Licor 43 lança versão achocolatada em parceria com o chocolatier dinamarquês Anton Berg

Licor 43 lança versão achocolatada em parceria com o chocolatier dinamarquês Anton Berg

O Licor 43 ganhou ainda mais complexidade com o lançamento da bebida sabor chocolate, perfeita para ser consumida pura, com cubinhos de gelo, ou no preparo de drinques

Produzido há mais de 80 anos pela família Zamora na cidade de Cartagena, na Espanha, o Licor 43 é a combinação perfeita de 43 ingredientes aromáticos, como baunilha, chá, amêndoas, limão, laranja e sementes de coentro. Sua receita nasceu inspirada no Liqvor Mirabilis, um elixir de coloração dourada feito com ervas infusionadas desde o século 3 no sul do país e muito apreciado pelos soldados do Império Romano. Hoje, a bebida é vendida em mais de 80 países e, este ano, ganhou uma nova versão: o Licor 43 Chocolate, desenvolvido em parceria com o chocolatier dinamarquês Anton Berg.

A versatilidade do Licor 43 Chocolate abre novas possibilidades para ser aproveitado em doces, mousses e sobremesas – dá até para utilizá-lo como cobertura de uma macedônia de frutas vermelhas. Nesses dias frios de inverno, ele também é perfeito para ser consumido puro, em um copo largo com alguns cubos de gelo ou no preparo de drinques.

 

Licor 43 Chocolate | Foto Divulgação

Licor 43 Chocolate | Foto Divulgação

 

Licor 43 Chocolate possui 16% de teor alcoólico e é importado com exclusividade pela Aurora Fine Brands. Nos empórios gourmet e lojas de bebidas, cada garrafa de 700 ml pode ser comprada por valores em torno de R$ 210.

Casamento perfeito com o café

Nas últimas décadas, o Carajillo vem se consagrando como um dos coquetéis mais consumidos no mundo todo. Preparado apenas com um shot de espresso misturado a outro de Licor 43, agora ele ganha uma versão mais incrementada: o Spanish Cappuccino. Esse drinque, preparado com o Licor 43 Chocolate, é uma bebida que esquenta e alegra o nosso paladar, com sua cremosidade, seu equilibrado dulçor e sua riqueza aromática.

Spanish Cappuccino

 

Spanish Cappuccino | Foto Divulgação

Spanish Cappuccino | Foto Divulgação

 

Ingredientes:

25 ml de rum envelhecido
25 ml de licor de café
50 ml de Licor 43 Chocolate
50 ml de espresso recém-tirado
3 grãos de café
1 pitada de canela em pó
1 colher de chá de espuma de leite

Preparo:

Em uma coqueteleira com bastante gelo, misture o espresso, o licor de café (pode ser Kahlúa, Tia Maria ou DeKuyper), o rum (pode ser Bacardi 8, Havana Club 7 ou Zacapa 23) e o Licor 43. Chacoalhe vigorosamente por meio minuto e, em seguida, coe a mistura com o strainer numa taça de martini ou tipo coupe. Coloque por cima a espuma de leite feita no Aeroccino, polvilhe a canela e, por fim, decore com os grãos de café.

 

 

Origem é eleito o quarto melhor restaurante do Brasil no ranking da EXAME

Origem é eleito o quarto melhor restaurante do Brasil no ranking da EXAME

Misturando baianidade, muita técnica e ingredientes regionais criteriosamente selecionados, o restaurante de Salvador comandado por Fabrício Lemos e Lisiane Arouca está entre os melhores do país

No ranking dos 100 melhores restaurantes do Brasil editado em maio pela revista “Exame”, um nome causou surpresa no Top Five: o do soteropolitano Origem, comandado a quatro mãos pelo chef Fabrício Lemos e sua esposa, a confeiteira Lisiane Arouca. A surpresa, no entanto, só acometeu quem ainda não teve a oportunidade de conhecer a casa, que funciona há seis anos em uma vizinhança distante da praia e dos cartões-postais de Salvador.

O restaurante só trabalha com menu-degustação, com 13 tempos a R$ 220 por pessoa. Neste momento, o menu em cartaz é o “Eu Vim da Bahia”, inspirado nas vivências de Fabrício e de Lisiane, misturando ingredientes regionais e técnicas da gastronomia contemporânea.

 

Origem - Foto Leonardo Freire

Origem – Foto Leonardo Freire

 

O banquete começa com o abarajé, um delicioso híbrido de abará com acarajé. E segue com pratos surpreendentes à base de incríveis produtos garimpados pelo casal, como o queijo azul da Fazenda Gurgalha (na Chapada Diamantina), o dendê artesanal da Agrovila Pinhão Manso (de Camaçari), as ostras do Projeto Kirimurê (de Itaparica), o mel de abelhas uruçu, a carne de bode da Cooperativa de Pintadas e a palma do Agreste.

 

Prato de Camarão da Casa - Foto Leonardo Freire

Prato de Camarão da Casa – Foto Leonardo Freire

 

Para turbinar e elevar ainda mais essa viagem sensorial pela Bahia, uma trilha sonora com clássicos de Margareth Menezes completa a experiência. E a bisque de camarão com caviar de limão imar e a carne de sol com farofa de garimpeiro nos transporta para o sertão. O gran finale é quando Lisiane mostra seu talento de pâtissière, com duas sobremesas: uma que explora a tangerina em diferentes texturas (como bolo, granita, mousse, farofa e mousse) e outra que encanta com a instigante mistura de doce de leite com sorvete de semente de abóbora tostada e ainda uma telha de umbu. Além do restaurante Origem, Fabrício e Lisiane comandam mais três empreendimentos em Salvador: o bar Gem, o restaurante Ori (primo mais informal do Origem, no Horto) e o Omi, que funciona no térreo do supercool Fera Palace Hotel, na entrada do Centro Histórico.

 

Chef Fabricio Lemos - Foto Leonardo Freire - Divulgação

Chef Fabricio Lemos – Foto Leonardo Freire – Divulgação

 

Origem
Alameda das Algarobas, 74, Caminho das Árvores, Salvador, tel 71 99202-4587.

 

Exposição ‘Amazônia’, de Sebastião Salgado, chega ao Museu do Amanhã

Exposição ‘Amazônia’, de Sebastião Salgado, chega ao Museu do Amanhã

Em cartaz no Museu do Amanhã até janeiro, a mostra reúne 194 impressionantes imagens captadas por Sebastião Salgado

A exposição “Amazônia”, que já impactou o público em Paris, Londres, Roma e São Paulo, chega em 19 de julho ao Museu do Amanhã, na Zona Portuária do Rio de Janeiro. Idealizada e montada por Lélia Wanick Salgado, a mostra imersiva fica em cartaz até 29 de janeiro. Nas 194 fotografias, as imagens são de tirar o fôlego. Há a grandiosa, deslumbrante, às vezes esmagadora visão da floresta, dos rios, de nuvens e montanhas. Há a beleza e a força dos povos indígenas no seu cotidiano e nas festas, com artefatos, espaços de convivência, expressões de uma miríade de civilizações integradas ao meio. E há o recorte de árvores, animais, margens, várzeas, clareiras.

“Amazônia” é o resultado da imersão por sete anos na região que cobre o Norte do Brasil e se estende a mais oito países sul-americanos. A maior floresta tropical do planeta, traduzida pelas lentes e pela cenografia dos Salgado, transforma-se aqui em convite à informação, à reflexão e à ação em defesa do ecossistema imprescindível à vida no planeta.

 

Xama Yanomami | Foto Sebastião salgado

 

Museu do Amanhã
Praça Mauá, 1, Centro. Ingressos a R$ 30. Em cartaz até 29 de janeiro de 2023.

Adeus, diesel! Montadoras de caminhões e tratores apostam em combustíveis limpos

Adeus, diesel! Montadoras de caminhões e tratores apostam em combustíveis limpos

Com o aumento do preço do diesel, as montadoras já estão oferecendo alternativas elétricas ou movidas a gás e hidrogênio. Além de eficientes e sustentáveis, são opções que permitem que o Brasil seja autossuficiente.

O Brasil acaba de mergulhar em mais uma crise causada pelo (des) governo federal: a do diesel. Os preços do combustível estão em forte alta por causa da elevação de seu preço internacional e das seguidas desvalorizações do real. E, sem diesel, a economia do país literalmente não tem como rodar!

Em vez de esperar que medidas artificiais e improvisadas segurem o preço do diesel, o mais certo é se livrar da dependência desse combustível. É isso o que estão fazendo empresas como Bayer, JBS e Danone, entre outras. Essa é uma grande oportunidade para as montadoras de caminhões, que já trabalham nesse “novo normal”. Por exemplo: na Europa e na Coreia do Sul, respectivamente, a Mercedes e a Hyundai desenvolvem modelos movidos a hidrogênio (que pode ser obtido a partir do etanol); na Suécia, a Volvo eletrificou todos os seus veículos de transporte de carga.

 

Foto divulgação - montadoras de caminhão

Foto divulgação

 

Aqui no Brasil, a Volkswagen produz caminhões 100% elétricos (a linha e-Delivery, oferecida em versões de 2 ou 3 eixos). Já a Scania do Brasil aposta em veículos de carga pesada que têm a mesma potência que os modelos a diesel. Apesar de ser um combustível fóssil, ele é menos poluente e pode ser substituído pelo biometano, produzido a partir do bagaço da cana-de-açúcar. A marca escandinava produz também caminhões movidos a etanol.

Até a New Holland, fabricante de máquinas agrícolas, lançou este ano no Brasil seu primeiro trator movido a biometano. Como deu para ver, opções não faltam. Os preços ainda podem ser elevados e a produção reduzida, mas esse é o inevitável futuro. Antes de comprar mais um caminhão ou trator a diesel, pense nisso e tenha em mente que este nefasto combustível fóssil que, além de caro, é o que mais polui a atmosfera e o meio ambiente!

Prosa rápida

Estragonofe
Por causa da invasão russa, a colheita de grãos da Ucrânia neste ano de 2022 será de cerca de 48,5 milhões de toneladas, segundo o vice-ministro da Agricultura, Taras Vysotskyi. No ano passado, a safra somou cerca de 86 milhões de toneladas. E as coisas por lá não devem voltar ao normal tão cedo, mesmo que a guerra termine logo. A área total semeada no país diminuiu 25% em 2022, comprometendo colheitas futuras.

Cara fertilidade
As dificuldades na obtenção de fertilizantes no mercado internacional fizeram os importadores brasileiros acelerar as compras. Em maio, o país importou 4,1 milhões de toneladas, 57% a mais do que em 2021. A disparada dos preços dos fertilizantes, causada pelas sanções comerciais à Rússia, fez o Brasil gastar US$ 9,6 bilhões com esses produtos nos cinco primeiros meses do ano. Esse valor supera em 178% o verificado de janeiro a maio do ano passado!

Agro em debate
A Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG) promove no dia 1º de agosto no hotel Sheraton WTC São Paulo o 21º Congresso Brasileiro do Agronegócio, em parceria com a B3. Seguindo o mote “Integrar para Fortalecer”, o evento contará com a participação de empresários, líderes setoriais, autoridades públicas e profissionais ligados ao agro, além do ex-presidente Michel Temer. Informações e inscrições pelo site www.congressoabag.com.br.

Preços de passagens aéreas no Brasil têm disparada em 2022

Preços de passagens aéreas no Brasil têm disparada em 2022

Bilhetes da Ponte Aérea subiram mais de 300% de abril de 2021 para abril de 2022; entre os voos internacionais, a maior alta foi verificada na rota entre São Paulo e Lisboa, que deu um pulo de 98% apenas no início deste ano

Os preços das passagens aéreas no Brasil dispararam em 2022. É o que mostram vários diferentes levantamentos. Pesquisa conduzida pela Onfly, startup especializada em gestão de viagens para empresas, com base em dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), mostra que os trechos São Paulo ao Rio e de São Paulo à cidade de Belo Horizonte – as duas rotas comerciais mais importantes do país – apresentaram as maiores variações.

O tíquete médio Congonhas-Confins-Congonhas subiu 301% de abril de 2021 para 2022, de R$ 340 para R$ 1.024. Os bilhetes da ponte aérea Rio-SP tiveram alta de 316% nesse mesmo período, de R$ 601 para R$ 1.904. Dois foram os fatores primordiais para esse salto: o reajuste que as companhias aéreas realizaram no período de retomada das viagens após a fase de baixíssima demanda, o meteórico aumento da busca por viagens após o fim das quarentenas e a flexibilização das barreiras sanitárias e a elevação dos preços do petróleo e do querosene de aviação, turbinada ainda mais pelas sucessivas altas do dólar em relação ao real.

Em estudo feito pelo buscador de voos Viajala, as passagens aéreas estão até 174% mais caras em relação ao que era cobrado em janeiro de 2020, antes da pandemia. A viagem de ida e volta entre São Paulo e Salvador, por exemplo, disparou de R$ 469 para R$ 1.288, e os voos de ida e volta entre Rio de Janeiro e João Pessoa, pularam de R$ 849 para R$ 2.060.

A passagem aérea internacional mais procurada, de São Paulo a Lisboa, sofreu elevação média de 98% apenas nos três primeiros meses deste ano, de R$ 3.549 para R$ 7.025, segundo dados do Skyscanner. Para países da Europa, o aumento médio foi de 24%, enquanto os tíquetes para a América do Norte escalaram 9% no primeiro trimestre.

 

Foto divulgação - passagem aérea

Foto divulgação

 

Radar

African connection
A Embratur anunciou que, em breve, duas companhias aéreas do norte da África terão voos para o Brasil. Uma é a Royal Air Maroc, que voltará a operar a rota Casablanca-São Paulo, suspensa na pandemia. A outra é inédita: a Egypt Air, que já cultiva há anos um projeto de criar uma ligação do Brasil com o Egito, agora parece que vai finalmente operar uma rota regular entre São Paulo e a cidade do Cairo.

Brasil-Portugal
Por causa do verão europeu, a portuguesa TAP reforçou ainda mais sua operação aérea no Brasil, operando até 30 de setembro 74 voos semanais entre Lisboa e Porto e cidades como São Paulo-GRU (21), Rio de Janeiro-Galeão (12), Fortaleza (7), Salvador (5), Recife (7), Natal (3), Maceió (2), Belém (3), Belo Horizonte (6), Brasília (5) e Porto Alegre (3). Assim, a TAP Air Portugal se estabelece como a principal companhia aérea internacional ligando o Brasil à Europa.

Brasil-Panamá
Em breve, a Copa Airlines vai ter ainda mais voos semanais no Brasil do que a TAP está operando neste momento. Até dezembro, a empresa terá um total de 82 voos semanais entre o Brasil e a Cidade do Panamá. Os voos sairão de São Paulo-GRU (42), Rio-Galeão (14), Belo Horizonte (7), Brasília (7), Manaus (5) e Porto Alegre (7). Para 2024, a empresa analisa a opção de voar para outras cidades, como Recife, Salvador, Curitiba e Florianópolis.