logo
logo

Músicas para esquecer o barulho e os problemas do lado de fora na estação mais linda do ano

por | out 16, 2020 | Coluna, Cultura, Música | 0 Comentários

Hoje acordei pensando em 2022. Em compensamos lá na frente e não no aqui e agora. 2001 com Tom Zé e Mutantes, Miss Brasil 2000 com Rita Lee… músicas compostas ainda no século passado. E na canção de Caetano com os versos de Maiakovski: “Ressuscita-me, ainda que mais não seja porque sou poeta e ansiava o futuro”. 

Demasiado humano pensar no futuro, claro. Mas achei melhor pensar no futuro mais próximo e me voltei para o fato de que estamos entrando na estação mais florida do ano, a primavera! Beto Guedes diz que é a boa nova chegando, para Zé Miguel Wisnik é quando desespera tudo em flor, e para Tim Maia é aquela delícia que a gente canta inteirinha junto mais alto ainda quando chega no refrão clássico: “É Primavera, te amo!”. Que maravilha de playlist 

  • Save

Foto: Sergey Shmidt Koy | Unsplash

 

Não podemos negar, no entanto, que com a situação de desamparo em que se encontra a preservação das nossas florestas no Brasil, é difícil não lembrar que o Pantanal e a Amazônia estão pegando fogo. Volto a pensar em 2022… E lembro de um evento muito importante sediado no Rio de Janeiro, a tão maltratada cidade maravilhosa. Foi em 1992 que o Brasil recebeu o mundo inteiro para uma conferência mundial sobre o meio ambiente. Aja localmente, pense globalmente era o bordão. Jacques Costeau esteve aqui. Rio 92. Foi histórico, foi lindo. E eu fiz a cobertura pelo Baleia Azul, meu antigo programa de rádio que tocava muito reggae junto com o canto da baleia jubarte. Quantas músicas boas, quanta esperança no futuro, que clima de primavera estávamos experimentando. 

Nos anos 1990 assistimos ao boom da música sertaneja, lembram? Do pagode também. A diversidade musical desse país é um espanto. Assim como a biodiversidade, o sincretismo, somos a mistura, somos a antropofagia dos nossos povos ancestrais, os índios guardiões das florestas. Na música, isso se acentuou com o tropicalismomas já era prática desde o piano de Ernesto Nazareth. 

Mas voltando à primavera, já que entrou outubro, vamos falar de flores. Zélia Duncan teve uma canção de sucesso escrita por Fred Martins que tem “flores para quando tu chegares… Uma dinâmica botânica de coresPara tu dispores pela casa”. Para os Titãs, “as flores de plástico não morrem…”. Itamar Assumpção fez uma ode ao ciúme falando do cheiro e do perfume das flores: “Perfume de flor-de-lis, perfume de orquídea, perfume de amarílisperfume de flor de lótus, perfume de meretriz, perfume de flor de cactos, perfume de flor de anis…” 

Mas, talvez a minha preferida seja Maluca, de Luis Capucho, lindamente gravada por Cássia Eller: “Num dia triste de chuva foi minha irmã quem me chamou pra ver, era um caminhão carregado de botões de rosa, eu fiquei maluca, por flor tenho loucura…” E ela sai para a rua, na chuva que eu imagino ser de primavera, volta carregada de botões de rosa e espalha pela casa, “na cama, no quarto, no chão, na penteadeira, na cozinha, na geladeira, na varanda…e na janela era grande o barulho da chuva”.  

Exatamente como é agora nessa primavera de 2020. O barulho lá fora é imenso. Citando Zélia Duncan mais uma vez, “se você não se distrai o amor não chega”. Vamos aproveitar a estação e encher a casa de flor. E de músicas, sempre. 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share via
Copy link
Powered by Social Snap