadas porta-retrato, velas, quadros, espelhos e até um tapete.

Os elementos selecionados por Isabella complementam o clima acolhedor e romântico que já existia com o papel de parede no quarto. “Com as escolhas certas, uma renovação simples, mas a sensação é de um quarto novo!”, celebra.

4) Mais uma dica importante:

Mesmo com um passo a passo descomplicado, pode ainda aparecer dúvidas sobre as decisões a serem tomadas. Assim, a contratação de uma consultoria online de um profissional que compreenderá os anseios do cliente é uma boa opção.

Projeto 3D, encontros virtuais e uma relação com as sugestões de produtos a serem comprados fazem com que o morador se sinta confiante e coloque em prática – e no lugar – a renovação. “Mesmo durante a quarentena, é possível ressignificar a sua relação com o lar”, finaliza Isabella Nalon.

Reproduza drinques de bares famosos em casa

Reproduza drinques de bares famosos em casa

Em tempos de quarentena, todo mundo procura por momentos de descontração e alegria junto com as famílias, mesmo que a ordem seja ficar em casa. Para curtir bons drinques, O Pasquim Bar e Prosa e Vero Coquetelaria e Cozinha compartilharam receitas que fazem sucesso nas casas para que você possa reproduzi-las no conforto de seu lar. Confira:

Caipirinha de  Tangerina com Lichia do ‘O Pasquim Bar e Prosa’

Capirinha de tangerina com lichia do Pasquim Bar e Prosa

Capirinha de tangerina com lichia do Pasquim Bar e Prosa

Ingredientes:

3 gomos de tangerina
3 unidade de lichia
1 colher rasa de açúcar
50 ml de cachaça

Guarnição:
Rodela de tangerina e lichia

Modo de preparo:
Amasse os ingredientes, acrescente a cachaça, o gelo e mexa.

Drink Detox  do ‘Vero Coquetelaria e Cozinha’

Drinque Detox da Vero Coquetelaria e Cozinha

Drinque Detox da Vero Coquetelaria e Cozinha

Ingredientes:

50 ml de vodca Ketel one 
3 rodelas de kiwi
40 ml de suco maçã clarificada
30 ml suco verde
15 ml xarope de açúcar (duas colheres de açúcar para uma de água)
1 rodela de limão siciliano flambado

Modo de preparo:
Amasse o kiwi e adicione todos os ingredientes no copo. Adicione gelo e faça uma coagem dupla. Flambe o limão siciliano e coloque na borda do copo para trazer aroma antes do primeiro gole.

29HORAS em casa: O futuro do cinema

29HORAS em casa: O futuro do cinema

O faturamento das bilheterias de cinema zerou no país. Começo a coluna de hoje com essa frase triste, mas real. Quando a pandemia ganhou força no país no final de março e as medidas de isolamento social foram decretadas pelos estados, as salas de cinema fecharam temporariamente, assim como restaurantes, bares e teatros. Lugares que amo e muitos que me leem também.

Deixando a melancolia de lado, é hora de encarar a realidade, lidar com ela e projetar as tendências futuras. Falar de cinema no Brasil requer alguns recortes. As salas de exibição ainda ficam concentradas nos grandes pólos urbanos do país, como São Paulo e Rio de Janeiro. Imagino que o novo normal reforçará as desigualdades, inclusive de acesso aos cinemas. Ir a uma sala de cinema me parece que será um evento mais caro e ainda mais pontual no novo normal. 

Mais uma vez deixando o baixo astral de lado, alguns fundos emergenciais foram criados. A  Agência Nacional do Cinema (Ancine) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) preparam uma linha emergencial de crédito para socorrer a indústria. Mas entraves burocráticos são esperados. 

Já a Netflix e o Instituto de Conteúdos Audiovisuais Brasileiros (ICAB) anunciaram a criação do Fundo Emergencial de Apoio à Comunidade Criativa Brasileira, que reúne a quantia de R$ 5 milhões a ser distribuída para profissionais do setor. Para se candidatar a receber o benefício, que será um depósito único de R$ 1.045 -, os profissionais precisam acessar o site do ICAB

E, por falar em streaming, eles nunca tiveram tão em alta. Uma pesquisa da Nielson, mostrou que os americanos aumentaram o consumo on demand em 85% desde o início da quarentena. Por aqui, plataformas anunciaram até um mês de graça para que as pessoas pudessem se aproximar desses serviços, caso ainda não assinassem. 

Lançamentos de filmes diretamente nas plataformas já acontecem. A exemplo do novo documentário do diretor cearense Karim Ainoux, “Aeroporto Central”, que estreou em 24 de abril no Now e em outros serviços. Inclusive o Oscar de 2021 não exigirá que as produções passem por salas de cinema para concorrer à premiação. 

Cine Drive-In, em Brasília, segue funcionando em meio à pandemia

Cine Drive-In, em Brasília, segue funcionando em meio à pandemia

Não poderia deixar de mencionar uma possível tendência, que é quase uma volta no tempo. Os cinemas drive-in, onde os espectadores veem o filme de seus carros, podem pipocar pelas cidades de novo. Muito populares nos Estados Unidos nos anos 1950 a 1970, a alternativa evita proximidade e contato entre pessoas desconhecidas. 

No Rio de Janeiro, a Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, vai inaugurar um cinema drive-in até o fim de maio. Como disse ao jornal O Globo a presidente da fundação, Renata Monteiro, a ideia é que haja programação de terça a domingo, com uma sessão noturna por dia. O espaço terá lanchonete com vendas online e vai abrigar 150 carros. Será permitido apenas duas pessoas por carro e o ingresso será vendido por veículo, não por pessoa. A curadoria ficará por conta da Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio.

Em São Paulo, o Allianz Parque, estádio do Palmeiras, planeja um projeto de cinema drive-in que deve ser inaugurado em até dois meses. O projeto “Arena Sessions” contará com filmes, shows e palestras. A ideia inicial é exibir clássicos. Eu, claramente, me empolgo com essa possibilidade!