logo
logo

Pantanal reserva lindas paisagens, passeios e farta gastronomia

por | jan 7, 2020 | Viagens | 0 Comentários

Talvez a canção de Marcus Viana, popularizada pela novela “Pantanal”, de 1990, desperte a imaginação sobre o que é o menor bioma brasileiro e, ao mesmo tempo, a maior planície de inundação do mundo com 250 mil km² de extensão.

Considerado pela UNESCO “Patrimônio Natural Mundial” e “Reserva da Biosfera”, o Pantanal possui grande biodiversidade. A onça pintada e a arara azul são símbolos desse lugar, que encanta com suas cachoeiras, safaris, refúgios ecológicos e experiências gastronômicas únicas.

Pantanal

Evento especial no Refúgio Ecológico Caiman. Foto: Divulgação

O Mato Grosso do Sul abriga o Pantanal Maior e a melhor imersão nesse bioma fica próxima das cidades de Corumbá, Aquidauana e Miranda. Desembarcando em Campo Grande, um carro 4×4 ajuda na aventura. Depois de 240 km de viagem, está o Refúgio Ecológico Caiman. Ali, se concentra tudo o que há de mais belo no Pantanal. E não é para menos. Com 53 mil hectares, a fazenda abriga três pequenas, charmosas e confortáveis pousadas, pecuária extensiva de corte, ecoturismo e geração de conhecimento e preservação do bioma.

No refúgio, estão inclusas nas diárias as refeições e algumas atividades. Pela manhã, comece pelo safári para observar a fauna local, já que ainda não está muito quente (na região, o calor é coisa séria!). Com duração de três horas, é possível ver de perto a arara azul grande, o porco Monteiro, a ave Mãe da Lua, o veado campeiro e o famoso jacaré do Pantanal.

Para conseguir um clique da onça pintada, além da jaguatirica, do tamanduá bandeira e da anta, recomenda-se participar da Focagem Noturna, já que esses animais saem durante a noite. É possível apreciar os sons únicos da natureza ao anoitecer.

Na volta, sons, cheiros e sabores continuam. O jantar inclui muita carne bovina, preparada no tradicional churrasco pantaneiro, sopa paraguaia (uma espécie de torta com farinha de milho, água e queijo, muito consumida por soldados durante a Guerra do Paraguai), saladas e bons vinhos.

Jacarés no Refúgio Ecológico Caiman. Foto: Marcos Camargo / Divulgação

Mas tente não pegar muito pesado, o café da manhã do Pantanal – o quebra-torto, como o nome já diz –, é praticamente um almoço, com ovos fritos e o arroz carreteiro, com carne seca. A refeição é tradicional do peão pantaneiro, que sai bem cedo de casa e volta tarde depois de um dia quente e longo de trabalho.

Uma imersão realmente completa apenas acontece no encontro com as pessoas da região. Converse com os guias, os trabalhadores da pecuária, cozinheiras e, claro, com aqueles que estão por ali há mais tempo. Em Miranda, a 40 km do Refúgio Caiman, fica a Aldeia Passarinho, onde a cultura e a língua indígena local se preservam. De acordo com o IBGE, o município aparece com uma população de 6.475 indígenas, formando a segunda maior do estado. A etnia predominante é a dos Terena, que manejam a terra e ainda se dedicam à produção de sua arte, que é vendida no Centro Referencial da Cultura Terena, no centro da cidade.

Bonito é pouco

Já que se está tão perto, outro destino inesquecível no estado é Bonito. Rios de águas transparentes, cachoeiras, rapel, grutas e cavernas são algumas das atrações do lugar, na região sudoeste de Mato Grosso do Sul, a 300 km de Campo Grande.

Fauna e flora exuberantes, com centenas de espécies de aves, mamíferos e répteis ocupam uma vegetação que mistura o Cerrado com a Mata Atlântica.

Flutuação na Nascente Azul, em Bonito. Foto: Divulgação

Setembro, outubro e novembro são bons meses para essa viagem, já que as cachoeiras não estão muito cheias, como ocorre no verão intenso, e a seca do inverno já está passando. E para chegar lá ainda há uma opção direta e fácil, a Azul voa pela rota Campinas-Bonito-Corumbá. Do aeroporto regional de Bonito até o centro da cidade são 15 km e é possível fazer o trajeto de táxi, transfer e carros alugados.

Próximo à cidade, o Zangaia Eco Resort recepciona bem, com quartos confortáveis, grandes piscinas e boas atividades para a família. A 30 minutos dali, está a Nascente Azul, onde é possível fazer a flutuação em uma água cristalina e incrivelmente azul para observar dezenas de peixes, como o Piracanjuba, típico da região. O local também oferece tirolesa e mergulho com cilindro, tudo com equipamentos seguros e o acompanhamento de guias.

A Cachoeira Boca da Onça reserva boas experiências em águas límpidas a 60 km do hotel. Com 156 metros de queda d’água, é a maior do Mato Grosso do Sul, e possui uma trilha de 4 km, que passa entre cachoeiras menores e por onde é possível avistar animais silvestres. A Praia Boca da Onça tira o fôlego e é o ponto fi nal da caminhada. Localizado no Rio Salobra, o local permite nadar admirando a Cachoeira Boca da Onça, a plataforma de rapel livre (a maior do país, com 90 metros de altura!) e os paredões verticais de 200 metros que formam o cânion do Rio Salobra.

Pacu na brasa do restaurante Juanita, em Bonito

Nesse ritmo de aventura, a fome bate. O restaurante Juanita oferece muita fartura no almoço e no jantar, sendo famoso em Bonito por seus pratos com peixe. Comandado pela simpática chef Juanita, tem como destaques o pacu assado na brasa com batatas e a costela de porco. De entrada, peça a isca de jacaré e os bolinhos de costela. Para beber, o suco e a caipirinha da fruta típica guavira (tem gosto de graviola e parece um pequeno limão) fazem sucesso.

E não esqueça: estar bem preparado é tudo quando se trata de turismo ecológico. Aqui vão alguns itens essenciais para carregar na mochila: meias extras, binóculos, câmera fotográfica, água, chapéu ou boné, protetor solar e repelente.

*A repórter viajou a convite da Jeep Brasil.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *