fbpx
logo
logo
Mídia OOH: digital em casa, na rua e em qualquer lugar

Mídia OOH: digital em casa, na rua e em qualquer lugar

Profissionais da propaganda avaliam que a escuta ativa às necessidades dos consumidores aliada ao avanço tecnológico são tendências nas mídias.

A transformação digital, que já acontecia e foi acelerada pela pandemia, criou um ambiente extremamente desafiador para o profissional de propaganda e marketing, em meio à vasta diversidade de novos canais e métricas, e convergência de meios. Se este momento pelo qual o mundo atravessa fez com que a sociedade passasse por muitas mudanças e adaptações, com a propaganda não foi diferente.

 

Foto - Divulgação

Foto – Divulgação

 

“Houve um ganho de complexidade dos processos de decisão de compra por parte do consumidor, o que elevou consideravelmente a noção de propósito das marcas. Os anunciantes alteraram suas estratégias de comunicação a curto prazo, com foco em ajudar, entreter, apoiar e ser útil às pessoas, mais do que vender produtos”, analisa Sandra Martinelli, Presidente Executiva da Associação Brasileira de Anunciantes (ABA). Segundo ela, consumidores cobram posicionamentos e valores que devem ser representados não só na comunicação, mas que devem ter consistência da porta para dentro. “A publicidade precisa refletir esses compromissos em uma relação leal, coerente e próxima ao público.”

 

Sandra Martinelli - Foto: Divulgação

Sandra Martinelli – Foto: Divulgação

 

Para Armando Ferrentini, publisher e diretor-presidente do Propmark, a publicidade brasileira tem a capacidade de enfrentar esse cenário. “O modelo brasileiro de publicidade, que é full service, ou seja, inclui na estrutura criação, mídia, atendimento, planejamento, pesquisa, produção e performance, é uma vantagem competitiva. Em vários países, a mídia é feita de forma independente e com olhar financeiro, o que torna tudo mais caro. O modelo brasileiro é campeão, está integrado à economia criativa em que esse país tanto se diferencia.”

 

Armando Ferrentini - Foto: Divulgação

 

Tradicional e inovadora

Criatividade e reinvenção podem ser percebidas e materializadas na mídia Out Of Home (OOH), que é capaz de se transformar e atender a novas demandas rapidamente. “A mídia exterior ou OOH é uma das mídias mais tradicionais e ao mesmo tempo mais inovadoras, com excelente custo-benefício, alto poder de impacto, amplo alcance e que já passou por diversas transformações nos últimos anos”, define Sandra Martinelli. “As marcas têm apostado nessa mídia, seja em anúncios em outdoor, no transporte urbano, em abrigos de pontos de ônibus ou painéis digitais, para restabelecer vínculos do cotidiano e dissipar mensagens de esperança, muito importantes nesse momento de insegurança e incerteza.”

 

Foto - Divulgação

Foto – Divulgação

 

Assim como toda a indústria da comunicação, o mercado de mídia OOH aponta como tendência o digital (Digital Out of Home), ou DOOH. Os painéis de LED, por exemplo, trazem mais visibilidade e destaque às propagandas com imagens de excelente resolução, animações e vídeos. Com monitores cada vez mais modernos e tecnológicos, a mídia DOOH consegue sincronizar seus anúncios de acordo com datas, horários, fluxo de pessoas e até condições meteorológicas.

Representante dessa modernização, a Eletromidia aposta no dinamismo, no desenvolvimento de novos modelos de hardwares e na expansão para novos espaços. “A segmentação segundo os mais diversos recortes da população será cada vez mais uma realidade para a construção de campanhas de comunicação verdadeiras, empáticas e assertivas. Estamos construindo um novo conceito de conexão entre marcas e pessoas em que o avanço tecnológico transformará a experiência pelas cidades”, explica Alexandre Guerrero, CSO da empresa.

 

Alexandre Guerrero - Foto: Divulgação

 

O poder de adaptação e superação é a chave para qualquer evolução. A crise chegou de uma maneira que ninguém poderia prever e a publicidade assumiu um papel ainda mais relevante como elo entre a sociedade e o capital criativo de transformação das marcas. “A adaptação da propaganda foi além de comunicar um produto ou uma marca. O principal ajuste foi na maneira de se comunicar com o público. Agora somos o primeiro veículo de comunicação do Brasil a ter papéis negociados na B3, e isso nos enche de orgulho e fortalece o nosso objetivo de sermos agentes transformadores do mercado de mídia. Queremos ampliar nossa presença, combinando escala e tecnologia, para continuar reinventando o OOH a ser cada vez mais digital e conectado às pessoas”, finaliza.

 

Foto - Divulgação

Foto – Divulgação

Campanha brasileira denuncia o assédio sexual e moral no mercado publicitário

Campanha brasileira denuncia o assédio sexual e moral no mercado publicitário

Inspirado no #MeToo, movimento contra o assédio sexual lançado nos Estados Unidos em outubro de 2017, o mercado publicitário brasileiro iniciou uma mobilização contra esse tipo de crime muito comum em agências, empresas e, especialmente, em sets de filmagem. 

Neste ano, em parceria com o #MeTooBrasil, a Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais apresentou uma filmagem com relatos reais de assédio em forma de roteiros de filmes. 

Denominada “Corta!”, a campanha criada pela agência Leo Burnett Tailor Made reforça a necessidade de mudança de comportamento na indústria audiovisual com relação ao assédio sexual no trabalho. É apresentada como um pacto de conscientização contra o assédio na indústria do audiovisual e disponibiliza o #MeTooBrasil para denúncias e o atendimento as vítimas.  

Os filmes retratam situações de comportamentos abusivos que aconteceram em festas, eventos oficiais do mercado e até mesmo em um típico dia de trabalho dentro de um set de produção, com diretores, produtores, atores e profissionais do segmento. 

“Isso não é um roteiro. Isto é uma história real. Isto precisa ter fim. Corta!, um movimento contra o assédio na indústria do audiovisual”, prega a campanha da APRO.

No final de 2017, uma pesquisa promovida pelo Grupo de Planejamento havia revelado que 90%​ ​das​ ​mulheres​ ​e​ ​76%​ ​dos​ ​homens​​​ ​já​ havia sofrido​ ​assédio​ ​moral​ ​ou​ ​sexual​ ​no​ ​trabalho. Desse total, 51% das mulheres afirmaram terem sido vítimas de assédio sexual. 

O chamado GP levou o resultado desse levantamento para 65 agências de São Paulo, mostrando que o problema poderia afetar inclusive a produtividade da empresa.

É sintomático da natureza estruturante do abuso que os diretores, principal interface sênior com as equipes, tenham sido citados como assediadores por 63% do total da amostra. E não causa surpresa que o assédio sexual seja maior entre as mulheres, com uma em cada duas reportando já terem sofrido esse tipo de violência no ambiente de trabalho.

A hostilidade vivida nos ambientes de trabalho tem consequência na saúde dos profissionais, já que 62% das mulheres e 51% dos homens afirmam ter sofrido algum sintoma de saúde por causa de assédio moral.  

O movimento resultou em um engajamento das principais entidades do setor, representantes dos profissionais de mídia, criação, produtoras e até de anunciantes. Agências de propaganda anunciaram medidas práticas contra o assédio, como a implementação de códigos de conduta e canais independentes de denúncia. 

Cada vez mais conscientizado, o mercado publicitário dá um passo à frente para eliminar de seu convício quem prefere batizar o assédio com outros nomes e esconder seus atos criminosos. 

Você também pode entrar em contato com o #MeTooBrasil para fazer um desabafo de maneira anônima ou para realizar uma denúncia e receber apoio jurídico, psicológico, médico e socioassistencial. Acesse o site: metoobrasil.org.br/ajuda/

29HORAS aterrissa em Viracopos

29HORAS aterrissa em Viracopos

 

Caríssimo passageiro,

Pedro Barbastefano Jr.

Pedro Barbastefano Jr. – Publisher da Revista 29HORAS

A Revista 29HORAS chega ao aeroporto de Viracopos. Consolidamos em Campinas um projeto vitorioso. Há dez anos nos principais aeroportos executivos do Brasil, a nossa publicação vem recheada de dicas descoladas e conteúdo relevante.

Sonho idealizado, sonho realizado. Com muito orgulho e cheios de esperanças, pousamos em Viracopos em um momento em que o mundo está vivenciando grandes transformações.

Desenvolvemos um projeto único para passageiros únicos. Na contra mão do mercado, criamos uma fórmula mágica. Conteúdo de altíssima qualidade, produzido por jornalistas e colaboradores “descolados” que buscam transmitir informações relevantes, serviços diferenciados e adequados ao perfil “descolado” dos passageiros deste aeroporto, distribuído também em totens digitais inovadores.

A partir de agosto, disponibilizamos as melhores dicas de Campinas e região nas áreas restritas do aeroporto. Criamos uma verdadeira integração entre marcas, passageiros e serviços. Viracopos, há tempos líder em transporte de cargas aéreas da América Latina, foi modernizado e ampliado. E, hoje, está preparado para ser o principal hub de passageiros do Brasil.

Estruturado para receber mais de 80 milhões de pessoas por ano, o aeroporto de Campinas nos recebe de braços abertos para perpetuarmos um projeto digno da grandeza e importância da região.

Sorte a todos nós.

 

Totem Revisteiro – Sala de embarque internacional

 

Musa grandiosa: Claudia Raia empodera mulheres

Musa grandiosa: Claudia Raia empodera mulheres

Atriz, bailarina, cantora e empresária, Claudia Raia empodera e defende as mulheres e confessa que sua filosofia de vida é plantar o amor em tudo o que faz.

Claudia Raia sentada sorrindo

FOTO TATO BELLINE

CLAUDIA RAIA É SUPERLATIVA. Não só no tamanho (1,79 m de altura, sendo 1,10 m de pernas), mas também nos atributos de sua personalidade. Nascida em Campinas há 53 anos, ela é uma atriz conhecida por sua exuberância, intensidade e versatilidade: além de atuar, cantar, dançar e sapatear lindamente, Maria Claudia Motta Raia é empreendedora, palestrante e produtora de seus próprios e concorridos espetáculos. Pioneira na produção de musicais no Brasil, Claudia é símbolo da mulher forte e que se reinventa a cada ano.

Está sempre envolvida em novos projetos. Um de seus trabalhos, hoje, é um canal de vídeos no Instagram para valorizar a mulher com mais de 50 anos, injetando poder e autoestima na parcela feminina que está no seu auge. Sua missão, como ela mesma diz, é “transformar a vida das pessoas”. E é isso mesmo: Claudia move diferentes públicos, nas mais diversas esferas.

No início de julho, Claudia conversou com a 29HORAS, falou de seus planos na pós-pandemia e relembrou a gostosa infância passada em Campinas, cidade natal e morada até os 13 anos.

Como tem sido esse período de isolamento?

No começo do ano, eu estava em Portugal com o espetáculo “Conserto para Dois“. Com a pandemia, eu e o Jarbas (seu marido, o ator Jarbas Homem de Mello) acabamos voltando antes do previsto porque os teatros fecharam. Voltamos e ficamos em casa direto, porque dias depois foi decretado o isolamento no Brasil. O período tem sido em casa, com a família. Fiz minha autobiografia com a Rosana Hermann, agora estamos vendo quando será o lançamento. Tenho também uma fotobiografia para ser lançada. Estou fazendo ioga, meditação, mantenho uma rotina de exercícios físicos, faço aula de balé, de canto. Tudo à distância.

O que descobriu nesse período tão difícil? O que essa experiência coletiva está nos mostrando e alertando?

Para mim, essa experiência está nos lembrando exatamente isso: que somos um coletivo, uma sociedade. Precisamos olhar para o lado, para o próximo, para continuarmos avançando. Nesse sentido, a pandemia é um momento de rever muitas coisas, de pensar mais no próximo, de ajudar. Acredito que quem continuar com uma postura egoísta não terá vez. Vamos melhorar porque estamos aqui para isso. Vejo com muita alegria tantas iniciativas para ajudar. Participei do “Festival Ao Vivo Pela Vida” e do “Bazar Ao Vivo Pela Vida”, que ainda está no ar, em que arrecadamos doações para o Fundo Emergencial para a Saúde e para a Ação da Cidadania, uma organização comprometida com o combate à fome. Quero muito que o sentimento de empatia e solidariedade seja o que levemos desse momento.

 

Que mudanças pretende fazer no dia a dia após a quarentena?

A pandemia me fez questionar algumas práticas. Antes eu tinha uma vida muito corrida, sempre pensando no próximo compromisso. Isso eu não quero mais. Onde eu estava querendo chegar, gente?! Costumo dizer que a gente deita na pretensão de que vai acordar no dia seguinte. Então, todo dia, quando abro os olhos, agradeço ainda mais por estar viva. Nesse momento, mergulhei na medicina Ayurveda e quero mergulhar cada vez mais nela, além de continuar com a prática de ioga e meditação – que intensifiquei também.

FOTO VINÍCIUS MOCHIZUKI

Quais são os projetos para o segundo semestre e para 2021?

Tenho um projeto de apresentações de teatro, tanto adulto quanto infantil, e de shows em drive in. Por enquanto, ainda não sabemos quando poderemos estar de volta a uma sala de teatro. Então, como produtora, estou pensando em alternativas. Eu e Jarbas apresentaríamos o espetáculo “Conserto para Dois”, que teria sua segunda turnê nacional quando voltássemos de Portugal. Mas com a pandemia os planos foram adiados.

Fale um pouco sobre Campinas, onde você nasceu…

Eu vivi em Campinas até os 13 anos. Passei minha adolescência em Nova York e na Argentina e depois vim morar em São Paulo. Mas a infância foi toda em Campinas. A academia da minha mãe (Dona Odette Raia, que faleceu aos 95 anos há um ano) era na rua Barão de Jaguará com a Ferreira Penteado, um lugar bem no centro, maravilhoso. Eu vivia dentro da academia de dança da minha mãe, fazendo aula, dançando, participando de eventos e desfiles. Minha mãe era muito enaltecida na cidade, nós éramos responsáveis por tudo que era relacionado a evento de cultura, de música e de dança. Foi uma infância muito feliz.

O que você aprendeu de mais valioso com a sua mãe, a dona Odette?

Aprendi a ser uma pessoa que busca seus sonhos, que corre atrás do que quer. Aprendi a respeitar os outros e saber que há espaço para todo mundo. Ela nunca quis cortar minhas asas, me limitar, pelo contrário. Sempre me deu suporte: abriu a porta da gaiola para que eu voasse. Tanto que permitiu que eu fosse para Nova York estudar balé quando tinha 13 anos. Eu perturbei tanto, que ela percebeu que não conseguiria me conter e me incentivou. E eu busco fazer o mesmo com meus filhos (Enzo, de 23 anos, e Sophia, de 17). Minha mãe é minha grande inspiração na vida.

Como nasceu o projeto de vídeos sobre a mulher 50 +?

Pouco se fala no Brasil sobre a mulher com mais de 50 anos. Lá fora é comum elas estarem nas capas de revistas, produzindo, atuando… Aqui nós caímos em uma espécie de ostracismo e ressurgimos como fênix aos 70, 80 anos. Mas eu não quero isso. Estou no meu auge, produzindo, trabalhando com o que amo, realizada pessoal e profissionalmente. Eu sentia essa lacuna. Então, pensei: por que não começar eu mesma a falar sobre essas coisas? E foi o que eu fiz. (Confira aqui!)

Como tem sido o resultado?

Maravilhoso. Muitos dos vídeos ultrapassaram a marca de 200 milhões de visualizações. As mulheres ficaram felizes de ver essas questões postas ali. Me deu uma sensação boa de dever cumprido, sabe?!

São muitos os estereótipos para as mulheres, inclusive de padrões de beleza. Na Europa, é mais elástico, como no caso de assumir os cabelos brancos. Você o usaria?

Eu acho justamente que não tem regra. A gente precisa mostrar cada vez mais que a idade é um número e não deve ditar a maneira como a gente se veste, como corta o cabelo, como usa maquiagem… O grannyhair, que é como chamam a tendência do cabelo branco, é algo que vai além da idade. Acho charmoso, acho lindo. Se você quer usar dessa forma, vai lá e usa, não importa o que vão dizer. Eu não deixo essas coisas me limitarem, imagina! Sinto que as pessoas, às vezes, ainda ficam presas a esses estereótipos.

 

Claudia Raia

FOTO TATO BELLINE

“Eu costumo dizer que nasci com o chip da felicidade, acho que a energia vem daí. Eu amo a vida, amo viver. Isso é um combustível incrível”.

 

Antes da pandemia você vinha fazendo muitas palestras sobre empreendedorismo. Me conta um pouco sobre isso?

Eu comecei a empreender desde muito nova. Quando percebi que ninguém investiria no meu sonho como eu, fui entender como se produzia um espetáculo e comecei a enveredar por esse caminho. De lá até agora, produzi todos os meus espetáculos e outros projetos. As palestras são uma outra forma de compartilhar a minha experiência, ajudando as mulheres a trilhar essa estrada. Podemos ocupar qualquer espaço. Que a gente tenha mais mulheres como CEOs, mais personagens femininas plurais e de idades diversas, mais jogadoras de futebol, apresentadoras, escritoras, cineastas, diretoras….

Você comentou que congelou seus óvulos porque pensa na possibilidade de ter um terceiro filho. Existe esse projeto?

Eu não me fecho para nenhuma possibilidade. Justamente por isso, congelei meus óvulos. Há sim a vontade de ser mãe mais uma vez. Hoje estamos desconstruindo essa idade ideal de maternidade. Eu tenho essa vontade de aumentar a família, mas ainda não tenho uma data para isso acontecer. Por enquanto, é mesmo uma vontade.

De onde vem toda a sua energia?

Eu costumo dizer que nasci com o chip da felicidade (risos). E é isso, eu sou feliz. Acho que a energia vem daí. Eu amo a vida, amo viver. Isso também é um combustível incrível.

Qual é a sua filosofia de vida?

Eu sou budista e influenciada por essa filosofia. O meu mantra é o mantra do budismo “Nam-myoho-rengue-kyo”, que quer dizer “Peço perdão de todas as minhas causas passadas, harmonia com o Universo e fusão com Deus.” Sou uma pessoa muito grata, que sempre olha o copo meio cheio, sabe!? Planto amor em tudo o que faço, busco um olhar atento para o outro, cuido das pessoas, estendo a mão e também aplaudo o momento do outro. Saber ajudar, enaltecer e se alegrar pelo outro é uma das belezas da vida.

 

Claudia Raia

FOTO REPRODUÇÃO

Falando em ajudar, li que você sempre gostou de levar marmita, uma mania sua, também para os colegas de trabalho nas novelas. Você tem esse lado mãezona?

Tenho esse lado, adoro cuidar de quem está ao meu redor. Falo que é importante levar a comida, dou conselhos, dou colo… Eu cuido em todos os aspectos, me apego, trago para debaixo da minha asa.

Quando você começou a ficar conhecida como a rainha da marmita?

Eu levo marmita desde sempre. E para todos os lugares. Eu levo porque assim eu sei o que estou comendo e evito comer qualquer coisa na rua. Além de essa ser uma maneira de criar uma rotina de alimentação, né? Como estou sempre com minha comida, respeito os intervalos das refeições e me alimento bem. Brinco com minha nutricionista, Gabriela Ghedini, que sou o orgulho da nutri. E sou mesmo (risos).

Como é sua dieta? E quando chuta o balde?

Na hora de montar minha dieta, a Gabriela respeita o meu paladar. Por exemplo, se ela coloca uma fruta, coloca também algo salgado, como uma castanha-do-pará salgada. Eu chuto o balde com salgado. Amo massa, gente! Mas eu bebo muita água, que ajuda a evitar a retenção de líquido, assim como chá de hibisco, chá verde. E se em algum dia eu chuto o balde, uso a lei da compensação.

 

Claudia Raia

FOTO TATO BELLINE

Jogo rápido

Quem é Claudia Raia?

Uma mulher brasileira, lutadora, empreendedora, que acredita no ser humano, positiva e fundamentalmente sonhadora e realizadora dos seus próprios sonhos.

Qual é a sua missão?

Transformar a vida das pessoas. Eu costumo dizer que os artistas são médicos da alma. A pessoa que entra no seu teatro sai de lá transformada. Essa é a minha missão: levar o sonho, a alegria, a elevação da alma de cada pessoa que está ali ouvindo a história que estou contando.

Seu sonho maior…

Que o mundo entenda que não é mais um dia. E sim menos um dia. E que tudo gira em torno do amor. Não do ódio, da ganância. Só o amor vai trazer paz, serenidade, paciência, resiliência.Meu sonho é encontrar esse mundo mais cheio de amor.

 

 

Emicida celebra “AmarElo Prisma” e reflete sobre a pandemia

Emicida celebra “AmarElo Prisma” e reflete sobre a pandemia

Nelson Mandela narra uma de suas atividades favoritas na autobiografia “Longa caminhada até a liberdade”. Cultivar uma horta significava manter-se são na penitenciária, onde ficou preso durante 27 anos sob o regime de segregação racial da África do Sul, o Apartheid. “Eu via a horta como uma metáfora para certos aspectos de minha vida. Um líder também deve cuidar de sua horta; ele também planta sementes, e então observa, cultiva e colhe o resultado”, escreveu.  

Para Emicida, plantar significa cultivar o bem viver e se voltar para o ritmo da terra. Mandela é, inclusive, a leitura de cabeceira do cantor. “As plantas me fizeram ter uma rotina. Notei que a jabuticaba está crescendo, é maravilhoso perceber essa evolução, agora estou dentro do andar natural do tempo”, repara, com um sorriso espontâneo e sincero.  

Em 2019, Emicida lançou o álbum "AmarElo"

Em 2019, Emicida lançou o álbum “AmarElo”
Crédito: Júlia Rodrigues

Seu álbum mais recente, “AmarEelo”, lançado em outubro de 2019, é uma homenagem ao cotidiano tranquilo. “Sou um velhinho de 80 anos no corpo de um rapper”, define o paulistano do “fundão” da zona norte. “Não moraria no centro da cidade, vocês não iam querer me ver na janela pedindo para abaixar o volume do som”, conta o agora morador de uma casa com jardim em Mairiporã, fora do eixo central da metrópole e onde passa a quarentena. “Estou próximo da Cantareira, o ar é mais puro”, defende e brinca.  

O sorriso e o tom de brincadeira talvez não sejam os comportamentos mais associados a um rapper. Emicida quebra estereótipos. A tônica de suas canções continua sendo os apontamentos de uma realidade com violência policial e racismo – questões duramente atuais no mundo -, e desde 2009 está nas rádios, na internet e nos encontros de rima da zona sul da capital paulista, que lançaram o cantor no cenário musical do país.  

Os problemas sociais também são vivências, infelizmente, presentes nas periferias de cidades brasileiras. A São Paulo de Emicida e de milhões de habitantes não foge a essa dura regra. Mas a suavidade, a alegria de viver e o amor são experiências humanas e subjetivas comuns a todos.

Então, o samba, o tom de voz mais baixo, as parcerias com outros ritmos e até o flerte com o pop ganham espaço na obra do artista. “Nos tirar a positividade é reduzir a nossa vida ao sofrimento e àquilo que não é causado por nós”, define. 

 

Emicida em meio às suas criações no computador e anotações

Emicida em meio às suas criações no computador e anotações

Em 2020, ano pandêmico, AmarElo se transformou em “AmarElo Prisma”, cujo conteúdo se espalha em formato de vídeo (às quartas-feiras, no canal no YouTube do rapper), podcast (às sextas-feiras, nas plataformas de streaming), imagem e texto (em seu Instagram, Facebook e Twitter). São reflexões, poesias e conversas. Emicida está em constante renovação.  

Tal qual uma sinfonia, o “AmarElo Prisma” foi organizado em Movimentos, que são lançados e destrinchados semanalmente. São quatro Movimentos no total, cada um regido pelos valores de “AmarElo”.

São: Paz (dialoga com o corpo), Clareza (aborda a mente e a saúde mental), Compaixão (fala da alma, empatia e capacidade de conexão com o outro) e Coragem (diz sobre o coração, o poder de criar uma nova história juntos, independente do medo gerado pelo desconhecido). Esta última, inclusive, traz a filosofia africana Ubuntu como referência (“eu sou porque nós somos”). “Juntos podemos fazer muita coisa foda”, reflete. 

Arte se semeia em casa

Emicida é Leandro Roque de Oliveira. Filho de Jacira Roque. “Fui criado por alguém que mesmo trabalhando duro em casas de família, ouvia muita música no rádio, lia poema em voz alta para treinar a leitura, ela é símbolo de perseverança e força para mim”, lembra. Dona Jacira, como é conhecida pela família e pelos quase 9 mil seguidores nas redes sociais, hoje é escritora e artista plástica.  

Ela lançou, em 2018, o livro autobiográfico “Café”, que narra suas memórias desde a infância – como o período difícil em uma escola de freiras – até a maternidade e outras experiências atuais. Mas Jacira faz isso de forma leve, amarrando as narrativas como se estivesse recebendo o leitor em casa para uma conversa ou um café da tarde gostoso.

“Minha mãe chorou muito quando o Renato Russo morreu, parecia que um tio meu tinha morrido. Ela amava Legião Urbana! É esse o papel da arte na vida dela”, resume o cantor, que também tem um irmão artista – o produtor musical Evandro Fióti.  

Cantor ao lado de sua mãe, dona Jacira, e de seu irmão, Evandro Fioti

Cantor ao lado de sua mãe, dona Jacira, e de seu irmão, Evandro Fióti

Cultivo de boas reflexões

A escuta é, muitas vezes, mais importante que a fala. “Quando nos fechamos em bolhas, ouvimos apenas quem pensa de forma parecida, assim estamos aplaudindo a nós mesmos”, define o rapper, que integra o time de comentaristas do programa da GNT “Papo de Segunda”, agora transmitido da casa de cada um. 

Toda segunda-feira, assuntos comportamentais, políticos e sociais são colocados em pauta para os humoristas e atores Fábio Porchat e João Vicente, o escritor Francisco Bosco,  e Emicida compartilharem suas visões. “Gosto daquele ambiente porque sei que eles terão olhares diferentes dos meus, e eu respeito muito isso, a vida é infinitamente possível”. Tanta sensibilidade faz o cantor parecer o mais quieto, mas, ao mesmo tempo, muito analítico naquele espaço. 

Paternidade e masculinidade são temas comuns nos episódios. “Não sei o que ser homem significa, mas ser pai me transformou em uma pessoa melhor, é mágico”. Emicida é pai de Estela, de 9 anos, e Teresa, de 2. Para o rapper, esses assuntos não eram recorrentes há pouco tempo, mas hoje já dominam rodas de conversas. “Isso tudo graça às mulheres que fazem a denúncia do machismo e aos homens que entram na discussão e conscientizam os outros”, comenta. 

 Flores que se alastram

Entre 2005 e 2009, o cantor ficou conhecido por seus improvisos, que o tornaram um dos MCs mais conhecidos de São Paulo. Venceu onze vezes consecutivas a batalha de MC da Santa Cruz e por doze vezes a Rinha dos MC, encontros em que rappers disputam as melhores rimas.

Na época, Emicida acumulou milhares de acessos em cada batalha sua no YouTube. Leandro, então, criou o acrônimo E.M.I.C.I.D.A (Enquanto Minha Imaginação Compuser Insanidades Domino a Arte). 

Das ruas paulistanas, Emicida ocupou muitos lugares com a sua música. O lançamento de “AmarElo” aconteceu no Theatro Municipal de São Paulo, em novembro do ano passado. “Muito importante trazer um concerto de rap para cá”, Emicida anunciou no palco. “Isso aqui é o resultado do sonho coletivo de muita gente. Essa conquista é o que anistia o espírito de quem veio antes de nós e sofreu”, declarou.  

E, falando em espírito, Emicida lembra que, há 500 anos, pessoas negras eram entendidas como sem alma e, assim, a escravidão aconteceu e perdurou no mundo. “Parece distante, mas as consequências são muito atuais. No lançamento do álbum, naquele ambiente de arte, pegamos a nossa alma de volta”. 

Mc Carol no desfile da LAB na São Paulo Fashion Week

Mc Carol no desfile da LAB na São Paulo Fashion Week

Os projetos se multiplicam. Fundada em 2008 pelos irmãos Emicida e Fióti, a Laboratório Fantasma (LAB) é um hub de entretenimento que tem gravadora, editora, produtora de eventos e marca de roupas. Em 2016, a LAB estreou na São Paulo Fashion Week. “As passarelas do nosso país precisam ser um reflexo do que se vê em nossas calçadas, aquilo também foi importante para muita gente”. 

Neste mês, estreia a LAB Fantasma TV no Twitch, maior plataforma de e-sports do mundo. Emicida está em todos os lugares. Nas ruas, na TV e nos diferentes palcos, o rapper segue ocupando muitos espaços e, ao lado de outros artistas, planta mudanças importantes por onde passa. 

Papo reto na pandemia da Covid-19 

Emicida discorre sobre os impactos do novo coronavírus no Brasil e os posicionamentos necessários em meio à crise 

Emicida analisa a pandemia e seus impactos no Brasil

Emicida analisa a pandemia e seus impactos no Brasil. Crédito: Victor Balde

Na sua visão, qual o papel de cantores e artistas neste momento?

O mesmíssimo papel de qualquer outra pessoa comprometida com a civilização e não com a barbárie.  Ajudar a construir pontes que facilitem a travessia de quem se encontra em situações mais adversas. Se não for possível ajudar a construir, não atrapalhar quem está construindo já é uma grande ajuda. Artistas não são diferentes do resto dos seres humanos, aliás, para a natureza, a arte nem existe. Tudo é vida, manifestação da existência. Tudo está comprometido com a vida e a transformação necessária para que a vida aconteça, do bolor das comidas que se decompõe até as orquídeas que tanto admiramos.

Então, a arte, para mim, hoje, é se comprometer profundamente com a continuidade do ciclo da vida, isso não é feito somente por profissionais da área. A agricultura familiar produzindo e distribuindo cestas básicas de alimentos orgânicos via Movimento dos Sem Terra (MST) e os médicos no front, lutando contra o coronavírus, é esse o comprometimento com a transformação de que falo. 

Como você tem mudado a sua rotina de criação nesse momento de isolamento? Como é trabalhar em casa e cuidar de filhos e casa tudo junto?

Eu não estou preocupado em criar, sinceramente. Estou preocupado com quem, diferente de mim, atravessa esse período em uma situação desconfortável, de maneira semelhante às que já vivi. Tenho estudado piano, feito tarefas escolares e brincado com as crianças, feito exercícios físicos em casa, meditação, lavado louças e banheiros e cozinhado. Aprendi a fazer queijos e isso tem sido uma alquimia interessantíssima! Uma brincadeira mágica com a microbiologia, que é uma faca de dois gumes, desespera o mundo com a Covid-19, mas também gera as transformações mágicas dos laticínios. Eu me sinto o Rick Moranis no filme “Querida, Encolhi as Crianças”, quando fico observando essas transformações.

O fato é que o meu compromisso é ser uma pessoa melhor, que vai embora daqui sem ter estragado o planeta. Isso faz parte da minha rotina antes da pandemia. Esse é o meu lance: valorizar coisas simples, talvez por isso eu não esteja em frangalhos emocionais como muitos amigos. O sorriso da minha família me recarrega a bateria todos os dias e eu, independente do estresse que sentir, tenho o compromisso de sempre fazer quem eu amo sorrir, nem que seja uma vez no dia. 

Como foi a experiência de fazer uma live? Qual foi o retorno do público?

Bacana, mas nem se compara com um concerto ao vivo. As pessoas interagem bem, é legal o fato de quem está Acre vivenciar uma experiência junto com quem está em São Paulo, simultaneamente. Fizemos uma gigante, 8 horas, só canções de nossa autoria, algo impossível para muitos artistas, mas, para a gente, é só rotina. Nunca tínhamos tocado 8 horas seguidas. Às vezes, os shows têm 4 horas (se empolgamos no improviso), mas nesse aí a gente empolgou mesmo, e ainda faltou música. 

 O mundo vai mudar muito na pós pandemia. Muitos já observam como a mobilidade urbana sofrerá grande impacto, além de preocupações ambientais e discussões de direitos econômicos e sociais estarem muito em alta mundo afora. Mas, na sua opinião, o Brasil acompanhará esse caminho?

O Brasil é o único lugar onde o coronavírus vai se transformar em um detalhe devido à dimensão dos abismos sociais e a irresponsabilidade de quem está ocupando o Palácio do Planalto. Essa brincadeira de chamar pandemia de “gripezinha” vai comprometer, no mínimo, duas gerações. Uma chaga inesquecível.

Lembra quando Israel chamou o Brasil de anão diplomático? Hoje somos menos do que isso, um micróbio irrelevante em qualquer discussão frutífera a respeito de um bom caminho para o planeta. Vai doer e vai doer por muito tempo, por mais que tenhamos mentes brilhantes aqui dentro, o maior freio de mão que poderíamos ter está com a faixa presidencial. Elegeram uma âncora e agora todos vão pagar, pois a única vocação de uma âncora é descer o máximo que puder. 

 O que precisamos fazer para que o amanhã não seja um ontem com novo nome como você canta em “AmarElo”?

Podemos aprender que a perspectiva europeia que ainda norteia as grandes movimentações desse lugar não é necessariamente uma mentira, mas é apenas uma forma de analisar a realidade e que muitas outras podem acrescentar e nos tornar um lugar melhor se as observarmos com a capacidade de aprender. Os Yanomami estão aqui ainda, por que não os trazemos à luz? Povos que antecedem a chegada dos europeus, eles lidam com essa terra há 10 mil anos, tem muito a nos ensinar, mas os parâmetros que essa sociedade preferiu seguir são esses de uma mão única que destrói tudo por onde passa e depois da catástrofe põe a culpa em Deus. Deus é cada árvore cortada e cada criança quilombola chorando por ver sua casa derrubada pelas forças armadas, Deus é sempre o mais vulnerável.