logo
logo

99 Rosas, o vinho orgânico da Casa Flora

por | jul 25, 2019 | Vinho | 0 Comentários

A Casa Flora importadora recebeu em julho pela primeira vez Pepe Candau, embaixador da vinícola Domínio Punctum, que esteve para promover seus vinhos ecológicos e biodinâmicos. Nascido em Sevilha, exerce a função de export manager na vinícola espanhola Dominio de Punctum há três anos, atuando como Brand Ambassador para difusão dos orgânicos Vinhos 99 Rosas nos mercados europeus, canadenses e latino-americanos

A linha é o único vinho biodinâmico da Casa Flora que tem as certificações orgânicas europeia (DEMETER) e brasileira (ORGÂNICO BRASIL). Está no portfólio da Importadora há pouco mais de ano, março de 2018, e já tem destaque em vendas para bares, restaurantes e hotéis. O produto também apresenta notável custo qualidade, para o consumidor final R$ 58,90, o Branco, Rosé e o Tinto. “Acreditamos que a ótima aceitação do produto entre nossos clientes, principalmente restaurantes, deve-se a atenção do mercado brasileiro aos vinhos biodinâmicos”, ressalta Mayra Tincani, coordenadora de vinhos.

O compromisso da vinícola com a agricultura sustentável e a saúde dos consumidores levaram a obter certificações ecológicas. A linha 99 ROSAS, destaca-se pelos vinhos jovens frutado e fresco. Os destaques são: Chardonnay Viognieren Branco, Rosé e Tempranillo Cabernet tinto.

Vinho: Orgânico, Biodinâmico, Natural, Vegan e Sustentável – Qual a diferença?

A sustentabilidade tornou-se uma discussão geral e alcançou os mais diversos mercados, inclusive o do vinho. A partir dessa realidade começamos a nos deparar com termos como orgânicos, biodinâmicos e naturais nos rótulos. Veja abaixo o que cada um desses termos significa:

Vinho orgânico

O conceito dessa forma de plantio não permite o uso de agrotóxicos (pesticidas, herbicidas e fungicidas artificiais, fertilizantes sintéticos), respeita a diversidade biológica do ecossistema da vinha e emprega práticas de sustentabilidade com relação aos recursos naturais utilizados, como a água, entre outros cuidados. Porém, na vinificação, ainda é permitido, por exemplo, o uso de leveduras selecionadas e o conservante dióxido de enxofre, sendo esse último em quantidades reduzidas se comparados à vinicultura tradicional.

Vinho biodinâmico

Método mais rigoroso em relação aos cuidados com o solo e com a vinificação, além de utilizar todas as práticas da agricultura orgânica, acrescenta também a influência do cosmos através da astrologia. A viticultura biodinâmica segue os preceitos de Rudolf Steiner (1861 – 1925), filósofo, educador e artista austríaco que também criou a Antroposofia – “conhecimento do ser humano” – e a Pedagogia Waldorf e possui o Instituto Demeter, com sede na Alemanha como órgão regulador mundial do biodinamismo. Os vinhos produzidos a partir desses preceitos, após passarem pela avaliação de algum centro especializado – como o Demeter -, trazem o selo biodinâmico.

Vinho natural

Esse é o termo mais complicado de classificar. Isso porque não existe qualquer certificação ou legislação por trás da prática, cada produtor a descreve de uma forma diferente. Mas, para a maioria, trata-se de um vinho elaborado com preceitos da agricultura orgânica que não utilizam produtos químicos artificiais no processo de vinificação, como as leveduras. É liberado apenas o uso de dióxido de enxofre no engarrafamento, mas em quantidades muito menores do que as usuais e muitos não o usam.

Vinho sustentável

Sustentabilidade refere-se a uma série de práticas que não só são ecologicamente corretas, mas economicamente viáveis e socialmente responsáveis. Os viticultores que praticam a sustentabilidade seguem em grande parte a agricultura orgânica e biodinâmica, mas tem a flexibilidade de escolher o que funciona melhor para a sua propriedade em específico. Também buscam conservação da água e energia, utilizando sempre recursos renováveis.

Sustentabilidade é hoje a grande tendência mundial, e uma prática que realmente pode fazer a diferença. Enquanto orgânicos/biodinâmicos/naturais são um nicho mais restritos e pouco abrangentes em suas práticas, a sustentabilidade permite produção de vinhos mais acessíveis em preço e se preocupa com a conservação dos recursos do planeta e com as pessoas e comunidades em seu entorno.

Vinho Vegano

A razão pela qual nem todo o vinho é considerado vegano tem a ver com a forma como o vinho é clarificado. A clarificação é um processo de purificação do vinho, no qual um agente filtrante é adicionado ao tanque ou barril. Consiste, basicamente, em acrescentar ao vinho uma proteína, que atrai e precipita as matérias sólidas. Essas matérias não são prejudiciais, mas, se não as retirarmos, o vinho ficaria turvo, e não translúcido e brilhante. Essas substâncias utilizadas no processo de clarificação podem ser de origem mineral, ou animal. Alguns dos agentes filtrantes mais comuns são caseína (uma proteína do leite), gelatina (proteína animal) e albumina (vinda da clara do ovo). Existem produtos utilizados na clarificação, por alguns produtores de vinho, que são de origem mineral, como a bentonita e o carvão ativado. Nesse caso, o vinho produzido pode ser considerado vegan-friendly, ou seja, adequado, também, aos veganos.

Curiosidades

O cultivo da uva, dentro de uma agricultura ecológica que determinará se o vinho é orgânico e biodinâmico. Os requisitos que a normativa estabelece para um vinho poder entrar na categoria de vinho ecológico exigem cautela no cultivo e cuidados especiais que começam com a preservação do solo e dos ecossistemas adjacentes às plantações.

Alguns cuidados necessários:

– Adubação orgânicas naturais. Indicados adubos de resíduos vegetais provenientes do próprio cultivo, como bagaços ou ramos triturados e compostados. Também podem ser utilizados fertilizantes de origem animal, porém estão totalmente proibidos os adubos de origem mineral ou sintéticos.

– Colheita e distribuição dos restos da cultura antecessora para formação da palhada; aplicação de herbicidas e plantio. É um sistema muito eficiente no controle da erosão, pois mantém os resíduos vegetais sobre o solo e promove a mobilização mínima do solo.

– Manutenção da biodiversidade, favorecendo o crescimento da vegetação espontânea para que sirva de reservatório de flora e fauna auxiliar.

– Tratamentos preventivos com enxofre, cobre e bacillus thuringiensis contra a possível ocorrência de pragas e doenças, sendo proibidos todos os elementos de síntese química.

– Minimizar o uso de conservantes, diminuindo ao máximo a adição de enxofre.

– Rastreabilidade e controle para evitar a contaminação na bodega dos vinhos ecológicos elaborados.

– Tenha em seu contra rótulo o certificado de que é parte da Denominação Genérica “Agricultura Ecológica”, pois tanto o sistema de produção quanto o de controle são os mesmos para a maioria dos países que aplicam essa legislação.

 

 

99 Rosas Tinto

Sobre a Casa Flora Importadora

Casa Flora é referência de empresa de alimentos e bebidas em São Paulo e no Brasil. Sua história foi construída por uma família que gere os negócios até hoje. O primeiro produto, que deu origem ao nome da empresa, é o queijo Flora, produzido desde 1955, por Antônio Pereira Carvalhal, no vilarejo de Flora, município de Três Corações (MG).

A forte clientela e a logística de distribuição adquiridas ao longo dos anos levaram a empresa a empreender na importação e em 1992, diretamente do Chile, chegou o primeiro carregamento de uvas secas. Depois vieram os vinhos, produtos gastronômicos, bebidas e acessórios, apresentando um vasto portfólio de mais de 2.000 itens oriundos dos quatro cantos do mundo, que é considerado um dos mais completos e conceituados do mercado eno-gastronômico, marcas estas líderes e de prestígio internacional.

www.casaflora.com.br

www.facebook.com/CasaFloraImportadora

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *